Maria de Nazaré

Marilda Santana

Ômar Souki

 

 

 

Alerta
máximo!

 

 

Avisos que chegam do Céu

 

 

 

 

 

 

 

M U N D I A L

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“A humanidade vai sentir de perto a tribulação, o sofrimento,
a dificuldade e só a paz de Deus, só a luz de Deus, só o amor de Deus poderá nos ajudar! Procurem se fortalecer com a Eucaristia, com o perdão e com o amor. A dor aumentará e o sofrimento será grande. Será de tal magnitude que vocês não poderão nem mesmo imaginá-lo—de fato, não suportariam nem pensar no que está por vir. Mesmo assim, peço que não tenham medo. Uma nova terra está por vir, na qual muitas e muitas almas poderão retornar ao Pai. Logo o Céu fará a grande justiça sobre todos os cantos da terra e nesse momento eu me ausentarei—não da presença no meio de vocês—mas, como mensageira da Palavra do Senhor. Portanto, peço-lhes que dêem mais valor ao tempo que lhes resta. Ele pode ser de muita importância para vocês daqui para frente. O mundo está se acabando e se você não se orientar—se não se manter vigilante—pode ser a sua própria destruição. Deus quer um mundo transformado! Mesmo que a humanidade não deseje essa transformação, pois prefere ser surda, muda e cega—essa transformação virá. Já está vindo em nossa direção. Estou falando de algo que está vindo em direção ao mundo—de forma muito rápida—e a humanidade, sem preparação espiritual, não conseguirá vencer essa onda de dor e de tristeza que se aproxima. Mas, não se deixem entristecer e deprimir pelas dificuldades que os olhos verão, pois o triunfo da paz está perto. Amanheçam o dia pedindo a paz e anoiteçam agradecendo pela paz. Perseverem na fé. Sejam dedicados e responsáveis. O servo de Deus fiel pode vencer tudo, até mesmo as tempestades que estão por vir. A humanidade vai sofrer uma onda de tribulações, mas, com certeza, vocês vão suportar e vão vencer. Força, meus filhos e filhas!”

 

 

Maria de Nazaré

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Quando vejo Nossa Senhora chorando, eu mesma queria poder enxugar as  lágrimas Dela. Isso não consigo fazer sozinha, porque preciso de todos vocês. Sei que se nos unirmos, se nos dermos as mãos—conseguiremos. Sendo humilde e simples, com um coração revestido de amor e luz, cada um de vocês poderá me ajudar a enxugar as lágrimas de Nossa Mãezinha do Céu. Vamos fazer mais para consolar o coração de Jesus e de Maria! Isso é possível desde que você faça de sua vida, uma vida de caridade e partilha, amando e ajudando àqueles que precisam de você! Ore e peça a Deus o dom de saber servi-Lo, com toda a sua alma e com todo o seu coração”.

 

 

Marilda Santana

 

 

 

 

“Chegamos ao ponto de alerta supremo. O chamado de Nossa Santíssima Mãe não poderia ser mais severo. Sua preocupação é evidente. A humanidade está despreparada para o fim dos tempos. Mas, preparado ou não, o ser humano será mudado e a maldade do demônio eliminada da face da terra. Nossa Senhora nos leva a entender que o mal está entranhado no próprio ser—tanto que, para que Deus possa erradicá-lo terá, também, que eliminar grande parte da humanidade. Isso causará dores terríveis. Nossa única saída é a entrega total a Deus através da oração e da prática do perdão. Nossa Mãe do Céu clama por uma mudança radical de vida para que o mal possa ser vencido. O tempo é de batalha e não podemos nos distrair nem desanimar”.

 

 

Ômar Souki

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agradecimentos

 

 

Gratidão eterna a Deus Pai pela vida que nos oferece a cada instante, pela alma que soprou em nós, pelo corpo que Ele mantém saudável, pela mente que reaviva dia a dia e pela fé que Ele nos inspira—uma fé inquebrantável—que nos faz seguir adiante e enfrentar os desafios. A Jesus, Seu Filho Amado que deu a vida para nos salvar, oferecendo com o seu viver—a todos os demais filhos e filhas—o exemplo máximo de santidade. Ao Espírito Santo de Luz pela inspiração que derrama sobre nós e por ter-nos conduzido nessa caminhada serena, mas firme, rumo à conquista do Céu.

 

Nossa gratidão a Euclydes dos Santos que acolheu Ômar Souki na comunidade Getsêmani no mês de janeiro de 2008. Aquele retiro de Silêncio foi uma sólida preparação para a futura convivência fraterna no Vale da Imaculada Conceição. Foi um período de cura e libertação que representou a transformação da água em vinho. Portanto, para o querido Padre Euclydes nossos mais sinceros agradecimentos.

 

A todas as pessoas que leram o livro As maravilhas do Céu e nos incentivaram, com o carinho de suas palavras, a produzir mais esta obra sobre o Vale. Tanto os moradores do Vale, quanto os romeiros, receberam de forma calorosa nosso primeiro livro sobre as aparições de Maria Santíssima. Com base nos comentários deles e, sob a Luz do Espírito Santo, surge esta segunda obra, que tem como finalidade acelerar nossa caminhada rumo às maravilhas do Céu. Pelo estimulo e apoio de todos vai o nosso obrigado de coração!

 

O pano de fundo de nossos pensamentos, palavras, atitudes e ações é o Vale. Portanto, tudo que escrevemos está abençoado pelo ar puro, pela água milagrosa, pelo alimento sagrado da cozinha comunitária, pelo verde da mata que nos acalma os sentidos, pelas aves que deliciam nossos ouvidos, pelas rosas que encantam nossos olhos e acariciam nosso olfato, pelas borboletas que alegram nosso viver e, principalmente, pelos sorrisos, palavras e orações de todos que fazem do Vale, uma forte alavanca em cada passo que damos rumo ao Céu. Portanto, não existem palavras que possam expressar a nossa gratidão a este Vale e à comunidade fraterna—presente de Maria!

 

A autora principal desta obra é Maria de Nazaré. Marilda Santana e Ômar Souki são apenas coadjuvantes nesta obra que foi, é e será sempre iniciativa Dela. A Ela, nossa Mãezinha do Céu, toda gratidão é pouca. Diante do que Ela tem feito e, continuará fazendo, só nos resta dobrar os joelhos e agradecer—dia e noite—pela honra que nos concedeu ao nos chamar para colocar no papel o oceano de bênçãos que reservou para todos os seus filhos e filhas dispostos a atender ao seu chamado de amor.

 

Finalmente, agradecemos ao Silêncio. Esta obra é fruto do Silêncio. Surgiu daquela parte de nosso ser que mora na Presença do Altíssimo e que O escuta. Ao silenciar os pensamentos, as palavras, as emoções e as ações, o Ser Divino que habita em cada um de nós, pôde se manifestar e expressar o seu Amor. Ao Silêncio, propriedade única e exclusiva do Todo Poderoso, do Altíssimo, os nossos mais sinceros agradecimentos, pois sem Ele, esta obra jamais seria possível.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sumário

 

Parte I:  Precisamos, devemos, necessitamos

              estar preparados

 

1.    Alerta máximo!

2.    O que é o pecado?

3.    Perdão: a força que destrói o pecado

 

4.    Força, coragem, sabedoria

 

5.    Carnaval no Céu!

6.    O amor de Deus

7.    A Misericórdia de Deus

 

Parte II:  Como nos preparar para

               o fim dos tempos

 

1.    O amor de Deus no Vale

2.    Marilda e o Vale

3.    Eu sou a Imaculada Conceição

4.    Marilda abre o coração

5.    Por que é preciso doar-se a Deus?

6.    Oração da manhã

7.    Como cultivar a bem-aventurança?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parte I

 

 

 

Precisamos, devemos, necessitamos 
estar preparados

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alerta máximo!

 

“Você está diante de uma batalha! E se não se cuidar, não vencerá.

Eu nunca imaginava, como Mãe, olhar para o mundo e ver o que estou vendo. Sei que isso é conseqüência de uma falta muito grande do ser humano—de não ter tido a devida obediência às palavras de meu filho Jesus. O que estamos vendo hoje, aqui na terra, doe no coração da Mãe, doe no coração de cada mãe”.

 

Nossa Senhora demonstra sua tristeza e nos alerta diante das calamidades que vê na terra. Durante a semana anterior a essa mensagem, o Brasil ficou chocado diante da notícia de uma menina de nove anos que ficou grávida do padrasto. O médico da menina interrompeu a gravidez de três meses, que seria de gêmeos. A igreja foi contra e um bispo excomungou o médico. Criou-se uma polêmica nacional. Na Alemanha, um jovem de 17 anos atirou nos colegas, matando 16 deles. Roubou um carro e fugiu, matando mais duas pessoas na rua. Quando estava para ser detido pela polícia, se matou. Esses não são fatos isolados. São prova do caos que a humanidade permitiu que o demônio fizesse. Diante desse quadro, a Mãe não se omite, mas adverte:

 

“Uma coisa importantíssima é a oração na vida das pessoas. Então, abra o seu coração. Coloque seu coração nas mãos de Deus e procure dar passos construtivos para criar um mundo mais humano e de pessoas mais santas. Cristo quer ver a santidade em nós. Mas as pessoas estão vivendo pior do que animais: sem raciocínio, sem dignidade, sem moralidade. Não estão cultivando a espiritualidade que o ser humano tem e que precisa desenvolver. Você não é só uma forma, uma carne. Tem uma vida pela qual deve zelar. Estamos presenciando o desmoronamento da humanidade. Estamos vendo o ser humano vivenciar a grande maldade do demônio—que zomba da criatura que Deus criou, que é o Seu próprio filho. Nunca se viu no mundo e nunca se poderia olhar para este mundo e ver uma calamidade de tanta falta de santidade. Isso que a humanidade diz ser apenas falta de ética e de moral, digo, como Mãe de Deus, que é falta de santidade. Se o ser humano tivesse desejo de conhecer a sua santidade, ele não iria deixar o demônio fazer dele o que está fazendo. Por que a criança de hoje não tem mais pureza? Isso é conseqüência de um adulto que, infelizmente, dá um exemplo contrário ao que se deve dar a uma criança”.

 

Imagine nossa responsabilidade frente a uma criança, a um adolescente, a um jovem. Somos modelos para eles. Nosso comportamento é imitado, pois suas mentes inocentes estão em busca de orientação. Estão ávidos por uma palavra amiga e à procura de uma mão que lhes dê força. Mas isso não está acontecendo, porque os próprios adultos estão desnorteados.

 

“Vemos o mundo sendo agredido. Sabe quem está sendo agredido? É o filho, é a filha, de Deus. Você é filho de Deus. Você é filha de Deus. É você mesmo que está cravando espinhos em sua própria alma. Jesus deixou que a carne Dele fosse cravada na cruz para que a alma da humanidade ficasse limpa. Mas, vocês estão passando por cima do que Ele fez. Estão enchendo a alma de vocês de espinhos—o que é mais doloroso do que fincar cravos no corpo. Uma coisa é uma doença na carne, outra coisa, é uma doença na alma. As pessoas não se dão sequer o trabalho de buscar pela santidade. Vivem com tanta falta de espiritualidade, de temor a Deus, de respeito pela vida, que passam a achar que tudo pode, que tudo é normal. Não buscam evitar o pecado, evitar as coisas que prejudicam a alma.  O que acontece? Como o ser humano está aqui de passagem, ao encontrar a hora de sua morte, vai encontrar um abismo. Não vai encontrar a Luz, mas somente o abismo que viveu na terra. Esta caminhada aqui é que nos faz passar para a grande graça ou então para a grande dor—para o grande abismo. A humanidade precisa se despertar e ter um interesse maior pela catequese das coisas de Deus. Precisa se aprofundar nas coisas de Deus. Sua vida não pode ter como base apenas a sua primeira Eucaristia, a sua confirmação da fé, o seu Santo Batismo—tem que ter vivência da espiritualidade através da oração constante. É preciso viver os dons do Espírito Santo (fortaleza, entendimento, ciência, piedade, sabedoria, temor de Deus, conselho) e comungar Cristo em sua vida e confirmar sua fé a todo instante, porque você está diante de uma batalha!”

 

Se não nos empenharmos ao máximo não venceremos. Chegamos ao ponto de alerta supremo. O chamado de Nossa Santíssima Mãe não poderia ser mais severo. Sua preocupação é evidente. Não há como colocar mais ênfase na necessidade de entrega à oração, ao silêncio, ao jejum e á Eucaristia. Sem essas devoções, a batalha pode ser perdida. A seriedade do momento é chocante.

 

“Quando se fala em preparação Eu medito sobre o quanto vocês precisam, devem e necessitam estar preparados. O mundo passa hoje por terríveis sofrimentos e tormentas desde o sofrimento espiritual, passando pelo carnal, e vivenciando também sofrimento temporal. O que o mundo espera? O mundo espera soluções que venham trazer alívio, que venham trazer paz, que venham trazer prosperidade, que venham trazer em abundância aquilo que hoje falta às pessoas. Mas se fizermos uma reflexão, vamos sentir que o mundo espera, mas só isso—apenas espera—mas faz muito pouco. É o ato de esperar sem se preparar. É o ato de querer sem buscar. É necessário que haja uma grande busca e acredite que a sua caminhada de oração não é em vão. Toda oração que você faz tem um sentido—vai ser aproveitada. É isso que Jesus nos fala. Todos aqueles que estão em oração estão lutando pelo triunfo de meu Imaculado Coração. Estamos todos juntos e é tempo de estarmos atentos e vigilantes. Não podemos perder a graça de estarmos vigilantes. Temos que estar conscientes da constante vigília. Vamos lembrar das doces palavras de Jesus quando disse: ‘Orai e vigiai’. Temos que orar e vigiar e estar preparados porque ninguém está distante do sofrimento dos outros. Quantas pessoas—justamente nesta hora do dia—estão passando pelas piores dores e sentindo as piores dificuldades, passando pelos piores tormentos, procurando uma resposta que as console e as conforte. Essas almas—se estivessem preparadas conseguiriam superar as tempestades com mais amor e facilidade—mas despreparadas, caem no mais profundo abismo de sofrimento espiritual, de tormento, de dúvida, de desespero”.

 

O que é estar preparado? E orar sem cessar, fazer da vida uma oração: pensar, falar, sentir e fazer somente o bem. Estar preparado é servir nossos semelhantes a exemplo de Jesus: “Não vim para ser servido, mas para servir!”. Ele, o modelo máximo de amor ao próximo nos indicou o caminho da preparação.

 

“Por isso, estar preparado é algo preciso e necessário a todas as pessoas. Ninguém está livre do sofrimento. Ninguém, meus filhos, minhas filhas. Quando falo que ninguém está livre do sofrimento, Eu me refiro às crianças, aos jovens, às mães, aos pais, aos missionários e missionárias do mundo. Estou falando de algo que está vindo em direção à humanidade—de forma muito rápida—e a humanidade sem preparação espiritual, não conseguirá vencer essa onda de dor e de tristeza que se aproxima. A humanidade infelizmente não está preparada. As pessoas não estão preparadas para a morte, que é a passagem. Elas vivem em torno de um apego doentio às coisas da terra. Ninguém quer realmente preparar sua alma para se encontrar com Deus. O ser humano vive diante de um vazio profundo, pensa ser só matéria, só carne. Busca os ideais só da terra. Não busca uma vida de unção e de preparação—dedicada a render graças e louvores a Deus e à Santíssima Trindade. A humanidade não está preparada para os finais dos tempos. Estes são os finais dos tempos—não é o fim do mundo—mas é um tempo de dor na face da terra. Porque é o tempo em que estamos lutando para dar um fim a essa maldade do demônio—que está cada dia maior e mais intensa. Cada dia destrói mais lares e mais famílias. Destrói as crianças”.

 

Para fazer frente aos ataques do demônio é preciso que tenhamos plena consciência de nosso valor como filhos e filhas de Deus. É preciso que cada um entenda que, com Deus, poderemos chegar à plena consciência de nosso valor. Um valor que transcende tudo que a matéria possa nos oferecer.

 

“As pessoas estão se esquecendo do valor que possuem e do valor que precisam se dar. O mundo está se acabando e é triste quando olhamos e falamos dos finais dos tempos e a pessoa imagina apenas a destruição da terra. Você se esquece de que se não se orientar, se não se manter vigilante, pode ser a sua própria destruição. O que Jesus faz hoje em nós? Está nos despertando para os valores fundamentais da vida que, infelizmente, as pessoas não sabem cultivar. Jesus observa com tristeza e dor a situação atual da humanidade. Portanto, o trabalho deste ano (2009) é enorme, pois existe um grande conteúdo de evangelização para ser passado para as pessoas. Deus quer um mundo transformado! Mesmo que a humanidade não deseje essa transformação, pois prefere ser surda, muda e cega—essa transformação virá, ela já está vindo em nossa direção. Quem não se deixa ser nem surdo, nem mudo, nem cego para as coisas do Céu, para a Palavra de Deus, vai se conscientizar do que está acontecendo e do que vai acontecer. A pessoa responsável tem conhecimento do que está acontecendo hoje, isto é: o ser humano está se condenado e se arrastando cada dia mais para a miséria. Imaginem, Deus está me enviando a quantos anos na terra? Mesmo assim, nunca se viu um mundo tão cercado pela miséria. Nunca se viu uma humanidade tão miserável, como estamos vendo agora. Por isso, é necessário ter sabedoria,  amor e respeito a Deus, para vivenciar o perdão em plenitude. O perdão é a cura necessária para que possamos ir ao encontro de Deus”.         

 

A humanidade não se preparou para o fim dos tempos. Mas a verdade é que—segundo as palavras de Maria—preparado ou não, o ser humano será mudado e a maldade do demônio eliminada da face da terra. Nossa Senhora nos leva a entender que o mal está entranhado no próprio ser. Tanto que, para que Deus possa erradicá-lo terá, também, que eliminar grande parte da humanidade. Isso causará dores terríveis. Os recursos para enfrentar o que está por vir são a oração e a prática do perdão. Maria nos motiva a ir à luta, pois o tempo é de batalha. Não podemos esmorecer: “Lute para—através da oração e do perdão—poder construir e realizar a santidade em você. Construa essa santidade com mais sabedoria e amor—principalmente amor!”.

 

 

 

 

 

 

 

Estes são os finais dos tempos—não é o fim do mundo—mas é um tempo de dor na face da terra. Porque é o tempo em que estamos lutando para dar um fim a essa maldade do demônio—que está cada dia maior e mais intensa. Cada dia destrói mais lares e
mais famílias. Destrói as crianças!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O que é o pecado?

 

O pecado é terrível. Se vocês soubessem o que demônio está fazendo com vocês—vocês também derramariam lágrimas. É devido ao pecado, devido ao massacre que o demônio está fazendo com a vida das pessoas, que Deus me envia ao mundo para fazer este alerta. O Pai me traz até vocês antes que a humanidade perca tudo o que possui”. 

 

Pecado, como explica Nossa Senhora, é valorizar mais as coisas da carne, da matéria, do que as do espírito: “Quem não está valorizando a vida como um dom? A pessoa que tem procurado mais os prazeres e a satisfação de sua carne, do que do seu espírito: aquela que não está investindo na construção de uma caminhada rumo à eternidade. Vocês se esquecem de que estão diante de uma passagem e de que amanhã poderá ser o dia de ir ao encontro do Céu, da casa do Pai. Mas, talvez você não esteja preparado para entrar na Casa do Pai e viver para sempre a vida, como Deus a deseja para cada um de nós: eterna”.

 

Neste ponto, nossa Mãezinha nos questiona seriamente:

 

·         Se o Céu colhesse você hoje, você estaria preparado
para entrar no Céu? 

·         Será que você já parou para pensar que cada minuto e cada segundo não lhe pertence, mas, sim, a Deus?

·         Como está a sua caminhada? Você corresponde ao chamado de Deus como é preciso?

·         Quantas vezes você coloca os seus olhos em primeiro lugar e por eles julga, condena, fere, magoa, se deprimindo e, muitas vezes, causando a você mesmo a pior doença do mundo: o pecado?

·         Como está o seu coração? E a sua alma?

·         Jesus está presente em seu coração?

·         Você é autêntico, verdadeiro, humilde e simples—ouve o Céu como é preciso ouvir, atende ao chamado do Senhor?

·         Corresponde aos desígnios de Deus em sua vida?

·         Como está o seu coração? Frio? Doente? Como é que você está meu filho, minha filha?

 

“Se Deus trouxe você até esta fonte de graça e de benção (o Vale da Imaculada Conceição), é para lhe curar! O único que pode curar você é Jesus! Ele pode lavar você por inteiro com Seu Sangue de Misericórdia e fazer de você um homem sábio, uma mulher sábia, um instrumento de bem-aventurança, digno de dizer: ‘Senhor! Faça-se em mim, segundo Sua vontade. Venha a mim Senhor, para que eu, através de Seus passos, possa atingir a Luz’. Oh! Meus filhos! Minhas filhas! Eu olho para o Céu e peço ao Senhor: piedade! piedade! piedade para o mundo!”.


Foi com o semblante triste, segundo Marilda, que Nossa Senhora pronunciou essas palavras. E, assim, continuou seu alerta:

 

“Queridos filhos e filhas, orem, recebam a Eucaristia e reflitam sobre a Palavra de Deus. Muitos estão vivendo nas trevas do pecado. O pecado suja, mas basta que vocês peçam perdão a Deus para que a alma fique limpa novamente. Com o pedido de perdão, você enche seu coração de amor ao próximo e ao Pai. Mesmo que o caminho do pecado pareça mais fácil, não acredite nele. O pecado engana você, pode ter uma aparência agradável, mas no final lhe trará dores tremendas. Fuja do pecado, pois ele escraviza você. Por outro lado, seu Pai Benevolente lhe mostra o caminho da santidade, aquele que no princípio parece difícil, mas que é o único que lhe oferece a verdadeira liberdade. Enquanto o pecado escraviza, a virtude Divina, liberta”. 

 

Em sua infinita bondade e sabedoria, Maria conhece a origem do pecado: “Será que pecamos porque queremos? Não. Erramos e caímos não porque esse seja o nosso desejo. Existe alguém que nos cria situações propícias ao erro e—se estivermos sem oração e sem Eucaristia—embarcamos em suas ciladas. Essa pessoa interessada em nossa ruína é o demônio, o rei das trevas. É ele que nos aconselha a mentir, que nos estimula a mentir”.

Enquanto a verdade liberta, a mentira escraviza--pensei.

”Não se deixe atormentar pelas trevas e jamais se esconda na mentira. Diga a verdade. É preferível chorar pela verdade a sorrir pela mentira. Não finja que a sua verdade não é a cruz. Abrace sua cruz com alegria. Carregue sua cruz com um sorriso. Que o seu coração tenha sede da verdade. Para toda queda existe a vontade de Deus que deseja nos levantar e nos corrigir. Não teime em continuar nas trevas porque a Luz de Jesus vai brilhar sempre à sua frente. Tudo é para seu crescimento, para seu amadurecimento, para o seu próprio bem e contribui para o privilégio de ganhar o Céu. Jesus disse que devemos deixar de lado a nossa ignorância e—mesmo que tenhamos seguido um caminho sem Luz—Ele sempre esteve ao nosso lado”.

 

Por mais que tenhamos pecado, por maiores que tenham sido as nossas faltas, jamais—isso mesmo—jamais fomos abandonados por Jesus. Mesmo quando nossos pensamentos, palavras, sentimentos e ações não condiziam com aquilo que Ele desejava para nós, Ele permanecia conosco. Estava sempre ali, disposto a dar a mão, a proteger, a ajudar, a orientar. Basta um pedido sincero de nossa parte para que ele corra em nosso auxilio, pois Jesus nunca desiste de nós—enfim, nós pertencemos a Ele. Pecamos quando nos deixamos influenciar pelo demônio.

 

De acordo com Marilda: “Pecar é ferir a sua alma e seu coração é sentir-se pesado e sem forças para ver a Luz. Nossa Senhora nos fala que somos filhos da Luz, mas que muitas vezes nos deixamos perder pelas tentações e perseguições do demônio. Não foi por um simples motivo que Jesus morreu na cruz. Jesus morreu para salvar o mundo, por isso devemos e precisamos evitar pecar. Com sabedoria e fé podemos alcançar as mais belas e lindas graças, para vencermos as tentações. Os santos podem ser um exemplo para nós, pois, apesar das perseguições—pela força e graça da oração—superaram enormes tormentas. A medida de nossa vida deve ser a fé. Através dela receberemos as bênçãos do Céu. Com a força celestial venceremos nossos caprichos maliciosos e as tentações do demônio. As doenças aparecem como conseqüência do pecado. Elas aparecem quando os filhos e as filhas de Deus colocam em primeiro plano seus desejos materiais, os prazeres do mundo e o poder. Facilmente nos esquecemos que Jesus suou sangue para lavar os nossos corações”. 

 

Não é possível falar de pecado sem mencionar o demônio. Jesus chegou a chamá-lo de príncipe deste mundo, portanto, sua influência não pode ser subestimada. Nossa Senhora diz que o demônio é cruel e que, somente quando nós, seres humanos, nos dermos as mãos conseguiremos vencer essa crueldade. Dar as mãos é justamente o oposto do que o mundo prega. Instigado pelo maligno, o mundo estimula a competição, o individualismo, o egocentrismo, o orgulho, o ódio, a vingança, a ira, a destruição, a guerra, a doença e, finalmente, a morte. O fruto do pecado é a doença tanto da mente quanto do corpo. Talvez pudéssemos melhorar nossa saúde e deixar de gastar fortunas em tratamento médico se aumentássemos nossa fé, nossa entrega a Deus, através da partilha, da fraternidade, da oração, do silêncio, do jejum e da Eucaristia. Mas essas são receitas simples demais para serem acolhidas pela agitação das mentes que habitam os grandes centros. Dentro desse contexto de agitação, intriga, individualismo e busca insana pelo sucesso material e pelo poder não é fácil parar para escutar a Voz do Pai em nós. Por isso, o ambiente do Vale é essencial para aqueles que desejam reconstruir a vida—isto é, orientar sua existência para o Céu e não para o inferno.

Marilda nos aconselha: “Devemos procurar uma vida de maior obediência a Deus, aos seus mandamentos, de vivência ao Evangelho e de amor profundo pela Eucaristia, onde Jesus se faz presença viva e grandiosa. Nela Jesus se oferece como nossa fortaleza e nossa Luz. Lembre-se de que Deus está vivo dentro de você e de que o seu coração pertence a Jesus. Precisamos procurar a presença de Deus em nós para vencer as perseguições do maligno. As armas do demônio são o ódio, a raiva, o orgulho e a desunião. O sofrimento da humanidade se deve à falta de obediência ao Criador. Ao procurar com fervor um aumento de sua espiritualidade, você pode se tornar um exemplo de amor e de fé—através do sustento e fortaleza que só Deus pode lhe oferecer”.

 

Nunca fui fã dos filmes de perseguição, de intriga, de terror e de guerra—que retratam o ódio, a raiva, o orgulho, a desunião—do tipo O senhor dos anéis, Starwars, O massacre da serra elétrica, O exorcista, O motoqueiro fantasma, Rambo, O silêncio dos inocentes, O soldado Ryan, etc. Mas, são, justamente, esses que atraem grandes públicos. Será por quê? Talvez seja porque representam a batalha que se trava dentro do próprio ser humano entre o bem e o mal. Pessoalmente, prefiro histórias como Padre Pio, O escafandro e a borboleta, Irmão Sol-Irmã Lua, Na natureza selvagem, Gandhi, Orgulho e preconceito, Santo Antônio de Pádua, A casa do lago, Graça selvagem, Santa Rita de Cássia, etc., isto é, conteúdos que elevam o espírito. São filmes que fazem com que eu saia do cinema me sentindo melhor. A grande ironia, porém, é que, depois que passei a escutar as mensagens de Nossa Senhora, aprendi que as batalhas não são exclusividade da terra—há também uma guerra sendo travada no mundo espiritual.

O conflito não é uma invenção do ser humano, mas algo que precede a nossa chegada ao planeta. Antes de existirmos já havia uma luta sendo travada entre o bem e o mal—entre os exércitos de Miguel, o Arcanjo de Deus e Lúcifer, o anjo caído, e seus seguidores. As referências de Nossa Mãe ao conflito espiritual confirmam as palavras do apóstolo Paulo quando diz que as lutas da terra não são entre seres de carne e osso, mas, sim, entre entidades espirituais. Essa disputa fica clara na oração do Papa Leão XIII:

 

São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate! Sede o nosso refúgio contra as maldades e as ciladas do demônio. Exerça Deus sobre ele império—como insistentemente o pedimos. E vós, príncipe da milícia celeste, pelo divino poder, precipitai no inferno a satanás e a todos os espíritos malignos que andam pelo mundo para perder as almas. Amém!

 

De acordo com a doutrina da igreja, houve anjos que pecaram contra Deus. Por orgulho, não mais cumpriam nem obedeciam a vontade do Pai Supremo. Lúcifer gritou: “Não vou adorar a Deus”. Foi quando o Arcanjo Miguel bradou: “Quem como Deus? ,iQuem?”. Assim começou a batalha entre o bem e o mal. O profeta Daniel faz referência ao Arcanjo Miguel e à sua missão: “Naquele tempo, surgirá Miguel, o grande chefe, o protetor dos filhos do seu povo. Será uma época de tal desolação, como jamais houve desde que as nações existem. Então, entre os filhos de seu povo serão salvos aqueles que se acharem sob a proteção Divina” (Dn 12, 1). O papa João Paulo II disse: “O pecado tem matado o mundo. É preciso vigiar contra a ação satânica e invocar a proteção do Arcanjo Miguel”. O padre Roberto Lettieri, fundador do movimento Toca de Assis, confessa que é perseguido por uma legião de demônios, mas que sua proteção é a alegria que recebe do Arcanjo Miguel. Ele afirma que a alegria é detestável ao demônio, enquanto a tristeza é seu prato predileto, pois leva à depressão, à angustia, à solidão e até ao suicídio. Padre Roberto recomenda a alegria como o maior exorcismo contra o demônio.

 

Nossa Mãe do Céu confirma dizendo que, mesmo vivendo momentos de turbulência, a alma que está em oração encontra a paz e a alegria: “No Vale, o Espírito Santo vem trazer-nos a unção necessária para atingirmos a paz. Essa unção nos ajuda na batalha que travamos contra o orgulho, a inveja, o ciúme, a mentira. Esteja atento para que a sua língua não julgue, não critique e não persiga. Uns lançam a pedra e outros julgam quando vêem a pedra chegando. O demônio usa a nossa língua para ferir a nossos semelhantes e a nós mesmos. Portanto, fale apenas o que é preciso e medite as palavras. Reflita antes de dizer alguma coisa. Isso foi justamente o que fiz durante toda a minha vida na terra. Antes de falar pense um pouco. Será que essa palavra vai ajudar a melhorar a vida de meu semelhante? Se você estiver vivendo uma vida sem oração fica mais fácil do demônio usar sua língua. Enquanto as pessoas estão preocupadas com os efeitos materiais da crise econômica, Eu me preocupo com a alma de vocês. Pare e reflita como você está diante de Deus. Você tem  prazer em fazer o bem? Ou você tem prazer em fazer o mal e provocar sofrimentos nos outros? Deus quer que cultivemos a paz interior e que vençamos os desafios com mais alegria. Quando achar que sua cruz está muito pesada, não pense só na cruz, mas veja nela o próprio Jesus. Ele não permite que você a carregue sozinho, pois deseja caminhar com você. Aceite a ajuda Dele. Ele está ao seu lado. Ele vai ajudar você a carregar a sua cruz e jamais o abandonará. Reflita sobre o quanto temos que ser felizes, mesmo diante das dificuldades. Jamais se entristeça diante das dificuldades. Não exija que o mundo seja diferente do que é—pratique a aceitação. Procure a sua própria paz interior e estará contribuindo efetivamente para o aumento da paz no mundo. Estar bem é estar com a consciência tranqüila. Mesmo com todas as dificuldades atuais, o mundo ainda apresenta as belezas que Deus lhe deu. Por maior que seja a batalha, jamais se sinta perdedor, mas sempre vencedor! Não desanime. Tenha fé! Tenha consciência de que Deus está conosco—Ele é a maior fonte de graça e de alegria”. 

 

Depois de ter sofrido nas mãos do demônio, eu posso afirmar que, mesmo que tenhamos que nos despedir das “facilidades e prazeres” do mundo, vale a pena investir em nossa espiritualidade. Cheguei à conclusão de que, mesmo que tenha que “sofrer”—isto é, não viver uma vida recheada de prazeres e facilidades, mas de oração e entrega ao bem estar do meu próximo e da sociedade—é justamente esse tipo de “sacrifício” que me dará alegria plena e paz de espírito. Pois, nada—nada mesmo—pode substituir a paz de espírito, que é a essência da felicidade. Aprendi que felicidade não é prazer, felicidade é vitória!

 

Marilda relata que também tem suas provações: “Minha caminhada tem sido cercada de espinhos e dificuldades. Já chorei muitas vezes. Por que tantas dificuldades e incompreensões se o único desejo que tenho é o de servir e consolar ao meu Deus, ao meu querido Pai Celestial? Sou um pequeno instrumento, mas procuro com todas as minhas forças contribuir para a paz nos corações carentes e necessitados. Cheguei a compreender que quanto maior é nosso amor por Jesus, maiores as perseguições. Pensava, às vezes, que não teria forças para vencer os ataques. Mas o meu bom Deus enviou-me uma Mãe terna e doce, que sempre me abençoou com o seu profundo amor. Com Ela aprendi que não se deve desistir do ideal supremo de amar e servir a Deus, através da ajuda firme a nossos irmãos. Isso nos traz tanta alegria que esquecemos das tristezas da caminhada. Para quem ama é maravilhoso poder superar as tribulações e olhar para a recompensa que está a nossa frente. A recompensa é o próprio Deus, sempre pronto a nos iluminar e consolar, como um Pai que jamais nos abandona. O Seu Infinito Amor por nós é o nosso sustento diário. Nunca estamos sozinhos quando fazemos a vontade do Pai. O Céu sempre nos retribui em dobro, pois são muitas as pessoas que constantemente oram e pedem misericórdia por nós.  Através do sofrimento aprendi a crescer, a amar, a perdoar e, acima de tudo, aprendi que Deus é o Único que pode nos socorrer no sofrimento. Ele transforma nosso sacrifício em uma obra de glória eterna, de amor e de paz. Portanto, não questione as dificuldades pelas quais tem que passar. Lembre-se de tudo o que Jesus sofreu e de que somente Ele pode nos ajudar a sermos fortes e a transformamos os nossos sofrimentos em puro amor. Nosso sofrimento pode, muitas vezes, servir de consolo a Jesus e a Maria, por todas as ofensas que recebem da humanidade”.

 

 

São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate!
Sede o nosso refúgio contra as maldades
e as ciladas do demônio.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Perdão: a força que destrói o pecado

 

“A urgência é enorme! Deus coloca nos filhos e nas filhas o seu principal conteúdo de amor. O coração de Jesus clama pelo nosso amor e pede que a justiça Divina reine em nossas almas. Se Deus não se importasse com seus filhos e filhas, não me enviaria até aqui. Vocês chegam ao Vale em busca de Deus e Ele—em sua Infinita Bondade—me envia em busca de vocês. Seus filhos e Suas filhas são as coisas mais preciosas que o Pai tem, mas o demônio quer que vocês se sintam como se fossem miseráveis. As pessoas acham que são pecadoras, mas a misericórdia de Deus é maior. Deus é o próprio perdão. Por isso, Jesus quer que você se dedique a perdoar. O perdão é tudo, pois permite que a família seja abençoada e a vida, justa”.

 

Nossa Senhora é objetiva. Fala firme, fala com convicção. Ela não acha—afirma! Não faz conjecturas—declara! Não vem para motivar, mas para arrebatar! Com Ela, o Céu envia todo o seu poder. A força de seu falar é irresistível:

“Quero ver vocês no Céu. Luto para levar todos para o Céu. Aqui se realiza o mistério belíssimo da fé. Agradeça a Jesus pela vida e por estar aqui. Aprenda a receber e a dar o perdão”.

Maria, em sua infinita bondade e delicadeza, nos conduz com mão suave, mas firme:

“Deus olhou para o Brasil, para este Vale, e me conduziu até aqui. Neste Vale tão simples Deus construiu esta obra tão grande no coração de cada um. Como é bom saber ouvir o Céu e valorizar o silêncio, a oração, o jejum e a Eucaristia. Eu vim guiada por Jesus para catequizar vocês. Vamos suplicar a graça da paz na comunidade ensinando cada um a perdoar. Pois, se não tiverem sabedoria, não conseguirão enfrentar as armadilhas que o demônio tem preparadas para vocês. O ser humano está sem espiritualidade. É importante que se intensifique o cultivo da espiritualidade e se aceite o fato de que não somos matéria, mas espírito. Este mundo não é eterno e ninguém sabe nem o dia nem a hora que vai partir. Nossa entrega deve ser constante, pois Deus é dono de cada um de nós. Deus nos quer, mas também quer que o ser humano o deseje. Ele precisa de cada um de nós. Abra os olhos e tenha consciência plena de que Deus precisa de você. Qual é o pai que não precisa do filho?”.

 

É mesmo—pensei. Como me sinto dependente de meus filhos! Como gosto de escutar o som divino desta frase: “Papai, eu amo você!”. Outra coisa que devo salientar é a importância da entrega constante, pois não sabemos quando seremos chamados pelo Pai. Se nos distrairmos com as coisas do mundo, chegaremos à sua Presença sem o preparo necessário.

 

“As portas do Céu estão abertas, mas só entram os que querem. A terra é pó. Não se apegue a esse pó. Nossa vida está nas mãos de Deus. Deus fica—a terra passa. Deus traz o conhecimento, o fortalecimento através do amor que dedica a todos. Se Ele não nos iluminar, não ficará pedra sobre pedra. Lembrem-se de que nunca é tarde para pedir perdão a Deus—e de que é preciso orar, orar muito, orar sempre. Ore com a vida. Receba a Eucaristia com a máxima freqüência. Cada dia que passa, mais perigo vocês correm. A humanidade está imersa na desunião e Deus luta para salvá-la. O Pai me envia para promover a paz e a união, mas o demônio quer destruir a alma de vocês”.

 

Quais são as armas que o demônio usa? Marilda responde: “Ele se alimenta de nosso orgulho, de nossa inveja, de nossa preguiça, de nosso ciúme—que são doenças do espírito. O ano de 2009 não foi dedicado ao perdão à toa. O demônio quer o contrário do perdão—se empenha em promover a discórdia. Por isso, os casais e os filhos devem se dedicar ao perdão e colocar em prática tudo aquilo que Nossa Senhora pede”.

Nossa Senhora insiste: “Aprenda a perdoar sempre. Somente através do perdão vocês poderão se libertar das forças do mal. Sem o perdão não se alcança a graça de ser família. Ser família é amar e perdoar. O convívio familiar é feito através do perdão. A cada dia você pode magoar e ser magoado porque não somos perfeitos aqui na terra. É fácil seduzir-se e cair nas armadilhas da língua, dos olhos e dos ouvidos. Nesta passagem pela terra o importante é direcionar-se de forma certa. Uma família merece todo valor. No entanto, vemos as pessoas abandonando a família em busca dos prazeres da carne. Seguir a Deus é ter coragem—coragem de se colocar diante Dele de coração, de alma e de corpo inteiro. Observe sua família e verifique o que precisa—o que ela mais precisa é do perdão, para ser doado e recebido. As famílias estão desmoronando devido ao desrespeito, ao orgulho, à arrogância, a sedução e à busca desenfreada pelos prazeres mundanos. É preciso dar exemplo aos filhos”.

Podemos magoar e ser magoados—quanta verdade! É o que mais fazemos. Será por quê? Isso acontece devido a busca de cada um pela satisfação de suas próprias necessidades, sem considerar o que o outro deseja ou precisa. Enfim, magoamos porque somos egoístas. Esse individualismo exacerbado é estimulado pela sociedade—e pelo demônio, que está inserido nela—quando estabelece elevados padrões de consumo e de desempenho pessoal e profissional. O ser humano se dispersa diante das coisas do mundo e se esquece das coisas do Céu. Raramente a simplicidade e a humildade—tão importantes para o crescimento espiritual—são valorizadas no mundo. Mas, enquanto o mundo escraviza, o Céu liberta!

Nossa Senhora aponta para a necessidade de exorcismo para libertar as famílias das ciladas do demônio. Durante a benção, que vem logo após as mensagens, Maria nos cura e liberta. Essa cura e libertação, de acordo com Ela, é uma graça concedida pelo seu Filho Jesus.

“As pessoas precisam de exorcismo porque o mundo inteiro está contaminado pelo demônio. Estamos diante de uma batalha, por isso, precisamos de coragem, determinação e fé para resistir. Peça libertação para seus filhos. Clame por amor, alegria e sabedoria para receber a Luz do Céu e multiplicar, em sua vida, as virtudes, graças e bênçãos que o Céu lhe oferece aqui. Peça a Deus perdão. Perdoe a pessoa que você mais precisa perdoar. Perdoar é esquecer. Muitas vezes as pessoas o magoam porque têm ciúme, orgulho e, principalmente, inveja—que levam a pessoa a julgar, a criticar, a perseguir, a usar a língua para falar mal dos outros. Faça o ato de reparação aqui, agora—é um ato importante—porque você pode levar essa semente para sua casa, isto é, pode aprender a perdoar aqui e pode levar o perdão para sua família. Isso porque a armadilha do demônio é para as famílias. Daí a necessidade de ensinar essa prática para seus filhos e filhas. Se os pais não orientarem os filhos, podem perdê-los para sempre. Quem ama mostra os erros—isso é responsabilidade dos pais. Amar é educar”.

O investimento na formação dos filhos, algo tão importante, não tem sido levado a sério pelos pais. Nos centros urbanos, tanto o pai, quanto a mãe, trabalham e dispõem de pouco tempo para os filhos. Quando muito podem dispor dos fins de semana que são gastos, principalmente, com lazer. Eu mesmo, quando morava na cidade, não tinha tempo para me dedicar à formação moral e ética de meus filhos.

“Cada um tem que se assumir diante de seus atos. É preciso ter preparação para, realmente, querer alcançar o perdão. Não pense que pode enganar a Deus. Talvez o mundo não veja o que você está fazendo, mas Deus vê. Tem que perdoar, principalmente, aos que estão mais próximos. É preciso que os filhos perdoem aos pais e que os pais perdoem aos filhos”. 

O alerta de Nossa Senhora é claro: “O sofrimento da humanidade está terrível—são doenças e mais doenças e catástrofes por todo lado. E sua alma? Como está a sua alma? Eu vejo as almas e a situação está triste. Cuide de sua alma. Não insista em uma vida de pecado, mas liberte-se através do perdão. Você tem que amar seu próximo que está mais próximo. Seja um exemplo dentro de sua própria casa. Deus não é aparência. Deus é essência. Cultive essa Essência Divina em você através da oração, da partilha, do amor e da abertura à Palavra. Preocupe-se com a salvação de sua alma e pare de se preocupar com a vida dos outros. É fácil ver o outro. O difícil é se ver. Procure se cuidar e se cultivar para que as feridas não cresçam. Quanto mais se cuidar melhor, pois se deixar, as feridas de sua alma podem ficar enormes e difíceis de tratar. Procure ser exemplo de amor e de fé, evitando o pecado, tenha certeza e creia que Deus lhe concederá todo sustento e fortaleza para vencer! Busque sempre a graça de amar e de respeitar seus irmãos e irmãs. Acredite que tudo pode ser restaurado pela fé. Confie plenamente em Deus e tudo em sua vida se resolverá”.

 

O maior instrumento desse programa de vida sugerido por Nossa Mãezinha do Céu é o perdão. Para a salvação de nossa alma é necessário foco intenso na cura de nossas próprias feridas. A maior cura é o perdão—é saber nos perdoar pelas nossas faltas e saber pedir e oferecer o perdão. Para que isso se torne realidade, Maria nos ensinou uma súplica—que deve ser feita todos os dias—é a oração do perdão:

 

Pai, perdão, pelas minhas falhas, minhas culpas e meus pecados. Jesus, perdão, pela minha fraqueza, pelo meu orgulho, pela minha falta de fé, perdão! Oh! Espírito Santo de Luz seja minha ciência, minha sabedoria e minha inteligência. Para que diante de Vós, Pai, Filho e Divino Espírito Santo, eu possa receber e alcançar o perdão. Amém.

 

“Preste atenção na oração do perdão. Deixe que, através dela o Espírito Santo aja em seu coração, pois Ele é o único que pode nos fazer entender o perdão. Primeiramente pedimos perdão ao Pai, depois a Jesus e, a seguir—buscamos  através dessa súplica—o entendimento da presença do Espírito Santo, o único capaz de nos dar o conhecimento real do perdão. Perdão esse que deve ser procurado no Pai para a edificação do Filho que é Jesus. Portanto é uma oração extraordinária. Eu meditei e medito cada palavra por mim enunciada a vocês pela vontade de Deus. Vejo quão maravilhoso é esse pedido, porque o canal para se chegar ao perdão é a Luz do Espírito Santo”.

 

É tudo muito sério! Maria afirma: “Meditei e medito cada palavra enunciada a vocês pela vontade de Deus”. Isso quer dizer que essas palavras são declarações capazes de, literalmente, transformar o mundo. O propósito máximo dessa súplica é a salvação da humanidade. Quando o mundo aprender a perdoar, será salvo de satanás. Pode haver algo mais importante do que perdoar, perdoar e perdoar? É pela Luz do Espírito Santo que se chega a alcançar o grande mérito da bondade do Pai e o grande mérito do perdão de Jesus. Ele se fez homem e habitou entre nós para perdoar o mundo. Na meditação da quaresma se contempla exatamente isso—Jesus se fazendo homem, tomando carne, enfim, vindo ao mundo para oferecer o perdão às pessoas. Mas hoje vemos um mundo sem Luz”.

 

Neste exato momento—como se fosse um efeito especial planejado pelo Céu—as luzes da capela se apagaram, permaneceram assim por aproximadamente meio minuto e, como que por um passe de mágica, se acenderam novamente.

 

“Vivemos num mundo imerso nas trevas do pecado. Por isso devemos nos aproximar do Espírito Santo, pois se você seguir as sugestões do mundo—preste atenção no que vou falar meu filho, minha filha—se seguirem o mundo vão continuar ofendendo imensamente o coração de Jesus. Mas se, por outro lado, se deixarem guiar pela Luz do Espírito Santo terão um pouquinho mais de prudência nos atos. Ao fazer essa oração procure meditar palavra por palavra e tomar consciência de que o Espírito Santo é o verdadeiro canal que nos ensina a edificar o arrependimento e a considerar o pedir e o dar o perdão com extrema seriedade. Esteja com seu coração voltado para essa grande Luz e essa grande Graça que é o perdão!”.

 
  Quero ver vocês no Céu. Luto para levar todos para o Céu. Aqui se realiza o mistério belíssimo da fé. Agradeça a Jesus pela vida e
 por estar aqui. Aprenda a receber e a dar o perdão.




 

Força, coragem, sabedoria

 

“Não caia na hora da dor! Não se entristeça na hora do sofrimento! Abra seus olhos e saiba que Deus está com você, que você está a caminho do Triunfo do Coração de Maria. Você faz parte de um exército, que é o exército de Deus—onde se tem como arma, o rosário, como Luz, o Espírito Santo, como alimento, o Cristo, o próprio Cristo Jesus, e como fortaleza, o Amor de um Pai presente em cada um de Seus filhos e filhas!”

 

Por mais desconcertante que seja a afirmação de Maria—com uso de linguagem militar—de fato, Ela está nos mostrando o que é necessário para conquistar o Céu. Depois de me aprofundar na intimidade da Nossa Divina Mãe, tenho plena consciência de que—para se chegar ao Paraíso—precisamos lutar.

 

“Vamos olhar para dentro de nossos corações e pedir a Jesus que nos conceda a luz do Divino Espírito Santo, para que saibamos e possamos mergulhar neste oceano de graças e de bênçãos que é a Palavra do Céu—a Palavra de Deus! Desejo acolher a todos vocês em meu coração. Receber carinhosamente os filhos e as filhas que aqui vieram ao encontro das bênçãos celestiais, das graças Divinas. Quero abraçar a todos que vieram examinar o seu coração, dispostos a orar pela paz e também a pedir pelo Santo Padre, o Papa. Desejo pedir de uma forma especial que a humanidade tenha força, coragem e sabedoria para vencer os desafios. Daqui para frente nada vai ser fácil. Virão tribulações, sofrimentos e dificuldades. Gostaria de pedir-lhes, filhos e filhas queridos, que sejam perseverantes, autênticos e verdadeiros! Não se deixassem abater pelas tristezas que estão por vir. Nas tribulações e nos sofrimentos, o Único que pode acalmar os corações é Deus. Deus é a paz! Onde a paz está presente tudo se transforma e se renova, inclusive a nossa própria vida. Hoje temos aqui tantas coisas bonitas a serem praticadas e construídas—coisas verdadeiramente belas!“.

 

Para Nossa Senhora, os desafios representam oportunidades de crescimento. Ao falar das tribulações, dos sofrimentos e das dificuldades, jamais deixa de realçar o papel da força, da coragem e da sabedoria na luta contra a adversidade. Será justamente o nosso empenho, a nossa devoção e o nosso zelo que possibilitará a construção de coisas belas, verdadeiramente belas. Quanto Ela espera de nós! Quanto confia em nós! Enfim, a Senhora do Céu, enquanto estava na terra, soube dar-nos o exemplo Daquela que transformou dor em salvação. Foi o Seu “sim” ousado que possibilitou a vinda do Salvador. A sua notável coragem foi culminada com a subida aos Céus e coroação pela Santíssima Trindade. Ela, portanto, sabe do que está falando. Para alcançar a Glória é necessário enfrentar o infortúnio com bravura, determinação e fé. 

 

Quando olho para vocês, a primeira coisa que vejo é o quanto Deus os ama. Imaginem a dimensão desse amor. Ele me envia como uma mensageira diretamente do Céu, para passar-lhes um ensinamento Divino—para conduzi-los e orientá-los como vencer, com dignidade, o pecado, terem sustento na fé e serem superiores às fraquezas do mal. Graças à bondosa Misericórdia de Deus, o mundo se aproxima da paz, do Triunfo do Meu Coração Imaculado de Mãe!”

 

Esse triunfo não será de graça. Deverá ser suado—pode depender até mesmo de lágrimas de sangue—como bem explica a Nossa Bondosa Mãe:

 

“Mas, justamente pelo fato de o mundo estar se aproximando desse triunfo é que está, também, a caminho de uma terrível tempestade de dores e de tristezas. Por isso, estou sempre pedindo a Jesus, que os faça fortes e perseverantes. Não existe nada mais importante do que você ser autêntico e verdadeiro e ter dentro de si à vontade de lutar por dias melhores e por um mundo de paz. Mesmo diante de tantos sofrimentos e tristezas é bonito ver vocês ouvindo e compreendendo a mensagem do Céu. Toda a tribulação que está vindo é resultado da não obediência aos mandamentos do Céu. Portanto, proteja-se. Vá ao encontro de Cristo na Eucaristia, alimente seu coração e fortaleza a sua alma”.

 

Estamos a caminho da tempestade. Nossa força está na oração e na Eucaristia. Pensei no privilégio que é poder comungar todos os dias. Depois de ouvir Nossa Mãe do Céu insistir tanto nesses pontos, não posso deixar de levar a sério esses instrumentos que o Céu nos oferece na luta contra o mal. A comunhão diária fortalece meu coração e tranqüiliza a minha alma. É preciso investir tudo em nosso fortalecimento espiritual, pois os desafios estão batendo à nossa porta.

 

“Filhos e filhas, eu sei que uma terrível tempestade de lágrimas está vindo para a humanidade. Isso porque o mundo vem plantando desrespeito e desobediência ao Céu. Com o plantio da maldade, os seres humanos colherão tristeza, depressão e desilusão. Daqui para frente é preciso levar uma vida dedicada à oração do santo rosário, de freqüência à Eucaristia e leitura do Evangelho. Lembre-se de que a Palavra de Deus poderá ser a única esperança para vencer a falta de confiança em Deus. Se a humanidade confiasse mais em Deus, as pessoas não se perturbariam com tanta facilidade frente às ilusões dos prazeres do mundo e dos apetites da carne. Já não mais existe o alicerce, que é a família, para a criação dos filhos e desenvolvimento dos jovens. O ser humano está buscando mais a sua felicidade nas coisas dos olhos e não nas coisas de Deus—a essência da vida e o fundamento da alma.  Reflita bem. Foi Deus que trouxe você até aqui. Você teve que vencer vários desafios para chegar até aqui, mas, afinal chegou—está aqui em busca das coisas do Céu. Todos os que vêm até o Vale, chegam em oração para agradecer e receber graças. Ao sair, levam força, confiança, perseverança, coragem e luz para vencer e ânimo para seguir adiante. Esse é um grande privilégio—superior a qualquer coisa que possa existir na terra. A partir do momento em que começa a compreender a vida como um dom de Deus—como o maior presente do mundo—você toma consciência de como é especial aos olhos de Deus. Passa, então a compreender que todo sacrifício é pouco para se estar aqui. A caminhada até o Vale vai fazer de cada um de vocês criaturas mais fortes”.

 

De fato, não pode existir privilégio maior do que estar imerso na Palavra. No Vale estamos inundados pela doçura do Céu. Vou além, ao escrever sobre a minha experiência com Nossa Senhora e as suas mensagens, eu me fortaleço na fé e na esperança. Na fé e na esperança de que, segurando em Sua divina mão, conseguiremos a força necessária para vencer as provações que estão vindo e chegar ao tão almejado destino: o Céu!


”Jesus, também, um dia caminhou entre homens e mulheres. Teve que vencer tentações e dificuldades até o momento em que foi condenado à morte, pelos seus próprios irmãos. Ele venceu tudo com amor! Assim também nós devemos vencer os momentos difíceis com amor! Devemos consolar Jesus através de nossos sacrifícios—como o de chegar até aqui—e oferecê-los pelas pessoas que ainda estão ofendendo e ferindo ao Seu Divino Coração e à Sua Alma Impecável. Vamos também oferecer nossos sofrimentos pela salvação deste mundo que vive sob o terror do pecado—enfim, que vive em tremenda escuridão. Ofereçamos as nossas dores e tribulações para que a Luz do Divino Espírito Santo desça sobre nós agindo e transformando o coração dessa humanidade—tão perseguida e atormentada pelo demônio”.

O próprio Jesus se submeteu ás tentações e ciladas do demônio. Ele se rebaixou à nossa condição e se sujeitou á crueldade do mundo. Entregou seu sangue para mostrar-nos o quanto Ele nos ama. Se eu pensar só na cruz, o mistério se torna insondável: o próprio Deus, feito carne, se entregar humildemente à morte. Mas, se contemplar a glória da ressurreição, talvez o mistério não seja tão insondável. Era preciso a morte, para que Ele provasse ser superior a ela. Portanto, o seu propósito não para na cruz, vai além. O real objetivo de Cristo não é a morte, mas a vida: o triunfo do bem sobre o mal. Por isso, Ele é o nosso maior exemplo de luta e esperança. Para os que enfrentarem com valor as tribulações deste mundo, existe o galardão da vitória: o Céu!.


”Vocês estão vivendo um tempo de transformação. Deus está construindo uma grande transformação nos corações de seus filhos, porque na verdade não é a terra que precisa se transformar e sim, seus filhos e filhas. Quando você planta uma semente sobre uma terra boa, ela tem que dar frutos! Se a semente não dá frutos na terra boa, então você retira aquela semente e torna a plantar nova semente. Assim também é a obra de Deus. Eu sei que muitos sofrimentos virão. Vocês passarão por conseqüências dolorosas, mas, sejam fortes! Você que está triste, magoado, olhando para o Céu e querendo uma reposta—quantas vezes sofre injustiças por querer fazer o bem! Mesmo assim, não esmoreça, lembre-se de que o prêmio é a eternidade!”.

Isso não é fácil de aceitar. Quantas vezes, justamente aqueles que mais buscam fazer o bem, são os que mais sofrem. A conquista do Céu passa por esse desapego às recompensas terrenas.

 

“Não esperem os júbilos na terra, porque as pessoas não conhecem nem praticam as coisas como devem ser praticadas. Na maioria das vezes vivem apenas com a sua capacidade humana, se esquecendo de deixar o Espírito Santo agir em seu coração. Deixe Jesus operar em você o maior milagre do mundo: a fé. Deixe que a fé o renove e transforme e Eu tenho certeza de que você não se deixará abater pelas dificuldades. Pelo contrário, elas farão com que você fique cada vez mais forte e capaz. Lembre-se de Jesus, quando disse: ‘Não tenha medo, porque o caminho para o Céu é o estreito, mas é justamente o estreito que é o caminho da vida, da Vida Eterna’”.

Portanto, se desejarmos conquistar o Céu é importante nos entregarmos a essa batalha pelo bem—uma luta que, aqui na terra, talvez não produza elevados dividendos. O retorno que se tem aqui na terra—por essa dedicação às coisas do Céu—é a garantia de um coração sereno, repleto de paz. A verdadeira recompensa, no entanto, nos espera na eternidade. Pode até tardar um pouco, mas quando vem, vem em proporções colossais. É, justamente, por isso que se deve buscar pelo caminho estreito, da verdade, da coragem, da bondade, do desapego aos bens materiais e da fé em Deus.
 
“Com essa sede de luta pela vida eterna, de lutar pelo Triunfo de Meu Coração conseguiremos conquistar e viver a paz. Faça de cada dia de sua vida um dia de consolação a Cristo, de amor a Cristo, de adoração a Cristo. Que—bem no silêncio de seu coração—você se coloque como instrumento da paz, para recebê-la e plantá-la por onde você passar, pelos caminhos que percorrer.

Tenha certeza, estarei sempre com vocês! Como a mãe que intercede pelo filho e pela filha, porque os ama”.

 

Ao escutar Nossa Senhora no Vale, nosso coração se enche de segurança. Cada um dos que aqui vêm, partem com a certeza de que jamais estarão sozinhos na caminhada. Podem contar com uma Mãe Bondosa que os protegerá e abençoará a todo o momento. Para mim é importante estar sempre em contato com o Vale. Posso até sair, ir para a cidade, resolver coisas do mundo—mas sempre retorno logo—para o colo da Mãe.

”Deus é tão grande e tão bom! Ele nos ensina a olhar com os olhos cheios de amor e a caminhar com sabedoria e dignidade. Mesmo diante das dores, nosso Pai Celestial nos ensina a ter alegria, a saber que nem tudo é escuridão. Quando se crê plenamente na Luz, tudo pode se apagar, mas Ele estará sempre a iluminar o nosso caminho. Siga em frente com determinação e certeza da vitória”.


Quando olho para vocês, a primeira coisa que vejo é o quanto Deus os ama. Imaginem a dimensão desse amor. Ele me envia como uma mensageira diretamente do Céu, para passar-lhes um ensinamento Divino—para conduzi-los e orientá-los como vencer, com dignidade, o pecado, terem sustento na fé e serem superiores às fraquezas do mal. Graças à bondosa Misericórdia de Deus, o mundo se aproxima da paz, do Triunfo do Meu Coração Imaculado de Mãe! 


 

 

 

Carnaval no Céu!

Marilda ajoelhou-se e disse: “A sombra de Nossa Senhora vai ficando mais forte, fortíssima e apareceu”. Todos se alegraram: “Viva Nossa Senhora!”. E, através de Marilda, Maria falou:

 

“Queridos e amados filhos e filhas. A beleza desta manhã não se manifesta apenas através deste lindo dia, mas, principalmente, através dos lindos corações que preenchem esta capela de amor, de alegria, de vida e de paz. Eu poderia dizer que estamos encerrando nosso retiro espiritual. Mas digo outras palavras: estamos apenas começando a saborear nosso retiro—pois  nada termina para aquele que acredita no Espírito Santo. Tudo apenas se transforma. Este retiro se transformará na vida de vocês: em uma vida de ação, de amor, de prática do Evangelho, em vivência da palavra de Deus—em uma vida de mais luta, de mais procura, de mais valorização, de mais arrependimento e, principalmente, de maior sabedoria”.

 

No carnaval de 2009, foram quinze ônibus que desceram a sinuosa estrada até o Vale—mais de mil almas, em busca do maná que só o Céu pode oferecer. Enquanto os confetes e as bebidas do mundo causavam náusea aos foliões nos becos das grandes cidades, neste singelo Vale, almas famintas procuravam por outro tipo de alimento. Enquanto o mundo oferecia o ruído frenético das baterias de Vila Isabel, nesta outra vila, na simplicidade deste vilarejo, Nossa Santa Mãe nos arrebatava com seu Divino Silêncio. Acorda gente! Eu gritei do mais fundo de meu Silêncio. Pode haver algo mais maravilhoso do que o Céu?

 

“O Espírito Santo de Deus que habitou em nossa vida, que habitou em nosso coração, continuará fazendo a obra de Deus em nós. É por isso que o retiro espiritual não terminha aqui. Ele apenas busca dar aos corações dos filhos e filhas que vieram fazê-lo uma maior preparação e renovação das forças necessárias para vencer a grande batalha que hoje se trava no mundo. A batalha de saber perdoar sempre, saber compreender sempre. Aceitar o outro como ele é. Este retiro espiritual nos faz ter uma alma mais mansa, capaz de ser mais compreensiva e, principalmente, capaz de amar. As maravilhas do Céu não passarão—permanecerão em nós. Os dias, sim, passaram, mas a Palavra que caiu em nosso coração deixará uma marca eterna. A cada dia, seja em seu trabalho, em seu momento de oração, em sua casa, em sua ação evangelizadora, essa Palavra brotará novamente em seus ouvidos e em sua boca. Você falará de uma forma tão bonita do amor de Deus que experimentou, do qual se alimentou e que valorizou. São poucos os que valorizam esse amor. A multidão caminha movida apenas pelos pés—poucos são movidos pela fé. O que eu busco como Mãe é ensinar a vocês que todo aquele que vem ao Vale, vem a um lugar privilegiado porque este é um lugar preparado por Deus para todos nós. Para Mim, para ser a Mãe de Piedade, a Rainha do Céu—e para vocês, para serem os filhos que vêm para abrir seus corações, mesmo muitas vezes chegando até aqui pela curiosidade, outros sem saber até para onde iam—porque o plano de Deus é muito perfeito. Talvez se você soubesse para onde estava indo não viria. Certas pessoas chegam até aqui sem saber para onde se dirigiam e, de repente, encontram este lugar que passam a amar e a guardar no coração. Tenho certeza que todos sairão daqui com o compromisso de orar por este Vale, de orar por esta comunidade, de orar pelo Brasil e pelos governantes e de pedir pela paz. Este é um país que merece ser feliz—muito feliz!”.

 

Isso não poderia ter ficado mais claro para mim. Enquanto lá fora os jovens agitavam seus corpos e suas mentes no barulho infernal dos sambódromos deste extenso país, aqui rapazes e moças dobravam seus joelhos e se deixavam embalar pela inebriante Sabedoria do Silêncio. Enquanto uns suavam a pele, se encharcavam de cerveja e se entrelaçavam na frenética busca pelo prazer temporal, outros buscavam um prazer mais duradouro—aquele que só o Céu oferece. Portanto, a batalha se trava entre a terra e o Céu. De um lado, está a terra, puxando para a lama, do outro o Céu, convidando as pessoas para darem vôos mais altos. Na terra, a ressaca—no Céu, a Sublime Sensação da Presença.

 

Será possível descrever essa Sublime Sensação da Presença? Eu me proponho esse desafio. Será possível descrever isso que estou sentindo neste exato momento, nesta quinta feira, um dia após os feriados do carnaval? Talvez fosse melhor começar pelo que não é. Pelo menos no Brasil quase todos já sabemos qual é o gosto deste dia—o dia que sucede as folias de Carnaval. Eu lhe pergunto? Tem alguma coisa a ver com o glamour dos desfiles das escolas de samba ou dos charmosos bailes de carnaval—povoados de sorrisos famosos? Claro que não. Esta quinta, para o mundo é o dia da ressaca. O mal-estar toma conta dos foliões que se arrastam para chegar ao trabalho—antes que a cabeça exploda de dor ou que o coração se desmanche em lágrimas.

 

A Sublime Sensação da Presença é o oposto da ressaca—mas um oposto muito longe mesmo. É tudo de bom. É você estar na terra, saber que existe, mas se sentir já como parte do Céu. Sem nenhuma necessidade de me sentir melhor do que os foliões que pularam para valer, eu lhe garanto que essa Presença compensa o “sacrifício” de fazer um retiro com Deus. Por que posso dizer isso? Por que eu também já me “diverti” muito dentro e fora dos carnavais da vida. Eu também já tive que encarar o trabalho depois dessa “festa”. A sensação é horrível. Criaram até um termo bacana para descrever o que se sente: um gosto de cabo de guarda-chuva na boca. Mas, hoje não. Não estou com gosto de cabo de guarda-chuva na boca, estou com um gostinho legal de quero mais. Desejaria que o êxtase espiritual que senti durante o retiro de Nossa Senhora permanecesse por toda a minha vida. E, acredito que, vai permanecer. Uma das formas de fazê-lo durar para sempre é convidando você—que sambou muito neste Carnaval—que no próximo venha sambar no Vale, isto é, sentir a Sublime Sensação da Presença. Sim, da Presença de Deus em você! Do Amor que Ele, que só Ele e mais ninguém no mundo pode lhe oferecer. Isso, porém, não acontece fácil. É preciso reconhecer que existe uma batalha entre o Céu, querendo trazer você para o Vale, e a terra puxando você para baixo. Enquanto a terra oferece prazeres rápidos e ressaca duradoura, o Céu lhe dá de bandeja uma sabedoria que conduz á plena felicidade.

 

O compromisso de vocês é pedir a Deus pelos seus irmãos, pelos brasileiros que durante este carnaval não tiveram a mesma felicidade de encontrar um lugar de bênçãos para saborear a Palavra de Deus e viver este encanto com o Céu—saber que, realmente, o Céu está presente no meio de nós. Como instrumentos, temos agora, o compromisso de anunciar e proclamar a paz e a justiça”.

 

A felicidade do Céu é tão absorvente que ela deixa em nós o compromisso de compartilhá-la. Não é possível desfrutar de algo tão magnífico sem ficar com vontade de partilhar. Do mesmo modo que fomos levados para o Céu por irmãos bondosos que nos trouxeram para o Vale, queremos também apresentá-lo aos familiares e amigos que ainda se encontram iludidos pelas coisas do mundo. Ao final do retiro, Nossa Senhora sugeriu:

 

“Gostaria de pedir que cada um colocasse em seu coração aquele que você mais ama e que ainda não se converteu a Deus. Talvez você tenha trazido ao coração um filho, ou um pai, uma mãe. Peça a Deus pela conversão deles. Da mesma forma que você ama Jesus e se sente feliz em saborear as coisas do Céu, quer que as pessoas que estão distantes possam encontrar, saborear e amar Jesus. São muitas as maravilhas, não podemos nunca deixar de acreditar que Deus faz maravilhas. Deus é a perfeição. Somos guiados por Ele. Mesmo enfrentando fortes batalhas, sentimos que o amor de Deus está sempre presente em nós. ‘Nada nos faltará’, Jesus garantiu, ‘nada nos faltará’.  Acreditamos fortemente, piamente, verdadeira-mente que nada vai nos faltar. Nada! Porque Deus está no meio de nós”.

 

A palavra “conversão” significa mudar de direção, isto é, em vez de voltar-se para a terra—voltar-se para o Céu. Lá está a nossa essência, a nossa força, a nossa luz, a nossa felicidade: Deus! Portanto, suplicar pela conversão de alguém é desejar que essa pessoa encontre a felicidade. Queremos tanto que nossos amigos e familiares se convertam porque desejamos que parem de sofrer. Será que somos diferentes deles? Sim, somos diferentes. A pessoa que vive a plenitude do Senhor, aquele que ora constantemente, que dá e pede perdão, que ajuda seus irmãos e que recebe diariamente a Eucaristia, tem que ser diferente. Eu não sou mais aquela pessoa preocupada e tensa do passado. Não sou mais aquele homem deslumbrado pelas coisas do mundo. Sinto-me protegido pela oração, pelo silêncio e pela Eucaristia. Não mais me esforço para ganhar mais e mais, para ser mais e mais famoso, mas toda a minha atenção, todas as minhas forças se convergem para a conquista do Reino de Deus. Vivo um paradigma diferente daquele que eu vivia há dois anos atrás, antes de minha conversão e subseqüente vinda para o Vale. Minha vida agora é mais feliz, não porque os desafios tenham desaparecido. Continuam surgindo à medida que vivo, assim como acontece com você. Cada dia é uma nova experiência, uma nova caminhada, uma nova conquista. Só que hoje, com a Infinita Paz de Cristo e o Sublime Amor de Maria inundando meu coração, tenho mais firmeza e mais alegria em tudo que faço. O pôr do sol tem um novo colorido, assim como o alimento, um novo sabor. Da mesma forma que sou diferente daquele homem de dois anos atrás, também, os que não se converteram são diferentes de nós—os convertidos. Não que sejamos melhores. Isso não. Somos a mesma coisa. Mas a qualidade de vida e o sentido de direção e de realização pessoal é infinitamente maior naquele que já se entregou a Deus. A pessoa que respira, que se alimenta, que se movimenta e que descansa, enfim, que faz todas as coisas com, em e para o Pai Celestial consegue fazer da vida uma oração de louvor ao Senhor. Essa pessoa se realiza. Já a que está distante de Deus está triste e distraída. Sofre e se pergunta: “O que é que eu vim fazer neste mundo?”. Por isso, nossa Querida Mãezinha do Céu quer tanto que todos, sem exceção, se convertam.

 

“Possuo filhos e filhas que são verdadeiros soldados de Cristos. A cada ano, aqueles que aqui chegam em romaria, se aproximam mais de Deus. Mesmo enfrentando dificuldades financeiras, muitos decidem vir. Se fossem medir o que possuem em casa talvez não viessem. Se fossem medir sua condição material, talvez não estivessem aqui em peregrinação  Mas, utilizam de seus últimos recursos para estar aqui—fazem um esforço extra. Seguem o conselho de Jesus que diz: ‘não guarde, não meça esforços para chegar até a Minha Mãe, para chegar até o Céu’. Essas pessoas entregam o fruto de seu trabalho para estar aqui, sabendo que Deus providenciará, que Deus multiplicará, que Deus acrescentará em bênçãos e forças muito maiores para o seu dia-a-dia. Veja o tamanho do seu ‘sim’. Para que vocês se tornassem Seus instrumentos, Deus, em sua Infinita Bondade e Sabedoria, usou de outros instrumentos para possibilitar a vinda de vocês. Foram os que tomaram a iniciativa de organizar a vinda de vocês. Não é um trabalho fácil, pois tiveram que correr atrás do povo de Deus. Tiveram que chamar o povo de Deus. Temos, portanto, aqui neste retiro o fruto do trabalho de pessoas evangelizadoras, que dedicaram o tempo delas. Trabalharam durante o dia e cultivaram o chamado de Deus para vocês durante o entardecer, o anoitecer e o amanhecer. Você já orou por eles? Ao ver a dedicação desses líderes de romarias, Eu me lembro dos apóstolos de Jesus. Ele lhes dava as bênçãos e lhes pedia que as distribuíssem para o povo. Os que trazem as romarias distribuem bênçãos, pois chamam as pessoas, e se entregam com coragem, com ânimo e com fé. Todos que até aqui chegaram, tiveram que doar um pouco do fruto de seu trabalho. Você luta, você sua o rosto, você cultiva a terra, a semente cresce, o fruto nasce e o pão chega em sua casa”.

 

Nossa Senhora mede o amadurecimento da pessoa pela sua capacidade de entrega. Ela sabe que, devido à crise financeira, muitos, na realidade, não teriam condições de estar no Vale. Mas fizeram um esforço extra. Confiaram mais—utilizaram de suas últimas economias ou até mesmo, pediram dinheiro emprestado para estar junto Dela. Ela garante que essa fé, essa entrega é uma benção que possibilita a chegada de mais e mais graças do Céu. Resumindo, dar é receber. À medida que a pessoa se dispõe a participar de uma romaria, mesmo fazendo sacrifícios, ela é abundantemente recompensada pelo Céu.

 

 

 

 

 

O compromisso de vocês é pedir a Deus pelos seus irmãos, pelos brasileiros que durante este carnaval não tiveram a mesma felicidade de encontrar um lugar de bênçãos para saborear a Palavra de Deus e viver este encanto do Céu—saber que, realmente, o Céu está presente no meio de nós. Como instrumentos, temos agora o compromisso de anunciar e proclamar a paz e a justiça.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O amor de Deus

 

“Esta é uma noite de alegria e festa porque Deus está entre nós. Estar na presença de Deus é ser feliz. Eu os chamo a essa felicidade. Eu os trago a essa felicidade. Deus está aqui nesta comunidade. O Céu está aqui porque você está aqui. Este é um momento de festa com o Céu—uma festa constituída de oração, de amor, de perdão e de partilha. Somos abençoados mesmo diante do sofrimento presente no mundo. Não perca a fidelidade a Deus. Não deixe que o demônio zombe de você. Não deixe que a dúvida e a tristeza entrem em seu coração. Este é um lugar escolhido por Deus e Deus precisa de você. Ele poderia fazer tudo sozinho, mas precisa de você. Precisa do amor do jovem, da inocência da criança, da experiência de um pai, de uma mãe, da unção do sacerdote, da freira. Enfim, Ele precisa de todos nós—de todos que estão aqui para evangelizar e viver o amor e a fraternidade. Deus quer que você faça parte da obra Dele—porque nesta obra você é o mais importante. Por isso, encharque-se do amor de Deus e sinta o Céu—aquilo que de mais lindo Ele fez. Minha presença aqui é o Céu—a suavidade da libertação, da esperança, da confiança, da misericórdia. A terra tem suas belezas, mas o Céu é a maravilha que Deus fez para aqueles que Ele mais amou: seus filhos e suas filhas. Eu quero que vocês comecem a viver o Céu aqui na terra”.

 

A mensagem de Nossa Senhora no Vale é uma só: Deus nos ama! Ele quer que sejamos felizes. Deseja que comecemos a viver o Céu ainda aqui. Nossa Santa Mãe nos garante que sentir o Céu na terra pode ser uma escolha nossa—a única que faz sentido durante esta breve passagem. Podemos optar por caminhar com alegria ao encontro do Reino Celestial. Isso pode ser feito com a vivência do Evangelho, da Eucaristia e com a nossa entrega pessoal ao Espírito Santo através da oração do rosário, do silêncio e do jejum.

 

Naquela noite adormeci embalado pelas doces palavras de Maria. Minha Mãe havia me convencido do amor do Pai. Depois de ouvi-la estava convicto de que o Céu era o meu destino. Lembrei-me de minha infância quando minha mãe garantia que meu pai me amava. Mas naquela época eu não acreditava que isso fosse verdade, pois ele era severo comigo e raramente me elogiava. Pelo contrário, cobrava resultados na vida e na escola. Enquanto minha mãe era o porto seguro onde me escondia durante as tormentas, ele era o implacável capitão, jamais satisfeito. Quando a professora me dava notas baixas na escola, ele me colocava de castigo em casa. O consolo era sempre minha mãe. Passei a associar mãe a doçura e pai, a castigo. Depois vieram as aulas de religião que só fizeram confirmar essa imagem de um Deus severo. Agora, no Vale, minha Santa Mãe insiste que esse Pai, com “P” maiúsculo não é castigo, mas perdão, misericórdia. Mais, Ela garante que Ele é a própria doçura. Embalado por esses pensamentos de ternura fechei os olhos e adormeci como um bebê. Certamente, do lado de minha cama estava o Anjo de Deus—a me proteger. De manhã, ao abrir a janela que dá para a encosta da montanha e respirar fundo—fiquei inebriado de amor. Aquele momento confirmou tudo o que Maria tinha dito na noite anterior sobre o amor e a doçura do Pai.  

 

Senti que Ele me ama. Senti que Deus me ama muito. Senti que Ele pode me amar mais do que eu mesmo me amo. Senti que Ele me conhece mais do que eu mesmo me conheço, pois Ele era Quem havia preparado o amanhecer—uma sinfonia de sons e cores que embalavam meu coração. Enquanto ainda não havia despontado por detrás da montanha, o sol, mensageiro Divino, refletia seus raios na brancura das nuvens e produzia os mais deliciosos matizes—do vermelho ao amarelo, passando pelo alaranjado—contrastando com o azul do Céu. O verde da mata acariciava meus olhos, enquanto o vigoroso cantar das aves despertava meus ouvidos. Ao longe, o mugir das vacas lembrava o sabor do leite fresco que estava sendo preparado para o meu deleite matutino. Era Ele, sim, era Ele que havia criado tudo aquilo para mim. E, não havia sido só para mim. O Pai Bondoso tinha criado aquele maravilhoso despertar para todos seus filhos e filhas—para todos que quisessem abrir os olhos e enxergá-Lo em tudo de belo que existe. Era com se Ele estivesse dizendo para cada um de nós: “Acorde! Venha viver o sonho de amor, de paz, de alegria, de saúde e de eterna prosperidade que preparei para você!”.

 

Em segredo, perguntei-Lhe se aquela manhã tinha mesmo sido preparada para mim, pois, não me sentia digno de tanto carinho, tanto amor, tanta beleza. Era tudo grande demais.  Então, Ele, o Criador do Universo, o Onipotente, me respondeu com uma brisa suave, mansa e refrescante. Sim, aquele despertar havia sido preparado para mim—criado para os seus filhos e filhas amados. Disse-me que a nossa alegria e a nossa felicidade, eram também suas. Segredou-me também que dependia de nós para concluir a obra que tinha em Mente. Por isso, enviava Nossa Mãe Maria até o Vale.

 

De fato, na capela, ao término da manhã, exatamente ao meio dia, estava Marilda, pronta para encontrar-se com Ela, a Rainha do Céu e da Terra—e transmitir-nos mais uma mensagem do Céu. A expectativa da chegada de Nossa Senhora é sempre algo sobrenatural. O clima é de entusiasmo, alegria e certeza—certeza de que o Céu já está aqui. Esse Céu que acaricia os corações e acalenta as almas.  No banco da frente estava um violeiro cantando louvores ao Senhor. Sua voz era bela, seu entusiasmo, contagiante. Entregue à sua música, ele se motivava pela força dos corações em louvor. Do lado esquerdo estavam as crianças da casa mãe e do direito, outros meninos e meninas, jovens, idosos, homens e mulheres. Não importava o sexo, a cor ou a idade, todos tinham no olhar uma gloriosa expectativa. É impossível não se tocar por essa vibração de louvor. De repente, Marilda ajoelhou-se e disse: “A sombra de Nossa Senhora está ficando forte, mais forte, fortíssima, e apareceu”. Todos bradaram: ”Viva Nossa Senhora!”.

 

Deus ama você! Você é filho, você é filha, Dele! Deus ama você! Deus quer você! Deus busca você! Dê a sua resposta a esse Amor Infinito e prepare sua vida para Ele. O Céu nos faz viver uma vida iluminada, enriquecida, lapidada e santa. Acorde para a luz! Não finja que essa Luz não existe. Quando acordar verá o plano de Deus em sua vida, pois a obra do Pai se realiza em cada um de nós. Por isso, qualquer tempestade familiar pode ser resolvida pela oração. A oração nos faz dignos. A nossa vida é uma providência de Deus e tudo acontece segundo a vontade Dele. Aqueles que tentam se desfazer da presença de Deus sofrem ressentimento, mágoa e, principalmente, dor. É o Deus Vivo que nos ensina a respeitar a família, as crianças, os jovens e a igreja. Ele é o Pai que nos mostra como viver com dignidade e merecimento para obtermos as graças que deseja nos oferecer. Você é o responsável por fazer com que a vontade de Deus se manifeste. Para isso é preciso que cultive a santidade, que admire a santidade. Busque com freqüência a Eucaristia e faça da oração uma prática constante. Tome posse de sua própria grandeza, pois como filho, como filha, de Deus, você é grande e merecedor, merecedora, desse infinito amor. Deus ama você! Somos a imagem e a semelhança de Deus. Por isso, devemos deixar que o amor do Pai nos encharque e devemos ter o firme propósito de nos convertermos e sermos aquilo que Deus quer—e não o que nós mesmos queremos”.

 

Como é a Nossa Senhora que Marilda vê? Muitos se fazem essa pergunta—e a própria Marilda responde: “Minha alma se encanta, com a imensa beleza com que Deus presenteou meus olhos. Ela é pura e humilde, cheia de graça e de amor. Essa doçura de pessoa tem os olhos castanhos claros, pele morena e é alta. Deve ter mais ou menos um metro e setenta de altura. É linda. De uma beleza inexplicável e aparenta ter dezoito anos de idade. Aparece vestida com um manto branco, véu branco e vestido branco. Traz na mão direita um terço que reluz ora em dourado, ora em prateado. Sua beleza é divinal e no momento em que a vejo sinto que estou enxergando um pedaço do Céu. Quando olho para Ela, um oceano de felicidade me invade e me sinto pequenina. Não consigo ver mais nada—e se morresse nesse instante, morreria feliz. Ela aparece descalça com os pezinhos mais lindos do mundo, apoiados sobre uma nuvem de algodão branco, em cima de um globo azul. Sua humildade me encanta. Faz-me sentir vergonha da pequenez de nós, os seres humanos. Sua voz é doce e terna e me inunda de amor, especialmente no momento em que nos chama de filhos e filhas. Sinto, então, que, diante Dela, somos como um bebê no colo da mãe, generosa e amiga. Conviver com Ela desde os 12 anos fez com que a minha vida fosse cercada por uma imensidão de Luz e Amor. Amo Maria com todo o meu coração. Tenho certeza que Sua infinita beleza se deve  ao seu eterno amor por nós, seus filhinhos e filhinhas queridos. Ela diz que, quem ama, é belo”.

 

Comentei com Marilda sobre esse eterno amor do Pai pelos filhos e ela—que  tem desfrutado da intimidade de Maria por mais de 21 anos—mostrou-me algumas de suas anotações:

 

“Certa noite, ouvi Maria dizer o quanto é grande o amor de Deus por nós. Era uma voz doce e suave, que falava com tanto carinho e amor, que chegou até a arder em meu peito. Senti a chama do amor Divino em meu coração. Essa chama de bondade me levou a meditar e a refletir sobre como é esse amor de Deus por nós. A misericórdia Dele é justamente esse amor eterno. A querida Mãezinha também pediu que fôssemos autênticos. Disse que devíamos procurar ouvir o Céu, pois nem sempre o que queremos é o melhor para nós. Por isso, devemos procurar primeiro viver a vontade de Deus, pois só assim seremos santos e felizes”.

 

De fato, pensei, seremos mais felizes se fizermos a vontade do Pai, pois Ele vai sempre saber o que—em longo prazo—é melhor para nós. A questão é saber qual é essa vontade. O que é a vontade de Deus para mim? O que é que Ele quer de mim? Agora sei que Ele me ama, que me ama muito, mas como é que Ele deseja ser amado? Será que Marilda já havia refletido sobre isso?

 

“O que encanta minha alma é sentir o perfume da graça de Deus em minha vida. Busco a dignidade e a Luz para que haja mais respeito e humildade em meu coração. Toda a carência que o ser humano sente hoje se deve ao fato de não nos amarmos, de não nos respeitarmos uns aos outros. A violência que impera no mundo é devida à falta de respeito a Deus. Quando nos amarmos e respeitarmos uns aos outros, sentiremos de forma mais profunda a graça do amor de Deus por nós e estaremos realizando a Sua vontade. Mas, vivemos voltados para as coisas da terra. Para muitos a vida se restringe apenas a este mundo de matéria e pó. Por isso, precisamos orar e pedir para que cada um de nós se torne um instrumento nas mãos de Deus. Um instrumento que semeie amor, esperança e perdão. Os que não conseguem aceitar os mistérios Divinos são como cegos, que não enxergam as belezas da criação e nem cultivam a maior riqueza da alma: a fé!. É preciso termos confiança e voltarmos nosso coração para o amor do Céu—pois, o Céu nos ama muito. Eu sinto que Jesus está comigo. Mesmo tendo pouca dignidade e merecimento, sinto que Ele me escuta e me conduz. Mediante as sábias e prodigiosas palavras de misericórdia e de amor de Jesus, consigo compreender coisas incompreensíveis aos olhos humanos. Tenho perfeita consciência de que Deus é o único dono de tudo—de nossos segundos, minutos, horas, dias, meses e anos. Quanto mais cedo compreendermos isso—e vivermos a vontade do Pai—mais felizes seremos. Com tantas experiências lindas de amor, procuro viver a presença do Espírito Santo em meu coração e consigo, no íntimo de minha alma sentir o privilégio de ser filha de Deus—uma filha que Ele ama e protege”.

 

Marilda nos diz: “Tenho perfeita consciência de que Deus é o único dono de tudo—de nossos segundos, minutos, horas, dias, meses e anos”. Devido a isso, eu pensava que Ele, o Onipotente, o Altíssimo, o Todo Poderoso, o Senhor do Céu e da terra, o Absoluto, enfim, o Tudo em tudo e em todos, não precisasse ser humilde. Mas, não, apesar de ser o Grande, o Único, a Vida, o Rei dos Reis, Ele é humilde. Que contradição—o Maior escolhe se manifestar no menor! Algo incompreensível para a soberba humana. Maria, em uma mensagem transmitida a 11 anos atrás ( 20 de agosto de 1988 ) nos garante que Ele é humilde:

 

“Meus filhos e minhas filhas, temos que abrir os nossos corações para que somente a luz de Deus brilhe. O que é a luz de Deus? É a humildade. É preciso ser humilde, porque Deus é humilde. Ele é o Todo Poderoso, mas, mesmo assim, Ele é humilde. Onde está a brisa mansa, está Deus”.

 

Quando compreendemos isso, entendemos também porque Jesus veio na humildade e na simplicidade e porque Maria Santíssima prima pela simplicidade. Fica mais claro para nós porque as coisas de Deus são simples e a razão de um dos santos mais venerados, São Francisco de Assis, ter escolhido o convívio dos mais pobres dentre os pobres—mesmo tendo nascido em berço de ouro. Entendemos melhor a escolha de Madre Teresa de Calcutá pela entrega aos rejeitados e abandonados da sociedade. Enfim, muitas coisas se esclarecem e chegamos a entender porque a vontade do Pai é que sejamos simples como Ele é simples. Chegamos à compreensão de que aquilo que Ele mais deseja é a humildade que se traduz na entrega ao serviço para que nossos irmãos possam viver mais e melhor e assim, possamos construir um mundo melhor. Enfim, Ele, o Grande, deseja ser amado no menor de nossos irmãos.

 

Marilda confirma que, quanto mais cedo vivermos a vontade do Pai, mais felizes seremos. A vontade do Pai, de acordo com o Evangelho, é a de que nos amemos uns aos outros como Ele mesmo nos ama. A palavra Dele se manifestou na pessoa mansa e humilde de Jesus, que durante três anos de pregação explicou com palavras e ações o que o Pai deseja de nós: que nos amemos uns aos outros. Quando você e eu aprendermos essa lição básica de humildade e de amor, estaremos, então, fazendo a vontade do Céu.  No Vale é o próprio Céu que, em sua infinita generosidade, nos visita. Sim, o Todo Poderoso, apesar de sua glória e poder, devido à sua infinita humildade, faz questão de precisar de nós, seus filhos e filhas queridos. Por isso nos envia a Mãe Santíssima para convidar-nos a participar da construção de seu Reino. Diante de tanta beleza, de tanta simplicidade e bondade e de tanta Luz, eu só poderia, responder com as palavras do salmista (Salmo 103):

 

“Ao Senhor, glória eterna. Alegre-se o Senhor em suas obras! Enquanto viver, cantarei à glória do Senhor. Cantarei salmos ao meu Deus enquanto eu existir. Possam minhas palavras Lhe ser agradáveis! Minha única alegria se encontra no Senhor. Bendize—ó minha alma—ao Senhor! Aleluia”.

 

 

 

 

 

 

 

 

Deus ama você! Você é filho, você é filha, Dele! Deus ama você! Deus quer você! Deus busca você! Dê a sua resposta a esse Amor Infinito e prepare sua vida para Ele. O Céu nos faz viver uma vida iluminada, enriquecida, lapidada e santa. Acorde para a luz!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Misericórdia de Deus

 

Quando estou descendo ao Vale, uma das coisas que me chama a atenção é a imagem de Jesus Misericordioso. O quadro está pendurado na parede de uma casa construída na parte mais alta e pode ser visto de qualquer lugar no vilarejo. Lá está Ele, o Bom Jesus, abençoando a todos. Ao beber água na gruta vejo que ali—ao lado de uma imagem de Nossa Senhora da Rosa Mística—também se encontra Jesus Misericordioso. E, novamente, dentro da capelinha, do lado direito do crucifixo, está Ele caminhando em nossa direção. Isso não é mera coincidência, a devoção à Misericórdia Divina é muito valorizada e—através do terço rezado todos os dias às 15h00—faz parte da rotina do Vale.

 

A devoção foi ensinada por Jesus a Santa Faustina. Ela declarou em seu diário ter sido arrebatada até o trono de Deus: “Oh! Como é grande o Nosso Senhor e Deus, e como é inconcebível a Sua santidade! Nem sequer vou tentar descrever essa grandeza, porque em breve todos O veremos como Ele é. Comecei, então, suplicar pelo mundo. No dia seguinte pela manhã, quando entrei na capela ouvi interiormente estas palavras: ‘Todas as vezes que você entrar aqui, reze esta oração durante nove dias seguidos, por meio das contas do terço. Primeiro recite o Pai Nosso, a Ave Maria e o Credo. Depois, nas contas do Pai Nosso, reze a seguinte oração: Eterno Pai, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade do Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e dos pecados do mundo inteiro. Nas contas da Ave Maria reze assim: Pela Sua dolorosa Paixão. Tende misericórdia de nós e do mundo inteiro! No fim, reze três vezes esta oração: Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal, tende piedade de nós e do mundo inteiro’”.

 

Santa Faustina escreveu que sua missão era a de pedir misericórdia para o mundo. Portanto, uniu-se a Jesus em sacrifício suplicante pela humanidade e disse que Deus nada lhe negaria se rogasse com as palavras ensinadas por Jesus. Em suas palavras: “Meu sacrifício nada é por si só, mas, quando se une ao de Jesus Cristo, torna-se onipotente”.  Mas, para os filhos e filhas que não se arrependem e não pedem perdão pelas suas faltas, existe um lugar—muito real—chamado inferno. Santa Faustina assim o descreve:

 

“Conduzida por um Anjo, fui levada às profundezas do inferno. É um lugar de grande castigo, e como é grande a sua extensão. Vi os seguintes tipos de tormentos: o primeiro é a perda de Deus; o segundo, o continuo remorso de consciência; o terceiro, a consciência de que esse destino já não mudará nunca; o quarto tormento é o fogo, que atravessa a alma, mas não a destrói—é um tormento terrível, é um fogo puramente espiritual, aceso pela ira de Deus; o quinto é a continua escuridão, um horrível cheiro sufocante e, embora haja escuridão, os demônios e as almas condenadas podem se ver uns aos outros e vêem todo o mal dos outros e o seu; o sexto é a continua companhia do demônio; o sétimo tormento é um terrível desespero, ódio a Deus, maldições e blasfêmias. São tormentos que todos os condenados sofrem juntos, mas não é o fim das torturas. Existem também os tormentos dos sentidos. Cada alma é torturada com o que mais pecou, de maneira horrível e indescritível. Existem prisões subterrâneas horrendas, abismos de castigos, onde um tormento se distingue do outro. Eu teria morrido vendo esses horrores, se não me sustentasse a onipotência de Deus. Que o pecador saiba que será atormentado com o sentido com que pecou, por toda a eternidade. Estou escrevendo isso por ordem de Deus, para que nenhuma alma se escuse dizendo que não há inferno, ou que ninguém esteve lá e não sabe como é. Eu, Irmã Faustina, por ordem de Deus, estive nos abismos do inferno para falar às almas e testemunhar que o inferno existe! Embora não possa falar sobre isso agora, tenho ordem de Deus para deixar isso por escrito. Os demônios tinham grande ódio de mim, mas, por ordem de Deus, tinham que me obedecer. O que escrevo dá apenas uma pálida imagem do que vi. Percebi, no entanto, uma coisa: o maior número das almas que lá estão, é justamente daquelas que não acreditavam que o inferno existisse. Quando voltei a mim, não podia refazer-me do terror de ver como as almas sofrem terrivelmente ali e, por isso, rezo com mais fervor ainda pela conversão dos pecadores. Incessantemente peço a misericórdia de Deus para eles. ‘Ó, meu Jesus, prefiro agonizar até o fim do mundo nos maiores suplícios a ter que Vos ofender com o menor pecado que seja’”.

 

Eu não aceitava e, por isso mesmo não entendia, a expressão “ira de Deus” usada na bíblia e também no texto acima. O que me parece é que nós, humanos, devido a limitação de nossas percepções, chegamos até a confundir o mal com o bem, o demônio com Deus. No meu entendimento, de Deus só pode brotar amor e misericórdia, jamais “ira”.  Isso ficou mais claro para mim, depois que escutei as mensagens de Nossa Senhora no Vale e após ter lido o livro de Glória Polo.

 

Em sua obra O livro da vida! Da ilusão à verdade, Polo nos diz: “Sabem quem é o nosso Deus e Pai? É um Deus poderoso, enamorado, que mendiga a cada um de nós a conversão. Mas, quando as coisas iam mal, eu dizia: ‘Deus me castigou, Ele me condenou!’. Mas não! Ele nunca nos condena. Fui eu que, no meu livre arbítrio, escolhi livremente quem seria meu pai e não foi a Deus que escolhi. Escolhi satanás, como meu pai”. Antes de ser atingida por um raio, morrer, e, pela misericórdia Divina, voltar à vida, Glória se orientava pelas coisas do mundo—por isso diz que seu pai era o demônio. Mas, depois do acidente, se converteu e descreve o seu novo Pai: “Deus Pai nos ama a todos e a cada um de nós em particular, não importa se somos bons ou maus. Ele nos ama tanto que até no último momento vem a nós, com imensa ternura e nos abraça com o Seu Amor. Ele quer salvar-nos, mas, se não O aceitarmos, se não Lhe pedirmos perdão e misericórdia—reconhecendo nossas culpas—Ele nos deixa livres para seguir aquilo que escolhermos. Se nossa vida foi uma vida sem Deus, muito provavelmente, nesse momento final não vamos querê-Lo. Ele, então, nos deixa ir. Ele não nos obriga a aceitá-Lo”. Portanto, o inferno não é uma escolha de Deus. É justamente o oposto—uma opção de vida sem Ele. A pessoa que se distância de Deus—aquele que O nega—automaticamente se aproxima do terror descrito por Santa Faustina. Mas, isso pode ser evitado. Basta seguir os doces conselhos de Nossa Mãe do Céu:

 

“Ó! Meus pequeninos! A arma que temos aqui neste mundo, aquela que nos defende da maldade, aquela que nos defende do inimigo, é o terço, é a oração, é a fé, é a confiança, é a entrega nas mãos de Deus. Não existe arma de fogo, não existem flechas, não existe nenhuma outra arma que combata a força do inimigo, somente a oração. A oração combate, de forma eficaz, tudo aquilo que traz sofrimento, guerra, lágrimas e sangue. Se orarmos nada disso vai acontecer, pois, o Senhor irá sempre preferir a mansidão, a grandeza, a paz—deseja que as transformações ocorram de forma suave. Mas o ser humano está sofrendo. Quantas crianças estão hoje passando fome? Quantas crianças não têm onde morar? Quantos meninos e meninas não têm o que comer, enquanto muitos têm em excesso e não compartilham. Na Casa de Deus existe alimento e muitos não procuram. A fome está por toda a parte. Aqueles que não têm a fome do corpo têm a do espírito. Qual é o sofrimento mais triste? Aquele devido à falta de alimento ou o que surge com a falta de Deus? Claro que é a falta de Deus, pois quem não O tem, não tem nada. Não tem alegria, não tem amor, não tem paz. Oh! Meus doces e pequeninos filhos e filhas, vamos nos despertar para as coisas de Deus. Eu desejo ajudá-los. Aqui está Maria, a Imaculada Conceição, a Mãe de Deus, a Mãe da igreja e a Mãe de todos vocês. Eu sou aquela que deseja ajudar a seus filhos e filhas. Aquela que lhes quer ensinar como tomar posse do privilégio de ser filhos e filhas de Deus. A nossa maior alegria é refletir sobre a graça que de termos um Pai tão cheio de bondade, um Pai tão cheio de amor, um Pai que nos ensina tudo: da mansidão à grandeza. Vamos juntos pedir a esse Pai que nos proteja para sempre, que nos ensine a amar e a perdoar. Vamos pedir a Ele que nos mova, que nos abra o coração para a vida, que nos ensine o valor da Eucaristia e que nos desperte o gosto pela oração”.

 

Marilda faz referência à Divina Misericórdia: “Nos momentos difíceis de sua vida, faça uma prece ao Senhor. Recorra ao Jesus Misericordioso—ore e faça a Novena da Misericórdia Divina. Através do terço da Misericórdia você consola a Jesus e contribui para a salvação das almas. Nada no mundo é mais valioso do que a Misericórdia do Pai, que é o Coração de Seu próprio Filho. Eu me encanto ao ouvir Nossa Senhora falar sobre o Seu Filho e a Sua Infinita Misericórdia”.

 

É importante nos determos nesta afirmação: “Nada no mundo é mais valioso do que a Misericórdia do Pai, que é o Coração de Seu próprio Filho”.  Reafirma a benevolência do Filho e seu empenho em salvar a humanidade.  Marilda continua:

 

“Em tudo eu consigo enxergar a infinita Misericórdia de Jesus, especialmente na Hóstia Consagrada. Vejo, com os olhos do meu coração, Jesus Misericordioso a nos conduzir rumo a uma vida renovada e transformada. Mas por que será que as pessoas não correm ao encontro da Misericórdia de Deus? Peço a Deus todos os dias em minhas orações: ‘Senhor, tem misericórdia de nós e do mundo, pois somos um povo santo, que não sabe reconhecer seu próprio valor’. Sei que, em breve, iremos contemplar com alegria e imenso amor, a Misericórdia de Deus se manifestando na terra! Por isso, somos convidados pela nossa Mãezinha do Céu, a orar pedindo a Jesus que nos ensine a cultivar um coração bom e misericordioso, cuja bondade é revestida pela luz do Espírito Santo, nosso Santificador. Peça a Deus que faça de você um filho, uma filha, de Deus consagrado, consagrada, à divulgação da Misericórdia Divina”.

 

A humanidade está prestes a passar por mudanças drásticas e é preciso aproveitar bem o tempo da Misericórdia—que é o tempo atual—antes que a tormenta desabe sobre o mundo. De acordo com Nossa Senhora: “A tribulação será terrível, porque ela atingirá o intimo do coração de vocês! É importante que se preparem logo, porque, o mundo passará por terríveis doenças, inexplicáveis pela ciência humana: depressões, angústias, tristezas—males causados pela falta de fé e de confiança em Deus. O ser humano está se apoiando demais na matéria, mas a matéria não consegue sustentar as pessoas. Uma grande tristeza cairá sobre o mundo! É uma tribulação que vai atingir o intimo da alma. É preciso que se fortaleçam na oração. Poderá acontecer o que ocorreu quando Jesus disse aos apóstolos: ‘Vocês Me negarão’. Essa foi a pior tribulação que eles viveram. Ter negado Jesus gerou neles um sofrimento enorme! Sejam fortes para que o mesmo não aconteça com vocês—para que vocês não neguem a Deus”.

 

“Vocês me negarão”—Jesus disse aos apóstolos e isso foi a pior tormenta na vida daqueles homens. Eram pessoas da convivência íntima com o Deus Encarnado. Se eles não tiveram forças para agüentar as pressões humanas e o traíram, minha pergunta é: “Será que nós, pobres mortais, em pleno século XXI, vamos ter força para não o trair?” De onde vai sair essa força? Só se for de Deus. Assim como Jesus usa de imensa Misericórdia para conosco, devemos também nos dedicar a Ele apaixonadamente. Os desafios descritos nas aparições de Maria em outros lugares confirmam os alertas freqüentes que Ela nos passa no Vale. Em Garabandal, na Espanha, Maria mostrou às videntes o que está se aproximando de nós:

 

“Descerá sobre a humanidade uma grande provação. Nenhum motor ou máquina irá funcionar. Uma terrível onda de calor vai se abater sobre a terra e as pessoas começarão a sentir sede extrema. Buscarão por água desespera-damente, mas, com tanto calor, a água vai se evaporar. Então o desespero tomará conta de quase todos. Tentarão se matar uns aos outros. Mas lhes faltará forças e cairão por terra. Vemos também uma multidão envolta em chamas, correndo e atirando-se ao mar e aos lagos. Mas ao entrar na água, ela parece ferver e, em vez de apagar as chamas, é como se as avivasse mais ainda. Essa é a purificação que libertará a terra da lepra do pecado e do domínio de satanás”. 

 

Mas, assim como adverte, Nossa Querida Mãe—nas mensagens do Vale—também consola: “A humanidade vai sentir de perto a tribulação, o sofrimento, a dificuldade e só a paz de Deus, só a luz de Deus, só o amor de Deus poderá nos ajudar! Procurem se fortalecer com a Eucaristia, com o perdão e com o amor. O que é o amor? É respeito, é doação, é entrega, é confiança. É ter a consciência de que só se é amado quando se ama. Sem amor nada se pode, nada se constrói. Para se ter amor, é preciso deixar Jesus agir em seu coração. É necessário ser autêntico nessa entrega a Jesus para suportar e superar os sofrimentos. Assuma sua cruz com amor. Peça a Deus um coração santo, um coração iluminado, uma família santa, pois, do contrário seu sofrimento se multiplicará a cada instante. Jesus afirmou que quando o fim dos tempos chegasse a humanidade colheria aquilo que tivesse plantado. O que leva a uma colheita de sofrimentos é o egoísmo—o oposto do amor—pois o egoísmo é o que mata o coração. Jesus sofre ao ver o orgulho tomar conta da humanidade. Em vez de dobrarem os joelhos para orar, as pessoas se dobram à sedução do pecado e se iludem pelas misérias que o mundo oferece. Devido a esse comportamento, a humanidade não pode esperar a mansidão, mas, sim, deve se preparar para a tempestade que está chegando. Enquanto o meu Imaculado Coração não triunfar, não haverá mansidão sobre a terra. A dor aumentará e o sofrimento será grande. Será de tal magnitude que vocês não poderão nem mesmo imaginá-lo—de fato, não suportariam nem pensar no que está por vir. Mesmo assim, peço que não tenham medo. Aqui no Vale, vocês já estão a caminho do Triunfo do meu Imaculado Coração. Uma nova terra está por vir, na qual muitas e muitas almas poderão retornar ao Pai. A preocupação atual do Céu é com as inúmeras almas que estão se perdendo. Por isso, peço que  se dediquem á Santíssima Trindade para obterem a paz. Deus é Pai, Deus é Filho e Deus é o Divino Espírito Santo!”.

 

Os alertas são inúmeros e em várias partes do mundo. A colheita não será das melhores, pelo contrário, as perspectivas são péssimas. Como imaginar um mundo sem máquinas? Como imaginar a terra sem água? Mas é isso que vai suceder. Mesmo assim, Nossa Senhora nos oferece consolo: “O Céu me envia de corpo e alma para estar no meio de vocês. Isso lhes garante inúmeras bênçãos, porque Deus não nos abandona, queridos filhos e filhas! O amor de Deus vai estar muito presente na vida de vocês. Eu só peço que orem. Gostaria que vocês orassem! Orassem muito e sempre! Além disso, desejo que pratiquem a caridade. A caridade levará vocês à humildade que, por sua vez, os conduzirá ao Céu. Sejam humildes. Sejam simples. Somente com humildade e simplicidade conseguirão passar pelas terríveis tribulações que estão por vir. Sejam corajosos e prudentes. Confiem mais em Deus e acreditem no poder de Deus! Amanheçam o dia pedindo a paz e anoiteçam agradecendo pela paz. Perseverem na fé. Sejam dedicados e responsáveis. O servo de Deus fiel pode vencer tudo, até mesmo as tempestades que estão por vir. Logo o Céu fará a grande justiça sobre todos os cantos da terra e neste momento eu me ausentarei, não da presença no meio de vocês mas, como mensageira da Palavra do Senhor. Portanto, peço-lhes que dêem mais valor ao tempo que lhes resta. Ele pode ser de muita importância para vocês daqui para frente”.

 

Eu me pergunto: “Será que resta tempo para distrações ou diversões?” Pelo anunciado por Nossa Senhora, a resposta óbvia é um “não” inequívoco. Não nos resta mais tempo. Toda a nossa energia, todo o nosso coração, toda a nossa alma, toda a nossa mente e todas as nossas forças devem estar a serviço da nossa salvação e da salvação da humanidade.

 

“Deus lhe dará força para que você seja um grande operário na messe Dele. Fortalecerá a todos que atuam em grupos de oração, em comunidades, em trabalhos com excluídos, como crianças de rua, jovens ligados às drogas—abandonados pelas próprias famílias—e idosos. Acorde para a santidade que Deus lhe deu e passe a valorizá-la mais. Peço que tenham coragem, meus filhos e filhas. Eu ainda estarei com vocês como mensageira da palavra de Deus, mas lembre-se que já chega ao fim a minha missão aqui na terra. Não se desesperem, lembrem-se de que, mesmo vivendo tempos difíceis e enfrentando enormes dificuldades, não estão sós, o Céu está com vocês. Quando a tribulação vier, orem. Quando a dor vier, orem. Quando o sofrimento vier, orem. Nas tormentas corram ao encontro de Deus. Ele espera por vocês. Jesus será o seu conforto, o seu sustento, a sua Providência. Confiem em Deus e saibam que estou sempre com vocês! O triunfo da paz está perto, não se deixem entristecer e deprimir pelas dificuldades que os olhos verão. A humanidade vai sofrer uma onda de tribulações, mas, com certeza, vocês vão suportar e vão vencer. Força, meus filhos e filhas!”

 

 

 

 

 

Oh! Meus doces e pequeninos filhos e filhas, vamos nos despertar para as coisas de Deus. Eu desejo ajudá-los. Aqui está Maria, a Imaculada Conceição, a Mãe de Deus, a Mãe da igreja e a Mãe de todos vocês. Eu sou aquela que deseja ajudar a seus filhos e filhas. Aquela que lhes quer ensinar como tomar posse do privilégio de ser filhos e filhas de Deus. A nossa maior alegria é refletir sobre a graça de termos um Pai tão cheio de bondade, um Pai tão cheio de amor, um Pai que nos ensina tudo: da mansidão à grandeza.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parte II

 

 

 

Como nos preparar para

o fim dos tempos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O amor de Deus no Vale

 

Marilda garante: “A base de nosso existir é o amor de nosso Pai. O amor de Deus se materializa em cada um de seus filhos e filhas. Aprendi durante 21 anos de vida em plena graça de Deus, com minha mãe Maria Santíssima que, sim, temos razão para sermos felizes. A razão de nossa felicidade é que Deus nos ama. Ele nos ama e foi por isso que Ele nos criou. A cada dia que passa, eu me sinto mais e mais feliz, pois o amor desse Nosso Pai está presente em minha vida e é, justamente, esse amor que me faz caminhar cada vez mais decidida em direção a essa plenitude de Luz, que é o próprio Deus. Também sei que nada, nada, neste mundo pode ser realizado sem o amor de Deus”.


A afirmação de Marilda é confirmada por Nossa Senhora: “Deus é Pai e aqui no Vale se sente a Sua proteção. Deus faz a vontade Dele em sua vida, desde que você se entregue. Para cada um, Deus reservou a Sua vontade. Para servi-lo é preciso ser um instrumento. Seja um apóstolo e leve o Evangelho às pessoas sedentas da Palavra. Que a sua alegria seja a de levar Deus às pessoas. O missionário, a missionária, que é você, não consegue viver sem o amor do Pai. O mundo precisa de que cada um doe seu coração para evangelizar. A obra de Deus em nós é maravilhosa. Deus irá usar você para evangelizar, pois temos que conquistar para Jesus o que é de Jesus”.

 

Temos que “conquistar para Jesus o que é de Jesus”. Cada pessoa é importante para Deus. Cada um deve dar o máximo de si para colaborar com o plano do Pai. Isso é necessário para se ter uma morte tranqüila, pois aqueles que se distanciam do Céu, enquanto estão na terra, poderão se arrepender amargamente, segundo as próprias palavras de Maria:

 

“Se não viverem bem esta passagem, se não se entregarem a Jesus, sofrerão uma purificação dolorosa. Portanto, o momento da santificação é agora. Aqui na terra se sofre infinitas vezes menos do que quando a pessoa morre e não está preparada para a Eternidade. Se a alma não fizer bem esta passagem, a purificação do outro lado é muito dolorosa, no purgatório. No caso de total negação de Deus—ignorando a santidade—a alma pode cair na escuridão dos abismos do inferno. Se esta caminhada não fosse tão séria, Eu não estaria aqui hoje. Eu venho de corpo e alma trazer o Céu para vocês. A caminhada é séria e grandiosa, portanto renove a sua fidelidade ao Evangelho, a Jesus e ao batismo. Diga com freqüência: ‘Eu sou batizado’. O mundo viverá sofrimento horríveis—tudo causado pelas próprias mãos humanas. Existem pessoas que matam o brilho da vida, se entregando aos vícios, aos prazeres carnais, aos pecados. Há pessoas que vivem a passagem e não se preparam para entrar na Glória. Por que Deus fez de você um pai? Uma mãe? Você não nasceu por nascer. Você está aqui pela graça de Deus. É possível viver a alegria. É possível viver uma vida feliz, isenta do pecado. É importante preservar a inocência e a pureza das crianças. Mas o mundo está pervertendo até as suas próprias crianças—enfim, está se destruindo. Se o ser humano não se cuidar, o fim dos tempos, que está próximo, será também o fim da humanidade. É preciso se despertar para a oração. Vale a pena acreditar em minhas palavras, dobrar os joelhos e saborear os prodígios do Céu”.

 

A passagem por esta vida não é brincadeira. Temos um propósito. Maria deixa claro que podemos optar por viver o Céu na terra ou deixar tudo para depois—quando será tarde demais. Deixar que as coisas se resolvam no Além é a pior opção. Os sofrimentos serão multiplicados milhares de vezes, pois teremos plena consciência do que, realmente, é o Céu, e estaremos distantes Dele. Esse sofrimento, segundo a Nossa Bondosa Mãe, será terrível. Para evitar isso, podemos aceitar o amor que o Pai nos oferece e responder-lhe fazendo a Sua vontade, e não a nossa. 

 

Como dizer “Pai, seja feita a Sua vontade e não a minha!”? Jesus foi o exemplo máximo de entrega. Mas esse exemplo é heróico. Como exigir de nós esse tipo de entrega? Como abrir mão das “facilidades” mundanas para acolher as renúncias que o Céu exige? Para termos Jesus como modelo de vida, é preciso experimentar uma mudança de percepção. É necessário enfatizar a natureza fugaz da vida do mundo. É importante, ainda na terra, sentir gosto pelas coisas do Céu. É preciso ter consciência de que uma vida pautada pelos valores Divinos é infinitamente mais satisfatória, mais eficaz, mais nobre, mais feliz, do que aquela mostrada nos comerciais de televisão. O que o mundo nos oferece como agradável, gostoso, útil e confortável, pode, mais adiante, ser a nossa maior desgraça. Coma tudo que os comerciais oferecem e verifique onde você vai parar. Lógico, no hospital. As comidas processadas podem de imediato trazer prazer, mas, consumidas com freqüência, são um convite a doenças e sofrimentos. Isso já foi comprovado por pesquisas médicas. Além disso, para satisfazer aos desejos insaciáveis do corpo, uma pequena parcela da população vem, sistematicamente, destruindo os recursos naturais do planeta. Esse comportamento irracional será causa de dor, não só para os que estão desfrutando dos prazeres imediatos do conforto, mas para todos, até mesmo para os que—como nós do Vale—optamos por uma vida sóbria, de oração e de partilha.

 

O deleite mundano não é compartilhado, mas o sofrimento que ele está causando, sim. A abundância e a riqueza, assim como o consumismo exagerado não chegam a todos, mas as catástrofes naturais e os temporais, sim.   Atingem aos ricos e aos pobres, aos bons e aos maus. Isso é o cúmulo da injustiça—que mais cedo ou mais tarde será eliminada da face da terra. Por isso, Maria insiste que devemos optar por um estilo de vida mais simples, mais humilde. Enfim, precisamos saber que de nada vale ter quatro carros na garagem, se a grande maioria de nossos irmãos precisa pegar duas, três e até quatro lotações para chegar ao trabalho. Essa desigualdade está custando caro para a humanidade. Mas, o Pai, que tudo vê e tudo sabe, manifestou no Vale o seu projeto de salvação.

Nas palavras de Nossa Querida Mãe do Céu: “Qual é o ser humano que conseguiria fazer uma comunidade fraterna, como a que Deus projetou no Vale—na qual as pessoas dão, através da partilha, o seu ‘sim’ a Deus? É um dom ser de Deus. Não brinque com o que é sagrado: a sua pureza. A pessoa que quer, tem força para vencer o pecado. É possível abandonar o mundo dos prazeres, das bebidas e dos vícios, para vivenciar o Céu. Se vivenciarmos a grandeza do Céu, vamos optar por fazer mais sacrifícios. Eu tive a alegria de viver uma caminhada maravilhosa com Jesus. Você pode fazer o mesmo de sua vida, principalmente, durante este ano dedicado ao perdão ( 2009 ). Tudo se faz pelo perdão. O perdão é Jesus, que carregou a cruz para libertar a todos. O ser humano estava preso pelas fantasias do demônio e foi libertado por Jesus. Ser livre é maravilhoso, mas o demônio quer nos fazer prisioneiros. Aqueles que se deixam seduzir pelas ciladas do demônio se tornam prisioneiros das drogas, das tentações da carne e dos vícios. Mas Deus quer você livre e feliz, por isso Me envia para catequizar vocês. Estou aqui e vejo vocês unidos. Sinto o carinho que têm por Deus. Vivenciamos aqui o Céu, que tem o poder de exorcizar e fazer de cada um de vocês, uma pessoa livre. Assim como Jesus disse, ‘Eu sou a brisa mansa’, o perdão, também traz a suavidade do vento. Abra a  porta de seu coração com suavidade para que Jesus entre”.

 

De fato, a suavidade do Céu pode ser vivenciada aqui no Vale, que só se explica pelo amor de Deus. Antônio Santana, pai de Marilda, doou parte de sua fazenda para que a obra se realizasse. Nesse pedaço de terra, algumas pessoas construíram suas casas, que, em sua maioria, ficam também abertas para os romeiros. Há uma cozinha comunitária, que, pela Providência Divina, sempre tem mantimentos e, além disso, conta também com almas bondosas que se revezam no preparo do alimento—que é repartido gratuitamente. Nas datas especiais, como no carnaval e na semana santa o Vale recebe uma média de 15 ônibus. Em 2008, no aniversário da comunidade, chegou a receber, acomodar e alimentar 55 ônibus lotados de romeiros. Assim como o alimento do Céu aqui é abundante, também o do corpo, jamais acaba. Só isso já seria uma prova do amor do Pai. Além disso, são inúmeros os casos de cura de doenças tanto da carne como da mente. Marilda explica:

 

“Esta obra foi realizada por homens e mulheres simples que um dia disseram um ‘sim’ de amor a Deus e através de um designio Divino foi criada esta linda obra onde Maria, Mãe de Jesus e nossa, se manifesta. Aqui Ela olhou para um Vale de paz e, pela bondade do Senhor, concretizou uma obra desconhecida por grande parte da humanidade, mas conhecida e protegida pelo Autor da vida. Nossa vida é servir a Deus e ser fiel a esse Pai Benevolente. Aqui aprendemos no dia-a-dia que a mão que dá é a mesma que recebe. Deus é grande e imenso o Seu amor por nós. Esta comunidade é a minha família e aqui aprendi que, para sermos dignos do Céu, é preciso, em primeiro lugar, que estejamos dispostos a ajudar nossos irmãos e irmãs, principalmente, os mais necessitados. Quem são eles? As crianças, incluindo as especiais, os jovens, os idosos e todos aqueles que foram excluídos da sociedade”.

 

Meu filho especial está incluído ai. No mundo ele era um peso para mim. No Vale aprendi que ele é a minha salvação—uma benção de Deus. Na sua inocência, essa criança de 10 anos, tem contribuído mais para meu crescimento do que meus títulos acadêmicos, mais do que todos os livros que li e mais do que todas as aulas e palestras que ministrei. Ele me ensinou a humildade, a coisa mais importante para que eu me aproximasse do Céu. Nossa Senhora diz: “Às vezes a pessoa quer ver o extraordinário—mas o extraordinário já existe em seu próprio coração, pois é lá que poderá encontrar Deus!”.  E Marilda completa: “Nossa Mãe do Céu nos pede para não medirmos o nosso amor, mas que sejamos capazes de amar sem medidas. A lapidação de nossa alma é feita através do amor, que é o primeiro mandamento, aquele que nos leva a cumprir todos os demais”.

 

“Se Deus nos ama mesmo, por que existe tanta dor no mundo?”—essa é uma pergunta que as pessoas fazem com freqüência. A dor não é fruto da vontade de Deus. Ele não deseja que seus filhos e filhas sofram. Pelo contrário, Ele deseja a nossa felicidade. O que nos causa a dor não é Deus, mas a distância que colocamos entre nós e o Seu amor. Acho que, teoricamente, sabemos que Ele nos ama, mas na prática não vivemos esse amor. Não temos a fé que Ele deseja que tenhamos. Sem essa fé inabalável no amor de Deus, aparecem os incômodos, as dúvidas, as tristezas, os medos, enfim, o sofrimento.

 

De acordo com Marilda: “Se há dor em seu coração é porque você ainda não sabe viver conforme o amor de Deus. Tome como exemplo Maria. Ela amou e continua amando tanto, que é difícil explicar a dimensão de sua beleza, pois excede a tudo que existe na terra. Nem a mais bela criatura daqui chega perto da candura de Maria. A Sua beleza é reflexo de Seu amor. Ela é exemplo para todo aquele que quer aprender a amar. Nosso ideal de vida deve ser o amor. Esse ideal se manifesta em Maria, que possui a mais sublime e plena beleza espiritual. Mas a humanidade perdeu o brilho de seu existir. As pessoas super valorizam as coisas materiais—aquilo que vai virar pó—em detrimento dos valores espirituais—que permanecem para sempre. Dói-me ver Nossa Senhora chorar pela humanidade. Gostaria de vê-la sempre sorrindo, mas compreendo que chora porque nos ama. Se entristece por ver um mundo onde as famílias, os jovens e as crianças trocam a felicidade eterna pelos fugazes prazeres mundanos. Devemos pedir a Deus que nos ajude a vivenciar a força do amor que Jesus tem por nós. Só assim chegaremos a desfrutar da plenitude da felicidade que é vivermos no coração do Pai. Se hoje você sofre por falta de paz é porque ainda não deu o seu ‘sim’ a Deus. Jamais poderemos querer a paz, se não amarmos. É importante deixar que o amor de Deus flua em nós, pois só assim poderemos edificar nossa alma. Foi por um amor infinito que Jesus—Deus feito homem—morreu na cruz para nos salvar”.

 

Marilda colocou bem a questão da dor. Se existe sofrimento é porque ainda não sabemos viver de acordo com a vontade do Pai. Quer isso dizer, então, que Maria não sofreu? Como a própria Marilda afirma, Maria sofreu e continua sofrendo pelos seus filhos e filhas. Esse tipo de dor, sentido por Maria, é diferente da dor sentida por aqueles que estão longe de Deus—da dor sentida por aqueles que estão atolados na imundície do mundo. Sim, Maria sofre, mas tem tanta sustentação espiritual, que a sua tristeza não pode lhe roubar a alma. Pelo contrário, seu sofrimento vem da compaixão e não do pecado. As feridas que corroem o coração daqueles que não se entregam ao amor do Pai levam à tristeza e à depressão. Mas quando o santo sofre, seu sofrimento o eleva até ao Céu.

 

Quanto ao sofrimento de Jesus para nos salvar, esse é o mais sublime, pois, por sua própria vontade, Ele escolheu o martírio. Entregou-se aos seus algozes por vontade própria e por amor. Sua motivação foi o amor. Algo absolutamente inexplicável para a razão humana—perfeitamente realizável para o amor Divino. O Ser Divino se entrega ao martírio, para salvar a humanidade do domínio de satanás. E o que é essa salvação? É o livramento do ódio, da ira, da inveja, do ciúme, da cobiça, da inveja, da ambição desmedida. É a libertação da violência. Com esse sacrifício do Santo, abre-se para o ser humano a possibilidade da infinita paz.

 

Marilda chama a atenção para a transcendência da Divina Presença nos sacrários e para a fundamental importância do amor: “As pessoas se esqueceram de amar a Jesus que está presente em todos os Sacrários da terra.Também nos esquecemos de amar ao nosso próximo, como nos pediu Jesus. O mundo se esqueceu de amar, por isso, Nossa Senhora está vindo até nós. Muitos ainda perguntam por quê. Maria está vindo ao mundo para nos ensinar a amar, a orar e, sobre tudo, a nos respeitarmos. A humanidade esqueceu que é filha de Deus. Dentro de nossas próprias casas podemos observar a falta de amor a Deus—o que gera infelicidade. As famílias estão se destruindo porque não se alicerçam em Cristo. Deixaram se levar pelas fraquezas e tentações do demônio. Até as crianças já não vivem mais uma infância digna de pureza e alegria. O mandamento de Jesus foi tão claro: ‘Amem-se uns aos outros, como Eu amo a todos vocês’. Se nos deixarmos inundar pelo amor de Deus a nossa vida se transforma e só assim poderemos construir um mundo melhor, onde os nossos corações sejam guiados por Jesus. Podemos construir com amor e sabedoria um mundo irmão e fraterno. Somente o amor pode vencer o orgulho que gera o individualismo, a falta de caridade e a ganância descomedida—origem de todos os males que assolam a terra”.

 

A presença de Jesus nos sacrários é algo sobrenatural. No mundo das coisas é impossível explicar a Presença do Divino em uma simples hóstia. Mas para Deus tudo—absolutamente tudo—é possível! Por tanto, se foi essa a escolha do Pai, que o Filho permanecesse entre nós, mesmo depois de sua gloriosa subida ao Céu—assim é. A Presença Viva de Jesus na Eucaristia é algo  inconcebível para a mente humana, mas isso não quer dizer que seja irreal. A nossa racionalidade se cala diante da Majestade Divina. A nossa pobre razão derrete diante das coisas de Deus. Somente com o coração podemos nos aproximar do Divino, jamais com a razão. A dimensão do Infinito é incompreensível para o limitado cérebro humano, mas perfeitamente aceitável para o coração, para a alma, para o amor. Sim, o amor não tem fronteiras.

 

O amor do Pai, segundo Marilda, “nos guia e, sem Ele, não haveria vida. Maria, nossa querida Mãe, nos lembra a cada mensagem que o amor a Deus deve vir sempre em primeiro lugar. Só assim conseguiremos, de mãos dadas, construir um mundo melhor. A presença de Nossa Senhora aqui no Vale é um claro exemplo do amor do Pai por nós. Desde 1987 quando Ela me apareceu pela primeira vez, disse que Deus tinha um lindo projeto de amor fraterno em nossas vidas. Agora, depois de 21 anos de aparições e de vivência fraterna nesta comunidade, podemos constatar que, realmente, quando Nossa Senhora fala, Ela cumpre. Este Vale, esta comunidade, é uma prova real da fidelidade do amor de Deus. Aqui sabemos que Ele nos ama, que nos ama muito e que cumpre suas promessas. Nosso objetivo é amar e respeitar a Criatura mais doce e mais linda que existe: Maria, Nossa Mãe. Aqui abraçamos e vivemos a mensagem que Ela nos traz do Céu. Sua doce Voz nos oferece precioso ensinamento, que nos permite aumentar nossa fé. Essa confiança em Deus nos leva a viver o amor fraterno, isto é, o mandamento de Jesus: ‘Amem-se uns aos outros’”.

 

Em uma de suas aparições a Vassula Ryden—uma mulher grega que, assim como Marilda, foi privilegiada com a visão do Céu—Jesus lhe revelou: “O meu amor por você é eterno. A minha fidelidade é eterna. Abandone-se diariamente em Mim, e deixe que Eu faça o resto. Ore sem cessar. Estou sempre desejoso de ouvir suas súplicas. Jamais se esqueça de Mim e Eu me lembrarei sempre de você. Pense constantemente em Mim. Se apenas você soubesse o quanto estou perto de você. Eu vou lhe recordar sempre de Minha Presença para que você vença o mal. Atue sempre guiada pelo Amor. Seja uma Comigo. Meu Amor por você ultrapassa toda a compreensão. Eu pedi a cada pessoa que Me amasse, de todo coração, com toda a alma, com todo o entendimento e com todas as  forças—pois essa é a Minha Lei”.

 

Assim como o amanhecer, também o entardecer no Vale é um show de luzes e cores. Aqui eu me sinto mais perto do Céu. Cores diversas são criadas pelo sol que se despede do dia e beija as nuvens. Deus, o Onipotente, o Todo Poderoso se deleita em presentear suas criaturas, seus filhos e filhas muito amados com tudo o que de melhor existe nesta e na outra vida. Antes de conciliar o sono, faço minha prece de agradecimento aos Céus pelo presente de beleza infinita que o Pai me oferece dia após dia—neste Vale de Luz!

 

 

 

 

 

Se esta caminhada não fosse tão séria, Eu não estaria aqui hoje. Eu venho de corpo e alma trazer o Céu para vocês. A caminhada

é séria e grandiosa, portanto renove a sua fidelidade ao

Evangelho, a Jesus e ao batismo.

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Marilda e o Vale

 

Marilda está para o Vale como a abelha rainha para a colméia. Embora tenhamos acesso a ela, não é possível falar por muito tempo, pois é solicitada por muitos de uma só vez. Alguns trazem pedidos para Maria, outros desejam sugestões para rotinas administrativas e outros, ainda, querem apenas desabafar ou reclamar disto e daquilo, deste e daquele. Mesmo assim conseguimos escrever em conjunto, pois ela passou para mim suas anotações pessoais e eu—com a ajuda do Espírito Santo—organizei. Eu me imaginei fazendo perguntas a ela—àquela que foi a escolhida para escutar o doce falar de Maria. As respostas foram tiradas diretamente das reflexões que Marilda passou para mim.

 

-- Marilda, o que o Vale representa para você?

 

-- O Vale é um lugar, como Deus quer que o mundo inteiro venha a ser, isto é, um lugar de vida em plena comunhão fraterna e dedicação única a servir e viver a vontade de Deus.

 

-- Qual é o objetivo principal do Vale?

 

-- Realmente, este é um lugar que intriga as pessoas.  A maioria se pergunta de quem é esta obra. Mas somente aqueles de coração simples e humilde conseguem uma resposta, pois o Vale é um mistério divino. É uma obra construída unicamente pela vontade de Deus, que têm por condutora Maria Santíssima e por caminhantes homens, mulheres, jovens e crianças, pecadores, mas que têm como objetivo levar uma vida de oração, crescimento espiritual e vivência do Evangelho. Não vivemos aqui diante de novos ensinamentos, vivemos aqui o único ensinamento verdadeiro que é o amor de Jesus e Sua Divina Presença em cada um de nós.

 

-- Quantas pessoas vivem na comunidade?

 

-- Nossa comunidade é constituída por cerca de cento e oitenta pessoas, incluindo adultos, jovens e crianças. Foram construídas oitenta residências e duas capelas, uma dedicada a Sagrada Família e uma pequena em honra a  São Francisco e Santa Terezinha.

 

-- Qual é a principal atividade dessas pessoas?

 

-- Vivemos partilhando tudo o que temos uns com os outros. Incluindo os momentos de oração e de trabalho. Vivemos da Providência Divina. Os alimentos são doados pelos romeiros que durante os feriados convivem conosco. Mas aqui não se pede nada, unicamente oração, as doações são trazidas de livre e espontânea vontade. Não nos preocupamos em pedir, pois Deus nunca deixou que faltasse nada.

 

-- Acho tão bonito essa abertura para os romeiros. Todos se alimentam de graça e já observei que o alimento nunca acaba.

-- De fato, mesmo os que nada trazem podem se alimentar da mesma forma. Nossa Senhora nos ensinou que nunca devemos nos deixar levar pelas coisas deste mundo, mas viver a partilha do presente sem preocupação com o futuro.

-- Marilda, isso, no mundo, seria chamado de irresponsabilidade, não é mesmo?

 

-- Aqui, porém, sabemos—diante de tudo o que Nossa Senhora nos ensinou—que estamos em um lugar abençoado e que cada um daqueles que aqui vivem deve se dedicar intensamente à oração. Eu sei que algumas pessoas nos julgam pela aparência, mas esquecem que nos preocupamos em ajudar jovens e, de uma forma muito especial às crianças, que em sua maior parte são carentes e abandonadas. Temos também duas casas onde são acolhidos atualmente oito idosos que precisam de atenção 24 horas por dia.

 

-- Para mim, as crianças do Vale têm um brilho especial, tanto que trouxe dois de meus cinco filhos para morarem aqui, comigo—repliquei.

 

-- Mais do que pão e carinho, as crianças daqui recebem as graças de Deus e se tornam dóceis e meigas devido á uma sólida formação religiosa. A maioria é composta de meninos que vivem na casa mãe, que era, antigamente a casa de papai e, depois, se transformou na primeira casa da comunidade

 

-- Tenho enorme admiração pelas pessoas que cuidam das crianças. Para mim, ficou claro que estão respondendo a um chamado Divino—de outra forma não conseguiriam desempenhar suas funções com tanta leveza e dignidade, não é?

 

-- Os que cuidam das crianças são pessoas de grande espiritualidade e o fazem com verdadeiro amor. É um lindo trabalho que só por Deus são capazes de realizar.

 

-- Marilda, você gostaria de mencionar algumas atividades dos moradores?

 

-- Na nossa comunidade o trabalho é participativo e os momentos de oração são vividos pela comunidade com amor, pois eles sustentam nossa missão como irmãos. Nossas atividades foram orientadas diretamente pela Nossa Mãe do Céu. Nas sextas-feiras fazemos o jejum, das oito da manhã às oito da noite, a pão e água, mas Nossa Senhora não exige que seja feito durante o dia inteiro. As noites de sábado são dedicadas a vigília, das seis da tarde as seis da manhã. Essa vigília é divida em três turnos: crianças, jovens e adultos. Em geral, isso é feito junto aos romeiros que chegam para o fim de semana.


-- Desde que cheguei aqui, me encantei tanto com o Vale, quanto com Piedade dos Gerais. Qual é a percepção que os moradores da cidade têm do Vale?

 

-- Piedade dos Gerais foi uma cidade escolhida por Deus. Parece incrível, mas os mistérios de Deus são grandiosos e também simples. Numa cidade pequenina e humilde, que hoje conta com aproximadamente cinco mil habitantes, Deus escolheu derramar bênçãos enormes de amor e conduziu a sua misericórdia, através de Maria Santíssima, que tem grande carinho por cada um de nós.

 

-- Embora, o Vale seja importante para a cidade, notei que vários moradores ainda não se despertaram para a dimensão do que está ocorrendo aqui, bem perto deles.

 

-- De fato, nem todos conseguem compreender o grande presente que Deus enviou para esta cidade, justamente por ser um Mistério Divino. Mas, tenho certeza, que chegará o tempo em que todos irão sentir e valorizar este pedacinho de chão brasileiro escolhido pelo Céu como algo muito, muito especial.  Amo minha cidade e este povo que considero como minha família. Jamais me esqueço de dizer, por onde vou, que sou filha daqui. Esta é uma cidade agraciada pelos Céus para a qual peço cada vez mais luz e paz. Suplico a Deus que toque os corações de todas as pessoas que moram em Piedade para que se deixem inundar pelas bênçãos e graças que Maria Santíssima tem derramado no Vale.

 

-- Marilda, você tem uma família muito linda. Você gostaria de falar um pouco dela?


-- Sinto-me feliz com a entrega dos meus pais, especialmente quando Nossa Senhora pediu que eles entregassem suas filhas a serviço de Deus. Agradeço a Deus pelo meu pai e pela minha mãe. Sei que Deus tem um grande amor por eles, pois a missão deles é maravilhosa. Mesmo assim, não deixa de ser cercada de espinhos, que eles aceitam como parte dessa entrega irrestrita que fizeram ao Pai Onipotente.

 

-- Admiro, em especial, a espiritualidade do Senhor Antônio, seu pai—e também pai da comunidade, não é?

 

-- Meu pai é um homem simples, mas honesto, trabalhador e dedicado à família. Sempre teve um zelo especial pelas coisas de Deus. Desde pequena me recordo de ver meu pai trabalhando na igreja com fé e dedicação às comunidades de base. Deus sempre o abençoou e com certeza irá continuar a abençoá-lo.

 

-- Foi o “sim” do Senhor Antônio a Deus que possibilitou a realização desta obra de amor—completei.

 

-- Na verdade eu lhe sou eternamente grata por ele ter entregado este pedaço de chão ao Pai do Céu. Sem o seu desapego, não haveria Vale. Oro sempre para que ele continue sendo esse filho de Deus, cheio de vontade e desejo de realizar os desígnios de Deus, sob as bênçãos de Maria. Tenho certeza que Nossa Mãezinha do Céu tem um carinho todo especial tanto com o papai quanto com a mamãe.

 

-- Marilda, quando olho para sua mãe eu me comovo. Ela é puro amor. Como você explica isso—se é que tem explicação?

 

-- Mamãe é uma guerreira. É uma heroína, lutando para proporcionar o melhor a seus filhos. É uma mãe dedicada e forte, que nunca mediu seu amor para um filho. Com coragem e com determinação, deu a luz a sete filhos, sendo três homens e quatro mulheres. Quando Deus a escolheu para trabalhar por uma missão fraterna, seu amor foi sem medidas e sua principal função tem sido fazer o bem a todos. Amo-a imensamente, pois sei o quanto é especial. Sua batalha continua como criatura forte e dedicada. Trabalha duro e nunca questiona nem reclama do fardo que carrega em seus ombros. Durante anos, cuidou com carinho do meu falecido avô.

 

-- Qual foi a maior lição que você aprendeu com essa doçura de pessoa que é a sua mãe?

 

-- Aprendi a ser forte. Ela sofria calada quando ouvia as críticas e sentia a perseguição feita aos filhos. Muitos chegaram a nos acusar de sermos aproveitadores e de estarmos enganando os outros. Mas as pessoas que nos atacavam não tinham a mínima consciência da obra que estava sendo realizada em nós.

 

-- Você poderia falar um pouco mais dessa obra de Deus em você?

 

-- O que Deus realizou em minha vida e na de meus irmãos foi uma obra concreta de amor ao próximo com um único objetivo: o de renovar os corações doentes e tristes que vêm ao encontro da Luz do Céu. Amo sim, amo muito a minha família e amo ainda mais hoje que sei que foi por eles e através deles que Deus me fez conhecer o seu amor de Pai e o doce amor de Maria mãe.

 

-- Obrigado, Marilda. Você deseja falar mais alguma coisa?

 

-- Gostaria que cada filho, que cada filha, procurasse de todo coração valorizar mais os seus pais. É muito importante que cada um reconheça o esforço de um pai, de uma mãe, pois eles têm como principal objetivo de vida a felicidade dos filhos. Peço que respeitem e valorizem seus pais contribuindo assim para a construção de famílias dignas e santas. Agradeço ao Meu Pai e à Minha Mãe do Céu pela minha família da terra e também pela comunidade fraterna deste Vale da Imaculada Conceição.

 

Os capítulos seguintes brotam direto das anotações pessoais de Marilda. É ela quem fala, é o ensinamento daquela que vive ao lado da Mãe. Às vezes atua como professora, outras vezes como irmã, mas—na maioria das vezes—como   uma amiga sincera—muito sincera!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diante de tudo o que Nossa Senhora nos ensinou—sabemos que estamos em um lugar abençoado e que cada um daqueles que aqui vivem deve se dedicar intensamente à oração. Eu sei que algumas pessoas nos julgam pela aparência, mas esquecem que nos preocupamos em ajudar jovens e, de uma forma muito especial, às crianças, que em sua maioria são carentes e abandonadas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Eu sou a Imaculada Conceição

 

Aos 12 anos, enquanto estava na encosta de um morro, distante uns 100 metros do quintal da casa de meu avô, sede da fazenda, me senti cercada por uma imensa luz. Isso aconteceu por volta das 14h30, do dia 19 de setembro de 1987, sábado, enquanto eu brincava com minhas primas Íris, de dez anos, e Fabiana e Inês, ambas de cinco anos. O local se transformou como se fosse desabar uma tempestade. O clarão era localizado enquanto o resto do ambiente escureceu. Foi tomado por uma fumaça azulada e era varrido por um vento forte, que parecia sair da terra. Corremos para casa, pensando que fosse chover. Enquanto corríamos escutamos o badalar de um sino. Mas ao chegar perto da casa de meu avô, notamos que ali o sol brilhava. Apenas o local onde brincávamos tinha se transformado.

 

Sobre a calçada da casa estava minha irmã Juliana de oito anos, fazendo o dever de casa. Gritamos por ela para que viesse com a gente ver o que estava acontecendo. Ela veio correndo, pois também tinha percebido a transformação que havia ocorrido lá em cima. Quando chegou, ponderamos umas com as outras sobre o que poderia ter ocorrido. Até que Íris e eu chegamos à conclusão de que se tratava de um bicho enorme, tão grande que fazia muito barulho. Isso porque mamãe nos dizia, com freqüência: “meninas não brinquem longe de casa, pois há muitos bichos por aí”.

 

Pegamos algumas varas de carro de boi e retornamos ao local. Até hoje me impressiono com a nossa coragem. Se fosse um animal grande, jogaríamos as varas e sairíamos correndo de volta para casa. Assim que nos aproximamos, parei, pois via à minha frente dois pezinhos descalços apoiados numa nuvenzinha de algodão branco, contornada por uma bola azul, que não tocava o chão. Olhei para a Íris e a Juliana e percebi que, como eu, estavam também assustadas. Disseram: “Vamos correr para casa, pois tem um fantasma na nossa frente. E tem a cabeça branquinha”. Saímos em disparada, enquanto Inês e Fabiana, por serem mais novas, ficaram para trás e, mesmo não conseguindo ver o fenômeno choravam, pois estavam paralisadas pelo medo.

 

Ao chegarmos em casa, papai, que tomava café, disse: “O que aconteceu com vocês? Porque estão correndo tão assustadas?”. Íris respondeu: “Tio Antônio, lá em cima tem algo estranho, que assustou a gente”. Vendo o pavor em nossos rostos, papai pensou que fosse alguma lenheira ou andarilho, que nos tinha metido medo. Pegou uma foice e foi até o local, mas, quando lá chegamos, tudo já havia se normalizado. Não havia mais vento nem fumaça azulada. Papai olhou para mim e disse: “Marilda, minha filha, tenho tanto trabalho e vocês me fizeram vir até aqui à toa. Aqui não tem nada!”.

 

Íris protestou: “Tinha sim, tio Antônio. Aqui tinha um fantasma voador. Eu vi e a Juliana também viu!”. Meu pai olhou para mim e perguntou sobre o que as meninas estavam falando. Respondi: “Olha papai, a única coisa que eu sei, é que eu vi dois pezinhos descalços que não tocavam o chão”. Homem de fé, ele pediu que rezássemos. Pedimos a Deus que afastasse as coisas ruins dali. Lembro-me como se fosse hoje: nos demos as mãos e rezamos um Pai Nosso.

 

Quando estávamos ao meio da oração, o clarão apareceu novamente e de seu centro Nossa Senhora se manifestou para nós. Como foi maravilhoso!

 

Agora, sim, eu conseguia enxergar seu rosto—belíssimo! Não tinha os cabelos brancos. Na verdade, o que as meninas tinham pensado que era cabelo branco era o véu que trazia na cabeça. Linda e jovem, Ela mantinha a mão esquerda no peito, na altura do coração, enquanto com a direita nos chamava para junto Dela. No momento em que a vimos parecia que íamos cair. A emoção foi tanta que nossas pernas não paravam de tremer. Juliana ficou aflita, pois achou que papai estava cego. Ela, Íris e eu podíamos ver Nossa Senhora, menos ele, por isso Juliana chorava desesperada. Agarrou com as mãos o rosto de papai e o direcionou para o local da visão. Mas, que nada! Ele não via mesmo. Para nós três—Íris, Juliana e eu—a imagem era tão nítida e natural que achávamos que todos também pudessem ver. Depois que Juliana se acalmou, descrevemos a visão para papai e ele, então, nos disse para ir até Ela. Mas, à medida que caminhávamos em sua direção, Ela ia se afastando lentamente. Pensamos, então, que tivesse medo de nós. Que inocência, a nossa.

 

Naquele dia, Nossa Senhora não disse nada. Ficamos com receio dela ir embora. Ficamos quietas e esperamos por alguns momentos até que, sem nos avisar, sumiu.  Mal tínhamos visto Nossa Mãezinha do Céu e Ela já tinha desaparecido. Ficamos com enorme nostalgia. Era com se já a tivéssemos conhecido desde todo o sempre. Depois que se tem uma experiência dessa magnitude, jamais se esquece. Fica gravada no coração. Passei a rezar todos os dias para que Ela retornasse. Eu queria estar mais vezes com Ela, desejava sentir a presença do Céu. Até que, exatamente, uma semana depois (sábado, 26 de setembro de 1987), Ela retornou.

 

Íris e eu havíamos colhido uma planta que serve como vassoura e varríamos o quintal da casa de meu avô. Depois nos assentamos sobre a calçada da porta da sala, que dá para o terreiro, onde também estava Juliana. Por volta das 14h00, um pouco acima do local da primeira aparição, nós três—Íris, Juliana e eu—avistamos uma intensa luz, tão forte, que chegava a ofuscar nossos olhos. A sensação era a de que estávamos olhando para o sol. De dentro dessa luz, apareceu Nossa Senhora. Notamos que Ela mexia seus lábios lentamente. Trazia em Sua mão esquerda um lindo terço e sobre o braço direito uma bela Criança. Perguntamos-Lhe quem era e Ela nos disse: “Sou a Mãe de vocês”.

 

Sem ter idéia da graça que tinha sido derramada sobre nós, eu respondi-Lhe que Ela não podia ser a minha mãe, pois a minha mãe estava ali perto subindo o morro abaixo de nós. Vendo que não tínhamos compreendido, pegou uma varinha prateada e, com letras prateadas, escreveu bem visível no ar:

 

Eu sou a Imaculada Conceição, sou Maria Mãe de Jesus, sou Nossa Senhora.

 

Perguntamos: “O que a Senhora quer de nós?”. Ela escreveu: “Quero que vocês venham todos os sábados às 14h30 aqui neste local”. Assim que perguntamos para que, a Criança que trazia no braço desapareceu, e em Sua mão direita surgiu uma bola escura, tendo em cima uma cruz brilhante.  Em resposta a nossa pergunta, ela escreveu: “Por que o mundo está nas trevas, que é o pecado”. A bola, então, desapareceu e naquela mão surgiu uma vela acesa. A frase anterior se apagou e, em seu lugar, Maria escreveu: “Somente a luz de Deus pode nos salvar”. Depois de ter escrito isso, a vela desapareceu e em sua mão apareceu um monte de rosas brancas. No centro havia uma enorme rosa vermelha. Em seguida escreveu: “Eu estou vindo à terra por que todos têm o mesmo sangue—o sangue do Meu Filho Jesus”. Após ter-nos mostrado a bola escura, a vela acesa e as flores brancas, com uma vermelha ao centro, e ter nos dado a explicação, escreveu: “Orem e procurem ir à Santa Missa”. E desapareceu.

 

No sábado seguinte, dia 3 de outubro de 1987, às 14h30, como havíamos combinado, lá estávamos nós: Íris, Juliana e eu, mais um monte de curiosos—aproximadamente 300 pessoas. Quando Nossa Senhora apareceu ainda tínhamos um pouco de receio devido à forte luz que irradiava. Tínhamos medo de nos aproximarmos Dela. Mas quando Ela começava a escrever as mensagens, nos sentíamos como se estivéssemos num pedacinho do Céu. Foi lindo!, Uma riqueza inigualável! Uma benção de Deus! Nessa terceira aparição, recebemos Dela a primeira benção e foi possível ver perfeitamente os raios de luz saindo de Suas Santas mãos, enquanto nos abençoava. Foi algo indescritível, encantador!  Como Juliana ainda não sabia ler, para ela, Nossa Senhora falava diretamente aos seus ouvidos. Que delicadeza! Que doçura! 

 

Nós não ficávamos em êxtase, portanto enxergávamos Nossa Senhora e também as pessoas à nossa volta. Chegávamos a esquecer que éramos apenas nós três—Íris, Juliana e eu—que tínhamos a graça de vê-La. Quando as pessoas mandavam perguntar alguma coisa a Ela, dizíamos: “porque você mesmo não pergunta?”. Com o tempo tomamos consciência do tamanho da graça que tínhamos recebido e, também, de nossa responsabilidade. Naquele dia Ela pediu que fosse rezado o terço das 16h00.

 

Na quarta aparição aumentou o número de pessoas. Foram inclusive inúmeros sacerdotes e pesquisadores. Veio até um padre fazer exorcismo achando que era coisa do demônio. Tive, então, uma idéia do quanto é difícil para as pessoas compreenderem os desígnios de Deus. Muitos pensaram até que  estivéssemos doidas, mentindo ou vendo a alma de minha avó. Achavam que estávamos possuídas pelo diabo. Hoje dá vontade de rir dessas coisas, mas na época sofremos muito. A ignorância humana doía não só em nossos corações, mas também no de Nossa Querida Mãe. Eu via as lágrimas em Seus olhos, mas Ela estava sempre a nos confortar e fortalecer. Ela jamais nos abandonou frente às perseguições do mundo, pelo contrário, os aborrecimentos se evaporavam frente ao Seu consolo sobrenatural. Naquela dia, Nossa Senhora nos deixou a seguinte mensagem:

 

“O que mais magoa a Deus e a Mim são as revoltas do povo. Essas revoltas são as riquezas e o egoísmo. Devemos temer o mal, pois ele é poderoso e nos tenta até nos lugares sagrados. Só a nossa força na oração é que o afasta. Não pode haver tanta divisão, somos todos irmãos. Deus jamais castiga os filhos, mas o ser humano às vezes abusa e o demônio faz com que se coloque a culpa em Deus. Mas Deus é infinitamente bom, pois deu até seu Filho para a salvação dos povos. Quanto aos jovens, devem procurar ir à missa, fazer novenas e participar de grupos de jovens. Não devem ficar perambulando, mas ter uma vida espiritual sadia. As indecências dos jovens estão sufocando o mundo. As mães devem proteger os seus filhos, aceitá-los e não matá-los. Quanto aos padres presentes eu os abençôo e que levem ao conhecimento dos outros padres o que viram. Peço que todos rezem, principalmente, o terço, e que leiam o Evangelho, pois a Palavra de Deus é a verdade. Façam jejum do modo que o coração pedir, pela conversão do mundo. Sou Maria, a Mãe de Jesus e posso ser chamada de Nossa Senhora de Piedade”.

 

Nós lhe fizemos algumas perguntas que surgiram da curiosidade do povo. Perguntamos se Ela era a mesma que apareceu em Medjugorje e Ela disse que sim, era a mesma, só o nome era diferente. Ao derramar raios de luz para abençoar-nos, mostrou uma porta aberta e vimos um homem de barba. Ao indagarmos sobre Quem era Ele, Nossa Senhora respondeu: “É Jesus Cristo, meu filho, que sofreu muito neste mundo. E a porta é a do lugar onde Deus mora com toda a sua família. Lá está o Pai, Jesus e o Espírito Santo”. E, completou: “Há pessoas que só acreditam em Deus, mas Eu e os Santos também merecemos respeito. Devemos, porém, adorar só a Deus”.

 

Naquele dia Ela mostrou-nos um belo menino e disse que ele representava o povo. Disse que o mal se manifestava como um bicho feio em meretrizes—mulheres excessivamente pintadas, que apareceram para nós dando gargalhadas. Além das mulheres, fez aparecer dois cavaleiros com chifres e dentes enormes, que chegavam até o queixo. Um dos homens montava em um cavalo negro e o outro em um cavalo vermelho e estavam rodeados pelo fogo. Essas coisas surgiam e desapareciam com simples gestos de Nossa Senhora.  A visão foi tão horrível que, chorando, imploramos a Ela que parasse de nos mostrar aquelas coisas feias.

 

A partir daquele dia sofremos muitas críticas e até mesmo deboche. Mas, devido ao apoio de Nossa Senhora tínhamos coragem sobre humana para lidar contra as pressões e os questionamentos que brotavam nas mentes despreparadas. Só Deus para nos dar tamanha força. Alguns pesquisadores nos pressionaram para dizer que tudo aquilo não era verdade. Mas, nós jamais faríamos isso, pelo contrário, a toda e qualquer pressão respondíamos apenas: “podem até nos matar, mas morreremos falando a verdade”.  A insensatez humana encontrava á sua frente uma barreira intransponível: a doçura de Maria. Nossa Senhora tem nos conduzido com carinho e amor, dando-nos a Sua luz e a Sua coragem para vencer com determinação as perseguições, críticas e dificuldades. Por isso, dedico minha vida a fazer a vontade do Pai. Ele deseja que sejamos todos bons, humildes, simples e autênticos servidores.

 

Dia após dia agradeço a Deus pela graça que recebi em  os bons, humildes, simples e aut. 19 de setembro de 1987—a felicidade de ver Maria, a Nossa Mãe do Céu. Tudo o que sofremos fica pequeno diante do tesouro que nos foi confiado. O que recebemos do Céu é de difícil compreensão para uma humanidade envolta em trevas. Mas, farei tudo que estiver ao meu alcance para que o mundo conheça e aceite com amor as palavras de Maria. Ela nos traz uma mensagem de paz e de amor, de esperança e de luz!

 

 

 

 

 

Farei tudo que estiver ao meu alcance para que o mundo

conheça e aceite com amor as palavras de Maria.
 Ela nos traz uma mensagem de paz e de amor,

 de esperança e de luz!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Marilda abre o coração

 

A vida de quem vê e conversa com a Mãe do Céu é linda. Estar com Nossa Senhora significa entregar-se de corpo e alma ao amor, à partilha e, principalmente, ao constante crescimento espiritual. Tudo de bom e de maravilhoso eu aprendi com Ela. Aprendi a carregar a cruz, vencer as provações, crescer com os cristãos, orar pelos que pedem, perdoar e ser humilde. Recebi a graça de ser aquilo que sou e de não deixar que o orgulho me atormente. Aprendi a vencer as dificuldades através da oração, a ter uma fé viva, uma vontade inquebrantável de conquistar o Céu. Esse presente que Deus me deu é lindo! Peço a Ele que me faça forte e digna dessa graça tão bela; e que eu possa alegrar muito a Jesus, contribuindo, mesmo que seja com a minha pequenez, pela salvação de, pelo menos, uma alma.

 

No meu convívio com a Mãe do Céu sempre senti que o Seu amor é igual para todos. O fato de Ela aparecer para mim não é sinal de que me ama de forma especial. Jamais me senti melhor do que nenhum de meus irmãos ou irmãs. O que mais desejo é o triunfo do Coração de Maria, que é a volta de Jesus. Quando Ele voltar haverá mais vida e mais paz na terra. Quero também, do fundo de meu coração, que todos encontrem o caminho da conversão e da santidade. Desejo que todos recebam a graça de entrar no Céu! É preciso ter humildade no coração, para poder aceitar os desígnios do Pai. Mas, percebo no mundo uma grande preocupação em ser o melhor e o maior. Isso é pura ilusão, pois, somos todos iguais. Não importa nossa profissão ou missão, o que importa é cumprir bem aquilo que Deus nos deu, amarmos nossos dons e trabalharmos constantemente para o consolo dos corações de Jesus e de Maria.  Você que busca uma verdadeira vida em Deus, não tenha medo das dificuldades que poderá enfrentar. Seja forte, tenha confiança, pois Deus lhe será sempre Providência.

 

A vida de quem enxerga Maria Santíssima não é um mar de rosas—é cercada de espinhos, dificuldades e questionamentos humanos—mas, vale a pena, pois é maravilhoso poder conviver diretamente com o Céu. Eu me coloco no lugar daqueles que me criticam ou que duvidam de mim e acho que se fossem eles que estivessem vendo Nossa Senhora, talvez eu fosse a primeira a criticar. Vivo cercada pelas exigências humanas, pois as pessoas, em geral, exigem demais e não se preocupam como as necessidades dos outros. Vejo também outra coisa triste: muitos julgam o nosso Vale pela aparência. Não sabem que o Vale é coração! O mundo vê a realidade não como ela é, mas através da guerra e do terrorismo em que vive. Por isso, cada pessoa vê Deus como quer e não como Ele realmente é!  Reflito—com a ajuda das mensagens do Céu—que a pior situação é a falta de amor a Deus e a falta de obediência aos Seus ensinamentos. Ao amarmos a Deus, conseguimos também amar ao nosso próximo. Mas, quando nos esquecemos de Deus, deixamos de amar a nós mesmos e aos outros.

 

Encontrei espinhos em minha caminhada, mas, em vez de me desanimarem, me deram mais força ainda. Além das doenças—tive nódulos em minhas cordas vocais—existe também o desafio do convívio humano. Servir a Deus é agir em conjunto com outros irmãos e irmãs, e somos na maioria difíceis de compreender e de ser compreendidos. Isso acontece porque as pessoas estão se limitando demais: o que oferecem aos outros, dão de forma acanhada. Oferecem pouco amor, pouco perdão, pouca confiança aos semelhantes. Mas eu não desanimo e nem desisto, pelo contrario, agora é que eu quero mesmo servir a Deus, mais e mais, sem medidas, com coragem e determinação. Mesmo quando as dificuldades aparecem, desejo me espelhar em Cristo, pois mais vale a dor de carregar a cruz, do que o conforto de deixar de carregá-la.  Prefiro chorar e caminhar a parar e sorrir. Prefiro as lágrimas da luta a amargar a derrota do comodismo.

 

Eu jamais poderia imaginar que Deus realizaria uma obra tão maravilhosa em torno de minha vida. O Vale é o lugar no qual vi Nossa Senhora construir essa obra segundo a vontade de Deus. Eu me sinto, com relação a esta comunidade fraterna, da mesma forma que uma mãe que acompanha uma gravidez, e depois que o filho nasce, cuida dele com zelo, carinho e amor. Este lugar é diferente do mundo, pois tem como objetivo de vida a oração e a fidelidade ao Céu. Sinto que Nossa Senhora cuida de cada um de nós e zela por todos os Seus filhos e filhas. Sei, também, que falta muito ainda por fazer, mas tenho certeza que preciso agradecer a Deus sem cessar, por esta linda obra de amor que faz famílias—incluindo jovens e crianças—melhores e mais felizes. Pois, o propósito máximo é amar sem medidas.

 

Quando vierem ao Vale procurem beber dessa fonte cristalina de amor que Deus derrama sobre nós através de Nossa Doce e Santa Mãe. Aqui aprendemos a partilhar, a viver da Divina Providência e a não sentirmos medo nem da fome, nem do frio. O que é preciso numa comunidade é amor, é viver exclusivamente da verdadeira entrega, com um propósito único: acolher sem se preocupar, doar-se, tendo a certeza de que a todo aquele que partilha nada lhe faltará. Como é lindo este grande amor de Deus por nós. Sei que muitos não conseguem compreender os Mistérios do Céu, o lindo projeto Divino, mas o que faz a gente compreender é a vivência. Não se pode falar do sabor de um fruto ou alimento, sem experimentá-lo. Só depois de prová-lo é que sabemos o que realmente é. Assim também é a nossa vida de comunidade, só sabe a importância dela quem a vive, a respeita e a ama. Nesse nosso caminhar encontramos desafios, mas isso já era esperado. Não se pode querer vida sem problemas. Jesus já nos tinha alertado quando disse: “quem quiser Me seguir, tome sua cruz e venha”.

 

Foi justamente um dos doze apóstolos que negou Jesus—que O entregou. Por isso, cada um deve examinar a sua consciência, para ter mais discernimento e cultivar os valores espirituais que são mais fortes do que as fraquezas da carne. Assim compreenderemos que o mundo é feito de criaturas santas, mas também pecadoras, e que o pecado a causa de todas as terríveis dores do mundo.  A maioria das pessoas nem sequer sonha com o que é a vida de uma comunidade, o que é viver entre irmãos, cujo sangue que une é o próprio sangue de Cristo. Viver em comunidade é uma vocação, cuja entrega deve ser total. Mas isso é difícil de compreender em um mundo onde falta união, falta entrega e falta oração. A missão que o Céu nos deu, através de Maria é orar, e pedir a paz para a humanidade.  Eu amo muito a comunidade do Vale, pois é a família que Deus me deu e me ensinou a respeitar. É um Santuário Mariano, onde o amor de Maria está refletido em cada um de nós. Sinto-me feliz pelos momentos de oração, trabalho participativo e alimentação comunitária, simples, mas com a essência maior que é o amor. Oro para que todos nós possamos cumprir com dignidade a vontade de Deus.

                         

Como instrumento nas mãos de Nossa Senhora, sinto-me responsável por ajudar aos meus irmãos e irmãs, com a minha oração, com o meu testemunho e, principalmente, com o  rigir o melhor do que este.como --muito meu exemplo de amor. Quem contribui mais para salvar uma alma? Aquele que uele rdiz Senhor, Senhor—ou aquele que mostra para todos quem é o Senhor—Criador do Céu e da terra? Ele, o Onipotente, me fez compreender que o mais importante na vida é a nossa simplicidade. Também me ensinou que precisamos ser corajosos e fortes, pois é isso que Ele quer de cada um de nós. A minha missão é continuar buscando cada dia mais, ser uma imitadora de Minha Mãe do Céu, de Sua humildade que encanta o mundo inteiro. Não quero imitá-La pela aparência, mas, sim, pela devoção e pelo crescimento espiritual, pelo desejo de me empenhar na construção de uma sociedade melhor. Quero ver um mundo muito melhor do que este, um mundo que compreenda e viva os desígnios do Céu, com veracidade e amor, evitando julgar os outros, um mundo onde cada um busque examinar o seu próprio coração e se empenhe em corrigir seus próprios erros.

 

Meu objetivo superior de vida é ajudar àqueles que mais precisam. Desejo acolher àqueles que são condenados pelo mundo e excluídos pela sociedade. Justamente aqueles que não encontraram a força do amor de Deus em seus corações devido aos momentos tristes que um dia passaram. Como diz Nossa Senhora é muito fácil para nós que tivemos um berço—carinho da mãe e proteção do pai—saber o que é o amor. Mas pense naqueles que foram abandonados, que seu berço foi um canto de rua onde sentiu frio, fome e, até mesmo, sede—e o que é pior:  falta de carinho! Por todo lado a pobreza resulta da falta de partilha e de amor, da frieza no coração dos seres humanos que se limitam a viver pensando muito em ter e tão pouco em doar, em partilhar. Eu posso compreender bem o motivo das lágrimas de Nossa Senhora, uma Serva predileta que deu tudo e nunca cobrou nada, que se entregou sem limites e sem dúvidas, ao trabalho do Céu. Uma jovem de coração iluminado que carregou Jesus no Seu seio puríssimo e santo, que sofreu a grande dor de ver o mundo condenar Seu Filho amado. Você mãe, quando, por algum motivo, sofrer por um filho, lembre-se de Sua Mãe Maria e peça a Ela para fazê-la sábia e forte, tal qual Maria foi. Quando  você mãe, receber de Deus o presente de um filho, quem sabe, às vezes doente, que você se consagre a Maria e nunca venha a questionar, mas, sim, a amar imensamente aquele anjo que Deus lhe deu em vida.

                   

Eu preciso das orações de vocês. Peço que orem por nós. Orem por todos os servos de Deus, missionários e missionárias, inclusive pelo Santo Padre e toda a Santa Igreja—que somos todos nós os filhos de Deus, que amam dignamente a Cristo Jesus!

 

 

 

 

 

 

 

Esse presente que Deus me deu é lindo! Peço a Ele que me faça forte e digna dessa graça tão bela; e que eu possa alegrar muito a Jesus, contribuindo, mesmo que seja com a minha pequenez, pela salvação de, pelo menos, uma alma.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por que é preciso doar-se a Deus?

 

Quando vejo Nossa Senhora chorando, eu mesma queria poder enxugar as suas lágrimas. Isso não consigo fazer sozinha, porque preciso de todos vocês. Sei que se nos unirmos, se nos dermos as mãos, poderemos. Sendo humilde e simples, com um coração revestido de amor e luz, cada um de vocês poderá me ajudar a enxugar as lágrimas de Nossa Mãezinha do Céu. Vamos fazer mais para consolar o coração de Jesus e de Maria! Isso é possível desde que você faça de sua vida, uma vida de caridade e partilha, amando e ajudando àqueles que precisam de você! Ore e peça a Deus o dom de saber servi-Lo, com toda a sua alma e com todo o seu coração. Seja transparente e humilde, pois só assim conseguirá se inundar cada vez mais do amor de Deus. Chega de tanta miséria em torno de nós! Saibamos nos valorizar como filhos de Deus! Quem é Deus para você?

 

Ele é o único e o grande Senhor, o Criador de tudo e de todos. Você já parou para refletir que com Ele tudo pode, mas sem Ele nada é possível? Nossa Senhora abre os nossos olhos e o nosso coração para que possamos ser, de verdade, pessoas abençoadas, que têm como principal objetivo ajudar, acolher e contribuir. Somente assim nos tornaremos verdadeiros apóstolos de Cristo. É imprescindível lutar—lutar de verdade—pela salvação de nossos irmãos. Nosso único objetivo deve ser consolar Jesus. Ofereça a Jesus um coração que antes estava subjugado pelas trevas e escravizado pelo pecado, mas que agora, com o seu empenho, a sua ajuda—pela vontade do Céu—está enxergando a Luz de Deus..

 

Porque é preciso se doar inteiramente ao serviço do amor? Por que Deus nos doou tudo por amor! Até o seu próprio filho Jesus. Quando a tristeza bater à porta de seu coração, ofereça a Jesus todo o seu ser e todo o seu viver. Diga com força a oração que Nossa Senhora me ensinou:

 

Senhor meu, reveste todo o meu ser com Teu perfume de amor. Lava-me com Teu sangue de Misericórdia. Faz com que eu seja um instrumento de Tua rica paz, para que eu, mesmo na minha miséria humana, possa reconhecer a minha grandeza de espírito. Dá-me Senhor o dom de ouvir-Te, de anunciar-Te e enxergar-Te. Que eu não venha a ser como uma árvore, que só tenha beleza, mas que não sabe produzir frutos. Faz de mim uma árvore de vida e de exemplo de sua linda e grandiosa obra. Quero amar-Te, quero respeitar-Te, quero ouvir o Teu clamor no intimo de minha alma e de meu coração. Quero oferecer todo o meu ser para a  construção dos Teus desígnios.

 

Maria a Mãe da Graça e do Amor, a Mãe de Deus, teve a bem-aventurança porque humildemente olhou para o Senhor movida pelo Espírito Santo e abraçou sua missão. Como é lindo o amor daquela jovem de Nazaré, pois Deus agiu em Sua alma, derramando em seu ser toda a virtude e toda a simplicidade Divina. Faça-nos Senhor, exemplos de Maria Mãe, de Maria peregrina, de Maria serva humilde e fiel a Deus. Maria agradeceu a Deus com a canção que brotou de sua alma e perfumou todo o seu ser. Maria é bela aos olhos de Deus. Sua beleza é o seu doce amor de mãe. É a padroeira e mãe dos jovens e das crianças, dos velhos e dos novos, daquele que está doente, do desabrigado, do marginalizado e até mesmo daquele que não sabe amá-la. É maravilhosa porque sua pureza é revestida do lindo Silêncio do Céu.

 

Desejo sempre defender o nome de Maria, e quando falarem contra Você, querida Mãezinha, direi a eles: “Ela ama você e vai acolhê-lo na hora da aflição. Ela é a Mãe do mundo, a Mãe da Paz. É a Mãe que sabe amar e lutar por um filho seu! Saiba que diante das maiores tempestades que o mundo já passou, foi Ela a Mãe que o Céu enviou para nos conduzir e nos dar força e coragem. Ela foi Aquela que teve que olhar para o seu Santo Filho ensangüentado devido a falta de Luz Divina no coração dos filhos de Deus.  Maria, é a Mãe forte, que viu Seu Filho pregado numa cruz. Ela desejou e se ofereceu para morrer no lugar Dele. Quem é mãe sabe, que você prefere sofrer a ver um filho padecendo. O Céu fez de Maria uma verdadeira fortaleza a nosso favor e padroeira dos inocentes—Rainha do Céu e da terra!

      

Você já pensou em servir a Deus? Amar e viver a vontade de Deus em sua vida? Entregar-se ao trabalho da sua comunidade? Ser igreja viva e autentica? Viver uma vida a serviço do amor?

 

Não estamos aqui por acaso. Pelo contrário, fomos presenteados com o dom da vida. Quem nos deu esse presente foi Deus, Nosso Pai Divino e Bondoso, que nos faz ricos e especiais por sermos plenos do Espírito Santo.  Quando olhar para dentro de você, procure enxergar a sua grande riqueza—a maior de todas—aquela que faz de você um filho de Deus. A partir desse momento sua vida se transformará, e você verdadeiramente terá forças para viver ainda mais feliz e, sobre tudo, valorizar mais o que lhe foi permitido ter.

 

Quando vejo as pessoas se matando—e ás vezes matando os outros também—pelas coisas terrenas, sinto muita tristeza. Se olhassem mais para dentro delas descobririam riquezas superiores a tudo que o mundo tem para oferecer. Descobririam que o bonito é saber agradecer pela vida e ser alguém capaz de amar, trabalhar e servir. Quem não sabe servir, na verdade não sabe viver. Existe riqueza maior do que poder ajudar a alguém com uma palavra de consolo e conforto? Poder estender a mão a um desabrigado ou excluído por não ter um teto, uma família ou um nome?

 

É preciso parar, refletir e meditar como são lindas as graças e bênçãos do Céu. Nosso merecimento é ínfimo perante as graças que temos recebido e perante a enormidade da beleza e da bondade do Céu.  É importante, a todo momento, olhar para nós mesmos e enxergar Deus—agindo e transformando nosso coração, presenteando-nos com o seu Divino Saber. Por mais que nos empenharmos, ainda assim, não conseguiremos compensar as bênçãos recebidas do Céu. Deus sempre será mais pródigo, mais benevolente. Ele faz questão de encharcar-nos de graça. Cada passo que damos em Sua direção, Ele dá dois, três ou mais para chegar até nós derramando bênçãos sobre bênçãos. Por isso é importante aprender a ver Jesus na presença do irmão que tanto pode ser um rei vestido de ouro, como um mendigo vestido de trapos.  Mas nossos olhos humanos nos enganam. Teimam em valorizar mais a aparência. Aos olhos de Deus o que vale é a nossa vida e a igualdade de todos. Até quando irá durar a cegueira do mundo? A sede pelo poder? A busca insana pelas riquezas materiais? Quando é que a humanidade irá se converter? Ao se esquecerem de Deus, as pessoas caminham direto para as trevas e para a dor do pecado. A falta de Deus só pode nos trazer sofrimento e miséria, mas sua Presença é plenitude em vida.

 

Temos muito trabalho pela frente. Sinto pelas palavras de Maria que estamos plantando coisas muito tristes com o nosso orgulho, com a nossa falta de humildade e com a nossa falta de amor. É preciso que deixemos que a voz de nosso coração fale, pois é nele que Deus habita. Somente assim conseguiremos alcançar o sublime mérito da paz. Por isso jamais se esqueça de se amar e de se respeitar como Jesus pediu. Porque as pessoas teimam em viver do orgulho e da pobreza espiritual sendo que nossa pureza e a nossa humildade são mais belas?, Para que julgar e invejar alguém, se Deus nos fez capazes de criar, de produzir e prosperar? O que falta ao mundo é humildade de alma. Somente ela pode nos elevar a Deus. Os santos e os heróis da fé foram, justamente, aqueles que serviram a Deus com toda a sua alma, sem medir e limitar o seu amor.  Muitos se entregaram ao martírio porque desejaram mais a Deus do que ao mundo.

 .

Muitas vezes não olhamos para nossos irmãos com piedade. Optamos pelas  migalhas dos prazeres inúteis, nos esquecendo do grande e rico alimento que é Jesus. A falta de fé e humildade do mundo fez com que as pessoas se esquecessem que Deus é, antes de tudo, Nosso Pai. Dentro de nós possuímos sentimentos que são riquezas que não se comparam a qualquer coisa que o mundo possa oferecer. Nunca deixe de se valorizar, de abrir seu coração para deixar que Jesus entre e nele faça Sua morada permanente.

 

Você não é apenas pó! É um filho que Deus ama imensamente—fez de você a Sua imagem e semelhança. Jamais se esqueça dessa verdade. A maior  ciência do mundo, Deus operou em nós—a ciência do amor! De seu grande, poderoso e eterno amor! Portanto, viva neste mundo a caminho do Reino do Céu. Não tenha vergonha de bradar, em alta voz: “Eu creio e eu amo a Deus”. Tenha vergonha, isso sim, de deixar de amá-Lo. Ele é o único que sabe e pode nos amar plena e totalmente! Maravilhe-se com as graças e bênçãos do Céu! Diga o seu “sim” a Deus. Diga “sim” e ame cada dia mais e mais a obra que Deus está fazendo em você. Aos olhos de Deus todos os seus problemas serão resolvidos. Para Ele tudo é possível!

 

 

 

Maria a Mãe da Graça e do Amor, a Mãe de Deus, teve a bem-aventurança porque humildemente olhou para o Senhor movida pelo Espírito Santo e abraçou sua missão. Como é lindo o amor daquela jovem de Nazaré, pois Deus agiu em Sua alma, derramando em seu ser toda a virtude e toda a simplicidade Divina. Faça-nos Senhor, exemplos de Maria Mãe, de Maria peregrina, de Maria serva humilde e fiel a Deus.

 

 

 

Oração da manhã

 

Às 6h00 o sino bate. É hora de se levantar e preparar-se para a primeira oração do dia. Às 6h30 o sino torna a bater. É a hora em que começamos—de mãos dadas—a recitar a súplica matutina:

 

Introdução: “Como poderei abrir o meu coração? É pedindo a Jesus a Luz que brilha forte, para que essa Luz cresça em mim e me dê a paz. Como posso pisar firme neste dia? É pedindo a Deus todas as graças necessárias para minha alma. Como posso olhar para frente? É pedindo a Deus que Ele tire a minha cegueira e me ilumine com a Sua Luz, que brilha forte em meu coração. O que devo fazer para ser um filho bondoso? O que devo sentir para ser um filho bondoso?  O que devo ouvir para ser um filho  bondoso?  O que devo dizer para ser um filho bondoso? Tudo o que eu fizer, tudo o que eu sentir e em tudo o que eu ouvir e disser devo colocar Deus, devo colocar a Sua misericórdia e devo colocar o Seu amor”.

 

Oração ao Pai: “Pai, sou Vosso servo. Fazei de mim um instrumento de Vossa paz. Estou aqui para ouvir os Vossos clamores, para atender ao Vosso pedido. Quero servir-Vos, quero amar-Vos. Pai, eis aqui aquele Vosso filho que vem pedir-Vos perdão por todas as faltas que cometeu. Vós bem sabeis que não foi pela  minha vontade. Pai, afastai de mim essa maldade. Pai, eu sei de Vossa infinita bondade por cada um de nós.  Afastai de mim esse orgulho que muitas vezes quer atormentar o meu viver, o meu ser, o meu sentir e o meu dizer. Pai, sede a Palavra viva, a Palavra pura. Não deixeis que a palavra de minha boca se torne palavra escravizada, palavra de maldade. Pai, dai-me o Vosso Espírito Santo de Amor para que eu possa lutar pela Vossa grandeza, pela  Vossa pureza.

 

“Pai, que eu—mesmo não enxergando as coisas com os meus olhos—saiba valorizar as coisas que enxergo com o meu coração. Pai, sou puro como Vós. A vida que eu tenho, a pureza que eu tenho, o sentir da minha vida, sejam, meu Pai, uma torre firme, uma torre com confiança, uma torre com humildade, onde Vós me levais, meu Pai, a ser o que eu sou, como Vós sois. Para que eu nunca queira enriquecer e exaltar a minha carne e, sim, vivenciar a minha alma!

 

“Pai, mostrai-me o Vosso caminho. Mostrai-me a Vossa jornada. Livrai-me, Senhor, de tudo aquilo que é perseguição maligna, de tudo aquilo que é maldade, de tudo aquilo que é vingança e de tudo aquilo que é ódio. Pai, lutai  para que eu me liberte de minhas faltas. Lutai meu Pai, porque se muitas vezes eu fraquejo, se muitas vezes eu caio,  eu nem sinto que estou caindo, eu nem sinto que estou fraquejando. Pai, eu sei que Vós não me abandonais. Mas também sei que muitas vezes eu Vos abandono. Dai-me força para que a cada dia eu possa ser corajoso, compreensivo, manso e capaz de lutar somente para Vós—amar somente as Vossas coisas. Que eu seja mais misericordioso e que abra o meu coração para entender a Vossa Mensagem. Que eu não finja de surdo e mudo, mas que a cada dia esteja preparado para o Vosso chamado de amor.

 

“Pai, Vós sois o meu futuro. Entrego-Vos a minha vida desde o primeiro instante em que me concebestes. Entrego-Vos Pai, minha luta em Vossas  mãos, pois sei que me fizeste perfeito. Pai, bem sei que me queres enxergar  unido no amor e na paz, na perfeita união convosco, assim como sois comigo.    Por isso, luto confiante em Vós. Luto com fé e com esperança, pois sou um instrumento em Vossas mãos—mãos que são a verdade. Pai, luto junto convosco porque confio em Vós.  Mas também Vos peço, Pai, os sete dons do Espírito Santo (fortaleza, entendimento, ciência/amor, piedade, sabedoria, temor de Deus/respeito, conselho) para que acendam em mim a força e a coragem para lutar. Ó Pai, eu Vos peço os dons do Espírito Santo, principalmente a Vossa força, o Vosso amor, a Vossa bondade e a Vossa mansidão, para que Vós abrais os meus olhos e o meu entendimento. Cobri-me para que eu possa ser um verdadeiro instrumento em Vossas mãos, ser um verdadeiro servo e seguir adiante, não temendo as fraquezas.

 

“Mandai-me, ó Pai os dons do Espírito Santo para que eu possa semear a boa semente. Enviai-me força para que ela possa crescer, entendimento para que eu possa entendê-la, ciência para que possa—dia a dia—alertar-me  diante do que Deus fez, diante de Suas maravilhas, diante do que só Deus pode fazer e ninguém mais. E para que eu possa amar os meus irmão, assim como eles são, e não como eu quero que eles sejam e para que eles possam se amar uns aos outros, assim como Vós os colocastes no mundo. Enfim, para que eu saiba compreender melhor que a misericórdia (piedade) de Deus é infinita—para que o dom da ciência se aprofunde em meu coração e me encha de misericórdia.

 

“Enviai-me, ó Pai, o dom da sabedoria, para que eu possa compreender melhor o que Vós fizestes para mim, para que eu possa ser fruto verdadeiro e viver a minha missão. Para que eu possa entender quantas coisas Vós criastes para o nosso bem. Para que eu possa viver com amor e alegria os dons do Espírito Santo que Vós enviais e para compreender, Pai, enviai-me a Sabedoria Divina, a sabedoria que destes aos Vossos profetas e que dais a mim para entender melhor o Caminho que devo seguir. Pai, Vós sois a minha Luz. Pai, fazei de mim um instrumento de Vossa Paz e de Vossa Palavra (respeito).  Pai, preciso da Vossa ajuda, pois, quando sinto aquele frio do medo, preciso do Vosso calor. Cobri-me com a Vossa proteção. Que eu esteja sempre com Deus em meu coração (conselho). Pai, atendei os meu pedidos. Por vossa infinita bondade, atendei tudo aquilo que eu não soube pedir  Ò Pai, como é grande o Vosso amor! Infinita a Vossa misericórdia! Imenso o Vosso Coração Imaculado!”.

 

Oração ao Filho: “Jesus, Vós sois o meu irmão. Aquele que me deu a vida. Aquele que me deu a Alma. Aquele que me deu o Coração. Salvai-me dia e noite. Libertai-me dia a dia. Libertai-me, principalmente, das perseguições malignas, da vingança, do mal, do ódio, da perseguição que muitas vezes quer me atrair para o caminho inútil, para o caminho que é inútil pra Deus, para o caminho que não é o Caminho da Verdade.  Senhor Jesus, conduzi-me, protegei-me. Livrai-me de tudo aquilo que é perseguição. Sabei dizer uma palavra a mim, a qual eu saiba pronunciar a Vós. Livrai-me dessa palavra maligna da minha boca e colocai Deus em meu coração. Pela Vossa Misericórdia e pela Vossa Redenção, pela Vossa Morte, pela Vossa Vida e  pela Vossa Ressurreição. Senhor Jesus, glorificai-me com a Vossa Salvação.

 

“Jesus, Vós sois Aquele que sempre me salvais nas horas difíceis, nas horas que eu mais preciso de Vós. Defendei-me Jesus! E sempre me salvai porque sou pecador, mas tenho dentro do meu coração uma nova vida. Sabei, Senhor Jesus, sempre me santificar. Santificai o meu corpo, santificai a minha alma, para a glória do Céu. Jesus, dai-me neste dia toda força e fortaleza. Enviai-me toda paz  e  concedei-me toda coragem para seguir o Vosso caminho que me levará ao Coração do Pai. Ó, vinde a mim, o Filho,  Aquele que me salvou.  Protegei-me e conduzi-me para o  Caminho do Senhor. Jesus que me salvou foi a morte condenado, por maldade arrebentado—mas, por Sua Misericórdia eu fui um filho salvado”.

 

Oração ao Espírito Santo: “Divino Espírito Santo, Divino e Santo é o Vosso Espírito, o qual derrama sobre nós a Vossa Luz, o qual derrama sobre nós o Vosso brilho, o qual derrama sobre nós a Vossa proteção. Ensinai-nos a sermos bondosos, a sermos misericordiosos (piedade), e a termos uma proteção dia a dia em nosso caminho. Livrai-nos de tudo aquilo que é maldade. Ouvi-nos sempre.  Atendei-nos sempre em nossas orações. Livrai-nos de todo mau pensamento, que muitas vezes quer nos atrair para a triste flagelação do pecado e da morte eterna. Livrai-nos de tudo aquilo que é perseguição maligna, de tudo aquilo que é maldade, de tudo aquilo que é vingança, e nos conduzais à vida eterna com Deus para sempre (temor de Deus).

 

“Divino Espírito Santo, dai-nos força, iluminai-nos, protegei-nos, guiai-nos. Dai-nos a fortaleza de Deus. Dai-nos aquilo que Vós tendes, que nós temos, mas que não sabemos enxergar. E protegei-nos com Vossas Luzes nas horas difíceis. Ó Divino Espírito Santo, conduzi-nos com Vossas luzes e iluminai-nos com o Vosso poder. Ensinai-nos o Caminho da Eternidade (sabedoria), que nos levará à nossa salvação.  Divino Espírito Santo, dai-nos força, dai-nos alegria, sede a nossa Luz. Que nós sejamos sempre aquilo que somos e nunca queiramos passar adiante (temor de Deus)—para darmos um passo humilde e manso—para que nele consigamos, no silêncio, estar convosco, iluminando-nos e cobrindo-nos com a Vossa luz.

 

“Vinde a nós, Divino Espírito Santo, com Vossas luzes e como Vosso amor (ciência). Protegei-nos e cobri-nos com Vossos caminhos e levai-nos ao caminho que é o Vosso Caminho. Senhor é o Espírito Santo, Jesus é o Filho e Deus é o Pai. Conduzi-nos e protegei-nos dia e noite para o Caminho da Eternidade. Vinde a nós, ó Divino Espírito Santo. Abri os nossos corações (entendimento). Fazei que possamos compreender melhor o que é a vontade de Deus. Ò Divino Espírito Santo, concedei-nos a Vossa Chama de Amor. Assim como Jesus sofreu e tem as chagas sobre Suas mãos—para que nós não tenhamos as chagas sobre a nossa alma—pois, mil vezes ter a chaga  sobre a nossa carne, do que uma só vez a chaga sobre a nossa alma. O Pai seja a proteção, o Filho a humildade e o Espírito Santo a bondade. O Pai me dá força, o Filho a salvação, o Espírito Santo me leva à conversão. O Pai me ensina, Jesus me aconselha (conselho), o Espírito Santo toca em meu coração. O Pai me guia, o Filho me ilumina, o Espírito Santo me leva para o Céu! Amém!”.

 

Depois dessa oração, pede-se a um dos participantes—de preferência a uma criança—que abra aleatoriamente a bíblia. Hoje, dia 23 de março de 2009, caiu na seguinte leitura (Deu 5, 1-24):

 

“Moisés convocou todo o Israel e disse-lhe: Ouve, ó Israel, as leis e os preceitos que hoje proclamo aos teus ouvidos. Aprende-os e pratica-os cuidadosamente. O Senhor, nosso Deus, fez um pacto conosco em Horeb. Não foi com os nossos pais que o Senhor fez essa aliança, mas conosco, que estamos hoje aqui ainda vivos. Falou-nos o Senhor face a face no monte, do meio do fogo. Durante aquele tempo, eu estava entre o Senhor e vós para vos transmitir suas palavras, porque, aterrados pelo fogo, vós não subistes ao monte.

 

“Ele disse: ‘Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei do Egito, da casa da servidão. Não terás outro deus diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura representando o que quer que seja do que está em cima no céu, ou embaixo na terra, ou nas águas debaixo da terra. Não te prostrarás diante delas para render-lhes culto, porque eu, o Senhor, teu Deus, sou um Deus zeloso. Castigo a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. Mas uso de misericórdia até a milésima geração com aqueles que me amam e guardam os meus mandamentos. Não pronunciarás em vão o nome do Senhor, teu Deus; porque o Senhor não terá por inocente aquele que tiver pronunciado em vão o seu nome. Guardarás o dia do sábado e o santificarás, como te ordenou o Senhor, teu Deus. Trabalharás seis dias e neles farás todas as tuas obras; mas no sétimo dia, que é o repouso do Senhor, teu Deus, não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu servo, nem tua serva, nem teu boi, nem teu jumento, nem teus animais, nem o estrangeiro que vive dentro de teus muros, para que o teu servo e a tua serva descansem como tu. Lembra-te de que foste escravo no Egito, de onde a mão forte e o braço poderoso do teu Senhor te tirou. É por isso que o Senhor, teu Deus, te ordenou observasses o dia do sábado. Honra teu pai e tua mãe, como te mandou o Senhor, para que se prolonguem teus dias e prosperes na terra que te deu o Senhor, teu Deus. Não matarás. Não cometerás adultério. Não furtarás. Não levantarás falso testemunho contra o teu próximo. Não cobiçaras a mulher do teu próximo. Não cobiçaras sua casa, nem seu campo, nem seu escravo, nem sua escrava, nem seu boi, nem seu jumento, nem nada do que lhe pertence’.

 

“Tais são as palavras que no monte, do meio do fogo, da nuvem e das trevas, o Senhor dirigiu com voz forte a toda a vossa assembléia, sem juntar mais nada. E escreveu-as em duas tábuas de pedra, que me entregou. Ora, depois que ouvistes a voz que saía do meio das trevas e vistes o monte ardendo em fogo, viestes ter comigo com vossos chefes de tribos e vossos anciãos para dizer-me: ‘Eis que o Senhor, nosso Deus, nos mostrou a sua glória e a sua grandeza, e ouvimos a voz do seio do fogo. Hoje vemos que Deus pode falar ao homem sem que este morra’”.

 

O Espírito Santo, diariamente, nos encaminha esses textos bíblicos de acordo com o momento da comunidade. A importância da obediência aos mandamentos da lei de Deus é fundamental (Deu 11, 13-21):

 

“Se obedecerdes aos mandamentos que hoje vos prescrevo, se amardes o Senhor, servindo-o de todo o vosso coração e de toda a vossa alma, derramarei sobre a vossa terra a chuva em seu tempo, a chuva do outono e a da primavera, e recolherás o teu trigo, o teu vinho e o teu óleo; darei erva aos teus campos para os teus animais, e te alimentarás até ficares saciado. Tende cuidado para que o vosso coração não seja seduzido e vos desvieis do Senhor para servir deuses estranhos, rendendo-lhes culto e prostrando-vos diante deles. A cólera do Senhor se inflamaria contra vós e Ele fecharia o céu. A chuva cessaria de cair, e não haveria mais colheita no vosso solo, de modo que não tardaríeis a perecer nesta boa terra que o Senhor vos dá.

 

Gravai, pois, profundamente em vosso coração e em vossa alma essas minhas palavras. Prendei-as às vossas mãos como um sinal e levai-as como uma faixa frontal entre os vossos olhos. Ensinai-as aos vossos filhos, falando-lhes delas seja em vossa casa, seja em viagem, quando vos deitardes ou levantardes. Escrevei-as nas ombreiras e nas portas de vossa casa, para que se multipliquem os vossos dias e os dias de vossos filhos na terra que o Senhor jurou dar a vossos pais, e sejam tão numerosos como os dias do Céu sobre a terra”.

 

No dia 25 de março de 2009, uma outra leitura reforçou a necessidade de nos entregarmos de corpo e alma ao Pai Celestial (Sal 123):

 

“Se o Senhor não tivesse estado conosco, sim, diga-o Israel, se o Senhor não tivesse estado conosco, nossos inimigos nos teriam então devorado vivos. Quando seu furor se desencadeou contra nós, as águas nos teriam submergido. Uma torrente teria passado sobre nós. Então nos teriam recoberto as ondas intumescidas. Bendito seja o Senhor, que não nos entregou como presa aos seus dentes. Nossa alma escapou como um pássaro, do laço do caçador. Rompeu-se a armadilha, e nos achamos livres. A nossa proteção está no nome do Senhor, Criador do Céu e da terra”.

 

 

 

 

 

 

A nossa proteção está no nome do Senhor,

Criador do Céu e da terra.

 

 

 

 

 

 

 

Como cultivar a bem-aventurança?

 

A bondade de Deus é superior a tudo. Da mesma forma, devemos ter consciência de que a sua justiça é, também, certa. Para conquistarmos o Céu e chegar á bem-aventurança, é necessário, em primeiro lugar, cultivar o dom da fé em nosso coração e com ele vivenciar o amor que nos conduz à caridade. Quem age movido pela caridade é simples. A pessoa simples sabe compreender o grande mistério da graça e do amor de Deus em nós. Esse amor pode ser cultivado e alimentado continuamente através das mensagens que recebemos diretamente do Céu. Imagine o nosso privilégio e o de todos que aqui chegam, de podermos nos alimentar direto da fonte. Maria vem até nós com sua mensagem renovada de fé, esperança e amor.  Ela nos pede a leitura freqüente do Evangelho e nos garante que um outro manancial infinito de amor é a Eucaristia—o maior tesouro que nos foi deixado pelo Seu Divino Filho. Aconselha-nos a comungar regularmente.

 

Um dos maiores recursos para a conquista do Céu é a oração. É necessário que seja feita com total amor e confiança. Orar é conversar com Deus. A oração vence o mal e todo aquele que ora vence. Há momentos em que nos esquecemos de que as coisas do Céu são as graças maiores do mundo. Jesus nos pede para orar e jejuar para não cairmos em tentação. Jejuar é também uma forma de oração. Não é fácil fazer jejum, mas os resultados são profundamente benéficos para o coração e para a alma. Jejuar não é passar fome, mas um ato de amor, de confiança e de fé—que reforça em nós a certeza de que somos mais fortes do que as migalhas que a carne nos oferece. Quando jejuamos provamos para nós mesmos que somos filhos de Deus.

 

Além da Eucaristia, da oração e do jejum, é importante parar para escutar o que Deus tem para nos dizer. Em vez de silenciar temos vivido em função de julgar, sem nem sequer examinar em primeiro lugar o nosso próprio coração. Por isso, Nossa Senhora nos aconselha que, a cada momento da nossa caminhada, saibamos parar para escutar a Deus que age em nossos corações pela luz do Divino Espírito Santo. Mas isso é o que menos fazemos devido à agitação do mundo. Quando não há barulho externo, criamos o nosso próprio barulho interno que surge de nossos medos, de nossas auto-acusações e preocupações. Nossa Senhora tem insistido na importância do  silêncio, tanto externo quanto interno, pois é fundamental para que Deus possa se comunicar conosco. Chegou a dizer que o barulho é a causa das doenças, mas que o silêncio cura.

 

Como é feito esse silêncio? Jesus nos ensinou: “Vá até o seu quarto, feche a porta, e ore ao seu Pai em segredo. E, seu Pai, que está em segredo, vai recompensar você”. Isso quer dizer que devemos buscar um lugar sossegado e fechar a porta de nossos sentidos para os ruídos externos. Devemos também acalmar nossos pensamentos. Em vez de embarcarmos neles e remoermos cada acontecimento de nossa vida, podemos apenas observá-los passando como se fossem barquinhos deslizando rio abaixo. Você os vê passar, mas não embarca neles, não se envolve com eles. Irá descobrir que você é uma coisa e seus pensamentos, outra. Seus pensamentos não são você. Para facilitar esse processo de distanciamento e observação, quando os pensamentos começarem a incomodar, repita  uma palavra pequena tipo paz, amor, luz, etc. Jesus dizia simplesmente “Abba”, que significa Pai. Um momento importante para se fazer o silêncio pode ser após a oração do rosário. Em vez de sair logo do estado de meditação, permaneça onde está por alguns momentos degustando a Presença do Céu no silêncio. O rosário ou o terço constituem uma bela preparação para o aprofundamento no Divino Silêncio. Fazer silêncio, como toda oração, é uma demonstração de amor ao Criador.

 

No dia 21 de setembro de 2008, Nossa Senhora reforçou a importância do silêncio e do amor, e nos ensinou uma oração. Ela sugeriu que essa súplica fosse proferida com uma mão no coração e outra fazendo um leve gesto pedindo a Jesus para entrar em nosso coração:

 

Ó doce Jesus, que és o milagre vivo e verdadeiro, coloca em meu coração o Teu coração e faz com que este meu coração, que muitas vezes, Senhor, deixa de Te amar—que Te ame, Te respeite, Te receba com dignidade e amor. Pois, o meu coração precisa tanto do Teu! Conceda-me o dom do silêncio para escutar a Tua voz que me pede: “Evangelize”. O meu coração será o canal da graça, pois neste momento, Jesus, o meu coração faz parte do Teu. O Teu coração vive em mim, por isso eu quero Te dizer: “Eu Te amo, Jesus!”.

 

Nada—nada mesmo—é mais forte do que o amor. Foi com a força do amor de Maria que eu, Marilda, fui capaz de resistir aos inúmeros desafios de minha vida. O que mais me alegra é reconhecer, sem magoas, que tudo o que passei na vida foi fonte de crescimento. As críticas e acusações que já sofri, e as dificuldades que enfrentei só fizeram fortalecer minha fé no Criador. Posso dizer com alegria em minha alma, que nada poderá me separar do amor de Deus. O amor nos faz resistentes e conscientes de que, através dele, tudo nos é dado. Nossa Senhora, certa vez, me segredou ao ouvido estas doces palavras:

 

Quem por amor a Deus se entrega, pelo mesmo amor tudo lhe será dado. Quem pela fé confia, pela mesma fé tudo lhe será confiado. Quem perdoa pela graça do verdadeiro perdão, o mesmo perdão do Céu lhe será dado. Quem praticar a justiça do Céu, a mesma justiça a ele será praticada. Pois àquele que sabe ouvir, silenciar, amar e perdoar, lhe será dado o conhecimento da bem-aventurança.

 

Podemos convidar essa bem-aventurança para habitar nossos dias através de freqüentes exames de consciência. Examine a sua vida. Quantas vezes escutamos aquilo que não deveríamos, vemos aquilo que não nos é conveniente, falamos sobre aquilo que é mau e cuja malicia pode nos ferir a alma. Nesses casos é importante parar, examinar nossa consciência e procurar um sacerdote para fazer uma confissão sincera. Essa é uma prática que pode nos trazer conforto para a alma e alívio para o coração. Depois de confessar nossas faltas devemos nos empenhar ao máximo para manter um coração puro. Devemos seguir o exemplo de Nossa Mãe do Céu, isto é, colocar seus ouvidos a serviço do amor, deixar que nossos olhos sejam movidos pela fé e que nossa língua seja tocada pela Sabedoria Divina. Só assim nossa alma se encherá de luz e de pureza. Como é belo e encantador aprender com Maria o caminho que nos levará de volta a Ela!

 

Às vezes penso: “Meu Deus eu sei que sou tão pequena e cheia de faltas—mas possuo esse maravilhoso dom que não é meu, mas Seu em mim—desejo, do fundo de meu coração, cultivá-lo com alegria e deixar que esse perfume inebriante se exale sobre o mundo”. Sei que o mundo ainda não conhece o perfume de Maria. Sofro quando vejo a tristeza invadir a humanidade através das doenças que corrompem o ser humano. Depois de vários anos escutando o Céu, consigo compreender porque há tanta tristeza nos olhos de Maria—até mesmo lágrimas—compreendo que Maria é terna e doce, e sua perfeição lhe foi dada pela graça do Pai. Seu seio materno nos aquece e seu perfume tem um aroma inconfundível. Compreendo, agora, as palavras do Arcanjo Gabriel: “Você é bendita entre todas as mulheres e bendito é o fruto do Seu ventre, Jesus!”.

 

 

 

 

 

 

 

Quem por amor a Deus se entrega, pelo mesmo amor tudo lhe será dado. Quem pela fé confia, pela mesma fé tudo lhe será confiado. Quem perdoa pela graça do verdadeiro perdão, o mesmo perdão do Céu lhe será dado. Quem praticar a justiça do Céu, a mesma justiça a ele será praticada. Pois àquele que sabe ouvir, silenciar, amar e perdoar, lhe será dado o conhecimento da bem-aventurança.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autores

 

 

 

Maria de Nazaré

 

Mãe de Jesus. Viveu há mais de 2 mil anos e administra o Vale por inspiração Divina. Através de suas aparições de corpo e alma para Marilda, passa uma média de cinco mensagens por semana. Embora não seja vista por todos, sua presença é sentida. É a Mãe da comunidade, pois, tanto as pessoas do Vale, quanto as que nçam-estar da humanidade. va humanidade.fraterna pode ser a pela primeira vez em 2008 quando deu ino freqüentam, se referem a Ela com intimidade. apariç-dia do Vale protegendo, alertando, aconselhando e abençoando PpParParticipa do dia-a-dia dos moradores protegendo, alimentando, orientando, alertando e abençoando. É o Céu na terra.

 

 

 

Marilda Santana

 

Formada em administração de empresas e pós-graduada em relações humanas. Convive desde os 12 anos com Maria de Nazaré,na em relaçaçamento para as questilenciarem-estar do Vale e de sua comunidade fraterna.  que a visita com freqüência durante a semana. Através de sua capacidade de escutar, e de silenciar, oferece direcionamento para as questões práticas do Vale. Suas opiniões e sugestões estimulam o desenvolvimento, a prosperidade e o bem-estar da comunidade fraterna. Viajou por várias cidades do Brasil e da Europa levando as mensagens de Maria.  É a porta-voz do Céu.

 

 

 

Ômar Souki

 

Ph.D. em comunicação pela Universidade de Ohio, nos Estados Unidos. Conferencista internacional e autor de 22 livros sobre motivação, vendas, liderança e marketing, visitou o Vale pela primeira vez em 2008. Deu um novo direcionamento à sua obra, focando mais a espiritualidade tanto na vida das pessoas, quanto nas organizações. Descobriu novas possibilidades para o relacionamento humano. Constatou que a vivência das mensagens de Maria aliada à prática da partilha são o caminho para a paz, o amor e a plenitude. Traduz o Céu para o mundo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Obras de Ômar Souki

 

 

Acorde! Viva seu sonho!

Alerta máximo!

Acredite! Você tem o poder!

A magia em você

A solução otimista

As maravilhas do Céu

Emoção é poder

Gênio & gestão

Genocídio cultural

Liderança & genialidade empresarial

O segredo em vendas

Os segredos da liderança

Os segredos da motivação

Os segredos do sucesso

Otimismo nos negócios

Otimismo sem limites

Paixão por marketing

Respostas para a vida (I e II)

Riqueza infinita

Sua paixão é sua força!

Sucesso! Ontem, hoje, sempre!

Vida otimista

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Encomendas desta obra:

 

(31) 8334 3090

(37) 3222 8420

 

Contato com os autores:

 

omar@souki.com.br

www.souki.com.br