Maria de Nazaré

Marilda Santana

Ômar Souki

            

 

 

 

 

 

 

 

 

Deus!

 

Cura a sua vida

 

 

 

 

 

 

 

 

 

M U N D I A L

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Eu te exalto, meu Deus, meu Rei, e bendigo o teu nome para sempre e eternamente. Vou te bendizer todos os dias e louvar o teu nome para sempre e eternamente. Grande é o Senhor! Ele merece todo o louvor. É incalculável a sua grandeza. Cada geração apregoa tuas obras para a outra, proclamando as tuas façanhas. Tua fama é esplendor de glória: eu cantarei o relato das tuas maravilhas. Anunciarão o formidável poder de tuas obras, e eu cantarei a tua grandeza. Difundirão a lembrança da tua bondade imensa, e aclamarão a tua justiça. O Senhor é piedade e compaixão. É lento para a cólera e cheio de amor. O Senhor é bom para todos e sua misericórdia se estende a todas as suas obras. Que tuas obras todas te agradeçam, Senhor, e teus fiéis te bendigam. Proclamam a glória do teu reino e falam das tuas façanhas, para anunciar tuas façanhas ao ser humano, e a majestade gloriosa do teu reino. Teu reino é reino para todos os séculos, e teu governo para gerações e gerações. O Senhor ampara todos os que caem e endireita todos os encurvados. Em ti esperam os olhos de todos, e no tempo certo tu lhes dás o alimento. Abres a mão, e sacias à vontade todo ser vivo. O Senhor é justo em todos os seus caminhos, e santo em tudo o que faz. Ele satisfaz a todos que o invocam, de todos os que o invocam sinceramente. Ele realiza o desejo dos que o temem, ouve o grito deles e os salva. O Senhor vela por aqueles que o amam, mas vai destruir os injustos. Que a minha boca proclame o louvor do Senhor, e que todo ser vivo bendiga eternamente o seu santo nome.

 

Salmos 144   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O poder de Deus em nós

 

“Vamos agradecer a Deus por este momento de unidade com o Céu, por este momento em que o nosso coração, a nossa alma e a nossa vida se encontram com o Céu (27 de dezembro de 2009—domingo). Gostaria que refletissem o quanto precisam de Deus na vida de vocês. Vamos meditar sobre o transcurso deste dia, desde o momento em que você abriu os olhos. Reflita como a Luz de Deus é a sua proteção para tudo, filhos e filhas. Para cada movimento que suas mãos e seus pés fizeram, para cada palavra pronunciada por sua boca, por tudo aquilo que seus olhos conseguiram olhar, ver, enxergar, pelo que os seus ouvidos escutaram—esses ouvidos que precisam tanto saber escutar o Céu e atender a vontade do Céu. Nessa retrospectiva vemos que em nossa vida tudo é Deus. Tudo é por Ele. Toda a nossa entrega, toda a nossa doação, todo o nosso ‘sim’ é por Ele. Não podemos jamais esquecer que Ele é a Luz que nos ilumina, que nos protege, que nos santifica, que nos dá coragem. Hoje vivemos uma batalha, uma batalha constante e cada vez mais intensa porque a cada dia sentimos a necessidade do povo de Deus viver uma vida de oração. Poucos vivem essa vida de oração, pois as pessoas sentem uma enorme necessidade de procurar por tudo que satisfaça o corpo, mas poucas vezes se preocupam em buscar aquilo que verdadeiramente satisfaça a alma. Por isso, este momento de oração é grande demais, por tudo aquilo que recebemos do Alto do Céu, por tudo aquilo que cai sobre nós vindo diretamente do Céu. São bênçãos que trazem a paz, a alegria, o amor, a sabedoria, o discernimento. É o Espírito Santo falando em nós. É isso que eu gostaria de ver no mundo—um mundo cheio do Espírito Santo—pessoas cheias de Deus. Pessoas que vivam uma vida de maior profundidade e desfrutem de mais riquezas espirituais. Pessoas que vivam uma vida de mais conscientização, de mais esperança. O Espírito Santo nos eleva. Jesus explica que quando o Espírito vem sobre nós, Ele nos reconstrói e nos eleva a graus maiores de sabedoria. Somos elevados”.

 

A didática de Maria é suave, mas decisiva. Ela nos convida para fazer uma viagem pelo nosso dia e verificar como precisamos de Deus para tudo.  Desde os movimentos das mãos e pés, passando pelas coisas que falamos e vemos até chegar aos sons que ouvimos. Em tudo está a Presença de Deus, pois sem essa Força—que nos inspira, move e alimenta—as mãos e os pés cessariam seus movimentos, a boca se calaria, os olhos fechariam e os ouvidos se afogariam em eterno silencio. Dele dependemos para tudo. Por isso, Nossa Mãe nos pede insistentemente que escutemos mais o Céu e que façamos a vontade do Pai. Por que não deveria de ser assim? Quando estamos imersos no oceano de doçura que é Maria, aceitamos tudo que Ela nos diz prontamente Não há como questionar a sua lógica implacável e a sua infinita ternura. Temos um Pai que nos dá tudo, os movimentos, a fala, a visão e a escuta, portanto, ouvi-lo e prestar atenção ao que nos diz, através de Maria, deveria ser algo natural e espontâneo. Mas não é! Isso é espantoso e inadmissível. Nossa Divina Mãe nos mostra de forma cristalina o estado hipnótico que tomou conta de seus filhos e filhas que “sentem uma enorme necessidade de procurar por tudo que satisfaça o corpo, mas poucas vezes se preocupam em buscar aquilo que verdadeiramente satisfaça a alma”. O que nutre a alma é o contato com a Fonte Infinita de força, paz, sabedoria, bondade e amor, enfim, a ligação contínua com a nossa Essência. Ao escutarmos nossa Mãezinha, não fica dúvida de que a nossa responsabilidade primeira deveria ser sempre reconhecer essa Presença e ir além, perguntar-Lhe o que deseja que façamos. Jamais poderíamos ter nem a mais leve tendência de não viver de acordo com a vontade de Deus, pois Dele dependemos para tudo. Mas o que mais nos assusta é que, sim, damos as costas para quem mais nos ama, mais nos protege, mais nos apóia, mais nos quer e mais nos ilumina.

 

Isso não é coisa de agora. Essa amnésia vem de milênios. O ser humano se esqueceu de sua origem Divina. A luta pela sobrevivência retirou o nosso foco do Divino e colocou nossa atenção nas coisas da matéria. Os avanços tecnológicos só fizeram aumentar o encantamento com o mundo e o distanciamento do Céu. Por isso, Nossa Senhora nos diz que “vivemos uma batalha, uma batalha constante e cada vez mais intensa”. A luta, portanto, se trava entre os nossos hábitos milenares de apego à matéria e a nossa espiritualidade—que é o cultivo da Presença de Deus em nós. Para romper as correntes que nos prendem à terra é preciso de investir pesado na oração.  Além disso, é importante estarmos presentes quando o Céu nos fala. Aqui no Vale, o Céu se abre para o humano e diz: “Acorda!”. Nossa Senhora expressa o desejo de Deus de ver pessoas mais cheias do Espírito Santo, de ter filhos e filhas que se aprofundem mais na espiritualidade para que possam desfrutar das inefáveis bênçãos do Pai. Essas graças derramadas no momento da aparição de Maria são mais preciosas do que todas as riquezas acumuladas da terra. Ela nos garante que “este momento de oração é grande demais, por tudo aquilo que recebemos do Alto do Céu, por tudo aquilo que cai sobre nós vindo diretamente do Céu. São bênçãos que trazem a paz, a alegria, o amor, a sabedoria, o discernimento. É o Espírito Santo falando em nós”.  Pode existir algo na terra que se compare com a graça de ter o Espírito Santo falando em nós?

 

“O Espírito Santo nos faz compreender o impossível, ver o impossível.  No momento em que vocês estão aqui para ouvir o Céu falar através desta Mãe, o Espírito Santo enche a capela de vida, enche os corações de vida e de esperança. Ele derrama sobre cada um a necessidade que cada um tem, principalmente, de paz. Quem hoje não luta pela paz, não deseja a paz em sua família e luz no coração da juventude, no coração das crianças? Quem não deseja um mundo de mais unidade e pessoas mais santas trabalhando pelos mesmos propósitos: santidade, perdão, amor, ternura? Deus nos ama. Por isso temos que refletir constantemente sobre o amor de Deus. Temos que viver esse amor de Deus por cada um de nós. Temos que ser mais justos.  Deus nos fala e nos diz que é preciso saber ouvi-lo. A humanidade não está atenta à justiça de Deus. Grande parte das pessoas ignora a Deus, por isso o Céu vem até nós. É por isso que Deus bate na porta dos corações fechados. É por isso que Deus traz você de tão longe para estar aqui neste momento. É por isso que o Céu traz a ternura para a sua vida, a doçura para a sua alma, e traz a esperança para que você não esmoreça na luta pela paz. Se depender de você sozinho, você não consegue. Tudo leva ao desânimo, principalmente a falta de fé. Porque quando a pessoa tem fé, ela acredita e vai. Mas quando não tem fé, ela se paralisa e se torna dependente de tudo que, na verdade, não precisa. Todos nós somos apenas isso: filhos e filhas de Deus iluminados. Portanto, não precisamos nos paralisar. Temos condições de seguir adiante. Mas o que está acontecendo hoje? As pessoas estão paralisadas, anestesiadas, não estão se movimentando. O medo domina. A dúvida domina. O desrespeito domina. A miséria—que não é a da falta de pão—domina. Porque o ser humano não buscou se enriquecer. Sendo rico ele se tornou pobre. Ele não cultivou a riqueza que é a sabedoria espiritual que ele tem—justamente o que poderia levá-lo a ser um verdadeiro cientista”.

 

Quando pensamos em cientista, imaginamos uma pessoa dentro de um laboratório fazendo experiências. Imaginamos uma pessoa super inteligente, afastada de tudo, imersa em estudos e pesquisas. Mas, Nossa Senhora afirma que o verdadeiro cientista é aquele que cultiva a sabedoria. Com isso ela quer dizer que não adianta desenvolvermos só a inteligência, é preciso, antes de tudo nos tornar pessoas mais santas tendo como propósito de vida a justiça, o perdão, o amor e a ternura. A verdadeira ciência, a de Deus, aquela que vem através da unção do Espírito Santo, só chega até nós pelo amor que, naturalmente conduz à justiça. A mais sublime inteligência é a que brota do amor. Inteligência sem amor jamais poderá produzir a verdadeira ciência que é, antes de tudo, compaixão.  Portanto, o cientista, na concepção de Maria, jamais poderia se envolver com qualquer tipo de pesquisa que levasse à descoberta e produção de coisas destrutivas e produtos que agredissem ao ser humano e à natureza. Se estivéssemos mais ligados à bondade infinita do Criador e se tivéssemos valorizado mais a justiça, o amor e a paz, a humanidade não estaria imersa em tanto sofrimento. Mas, como Nossa Mãe do Céu nos alerta, as pessoas estão paralisadas, anestesiadas, sem movimento.  O medo, a dúvida e o desrespeito dominam. As tão alardeadas descobertas tecnológicas, sem o compromisso com o amor, em vez de trazer facilidades e alegrias, estão produzindo um mar de lágrimas. Que insensatez!

 

“Muitas vezes você se pergunta? Por que há pessoas que têm tanta inteligência e ao mesmo tempo tanta ignorância? Porque não trabalham o lado da sabedoria, mas apenas o da ciência do fazer. Não colocam o que fazem em prática da forma correta. É por isso que os dons do Espírito Santo são uma só graça (inteligência/entendimento, ciência, sabedoria, força, conselho, temor de Deus e piedade) e não podem ser manifestados de forma independente um do outro. Se Deus nos deu a inteligência e a ciência, precisamos também da sabedoria e da força. Porque quanto mais dom você tem, mais perseguido você é. Quanto mais nobre é a sua inteligência, mais perseguido será. É por isso que precisa buscar em Deus o conselho. Não é por que tem uma inteligência enorme que você pode se achar o dono da vida. Você é o filho, a filha, Daquele que é o Dono de tudo. Você tem que estar sempre se aconselhando com Deus. Será que isto que estou fazendo é, de fato, o melhor? O que devo fazer para produzir mais paz? Não adianta produzir benefícios humanos que venham a desencadear guerras e causar tristezas, mortes e desilusões. Precisamos fazer algo que venha a recuperar o ser humano que está se matando cada vez mais. Que cada vez mais se entrega ao desespero e ao suicídio. Que se deixa levar pelas fragilidades das depressões, das tristezas profundas que estão surgindo. Você tem que ter temor de Deus, por mais nobre que seja a sua capacidade, Deus está acima dela, então respeite a Deus. Nunca se coloque como o dono de tudo ou o melhor de todos. Saiba que Deus está acima de você e que você só será justo e verdadeiro quando vivenciar essa plenitude—a consciência de que foi o Pai que criou você—que a sabedoria que você tem é a do Pai que a espelhou em cada filho e em cada filha. Em nós Ele fez a vida à sua imagem e semelhança. Passemos então para a piedade. Deus nos ensina a ter piedade, a ter compreensão, com a alma mais necessitada, com o coração mais deprimido, com as pessoas que necessitam mais de paz e oração. Ele também nos ensinou a vivenciar com grande sabedoria a busca pelo entendimento. Muitas vezes temos que nos perguntar: ‘Será que aquilo que nós desejamos é o que Deus deseja para nós?’. É preciso entender o plano de Deus. Como entender o plano de Deus hoje? Como ser temente a Deus hoje? Como colocar Deus a nossa frente para seguirmos seus passos? Como ter sabedoria para isso?”.

 

Estou trabalhando neste texto durante o mês de janeiro de 2010 e hoje, dia 20, na oração da manhã, a bíblia foi aberta justamente no segundo livro de Crônicas (34, 29-33). O texto descreve a instituição dos dez mandamentos da Lei de Deus como Lei de Estado e os benefícios que isso trouxe para todo o povo de Israel: “O rei Josias convocou todos os anciãos de Judá e Jerusalém para uma reunião. Depois subiu para o Templo do Senhor com todos os homens de Judá e todos os habitantes de Jerusalém: sacerdotes, levitas e o povo todo, adultos e crianças. Leu para eles as palavras do Livro da Aliança encontrado no Templo do Senhor. De pé, sobre o estrado, o rei fez, diante do Senhor, um pacto no qual se comprometia a seguir ao Senhor, a guardar seus mandamentos, suas ordens e seus preceitos, de todo coração e de toda a alma, e por em prática todas as palavras da aliança escritas nesse livro. Em seguida fez todos os que se encontravam em Jerusalém e em Benjamim se comprometerem com a aliança de Deus, do Deus de seu país. A partir daí, os moradores de Jerusalém começaram a agir de acordo com a Lei do Deus de seus antepassados. Josias retirou todas as abominações de todos os territórios pertencentes aos israelitas e obrigou todos os que encontrou em Israel a prestarem culto ao Senhor, seu Deus. Durante toda a vida de Josias, eles não se afastaram do Senhor, Deus de seus antepassados”. Na continuação da leitura notasse que durante o reinado de Josias foi praticada a justiça e a equidade, pois ele não se afastou da Lei de Deus, por isso, a prosperidade reinou em Israel. Isso confirma aquilo que Nossa Senhora nos passou em uma de suas mensagens: os dez mandamentos foram instituídos, não para nos fazer sofrer, mas para nos proteger da dor e da miséria. Portanto, através da disciplina recomendada por Deus, conseguimos não só melhorar nossa qualidade de vida na terra, mas, também, nos preparar melhor para a passagem desta para a outra vida.  

 

“Meus filhos, minhas filhas, é importante que cresçam no conhecimento da espiritualidade—que é a descida do Espírito Santo sobre vocês. É preciso crescer diante dessa plenitude enriquecedora que o Espírito Santo faz dentro de nós. Ele nos ensina a caminhar, a dar passos, a crescer, a multiplicar. Estamos vivenciando o ano do perdão (2009) que chega ao fim. O ano pode chegar ao fim, mas não o perdão. O perdão deve continuar, mesmo depois da passagem do ano, e fluir mais e mais. As pessoas precisam comungar esse perdão dentro de suas casas, dentro de suas famílias. O mundo precisa saber perdoar a cada hora, porque a cada segundo você é atormentado pelo demônio. O demônio tenta você de todas as maneiras e formas. Portanto, tenha sempre um coração aberto—um coração que, de fato, escute o Céu—que ouça e viva o que o Céu deseja. Sabia que Deus chamou você e que você veio atender ao chamado de Deus. É por isso que você está aqui hoje vivenciando essa unidade, essa benção, essa riqueza—uma riqueza tal que, se você ajuntar todos os seus bens materiais, não conseguirá ter a riqueza espiritual oferecida de graça por Deus, porque Ele nos ama. Além de nos dar essa riqueza, Ele também nos ensina a vivê-la, nos catequiza, e nos faz crescer diante das virtudes do Espírito Santo, na construção de uma vida mais plena de fé e de confiança—importantíssima porque o grande desequilíbrio do ser humano é devido a suas dúvidas e falta de crença verdadeira em Deus. O Céu clama pela grande graça do crescimento espiritual na terra. É preciso que os filhos e as filhas de Deus cresçam e se multipliquem em virtude desses dons. Nossa fé é o nosso esteio. É o apoio de nossa vida, de nosso coração e de nossa alma. Nunca deixe que essa fé se apague. Se ela se apagar, quem se apaga é você mesmo. Há muitas pessoas se apagando, se destruindo porque não têm a sabedoria para deixar Jesus ser o Rei de seu coração—o  Condutor de sua alma”.

 

“Nunca deixe que essa fé se apague. Se ela se apagar, quem se apaga é você mesmo”, essa frase reforça a necessidade de se acreditar, de se ter uma fé inabalável no Criador. Sem Ele nada podemos. Sabemos disso, esse conhecimento é incontestável, mas conhecer não é fazer, não é viver. Além de saber disso é preciso respirar essa verdade, é preciso conduzir cada pensamento, cada sentimento, cada palavra, cada ação de acordo com a vontade Daquele que é tudo e que está na origem de tudo. No momento em que entra a dúvida, a fé diminui e a pessoa desanima. Isso acontece porque, no momento em que duvidamos perdemos a referência da força. Como a matéria em si é apenas pó, ao duvidar de Deus, a pessoa perde o chão e se deprime. Para manter o entusiasmo, a alegria, a vontade de viver e de fazer, é importante seguir o exemplo de Jesus. “Jesus nos conduz perfeitamente. Ele é o que nos conduz à perfeição, à santidade, porque sendo tão fiel a Deus, fiel ao Pai, com seu exemplo, nos ensina também a sermos fiéis. Eu peço para vocês essa fidelidade, essa busca implacável pela fé. Mas não demorem muito, filhos e filhas, porque o tempo que temos agora é um tempo de misericórdia. Já que a misericórdia está sendo estendida sobre o mundo—mas, não o seu tempo. Temos que valorizar cada segundo que temos para ver a vida com a grandeza que o Céu nos dá. Jesus hoje nos ensinou, desde o início da mensagem que, se pararmos para refletir, tudo o que Deus nos proporcionou até esta hora do dia, nos encheremos de alegria e de felicidade. São coisas lindas que muitas vezes não percebemos, porque não percebemos a nós mesmos. Para que você perceba o valor do mundo, perceba o seu próprio valor. Foi por isso que o Céu nos fez hoje encontrar o Espírito Santo que nos faz crescer e multiplicar e vivenciar o poder de Deus Pai, de Deus Filho e de Deus Espírito Santo em nós”. 

 

Nossa Senhora abençoou a todos e continuou: “Neste momento de oração o Espírito Santo revelou o poder, a graça e a luz de vocês. Neste domingo de graças e de bênçãos, corações se unem a Deus suplicando paz, esperança e, principalmente, vida para todos. Deus é a nossa vida—é a plenitude de nossa vida. Que cada um de vocês possa, de fato, cultivar a essência desses dons extraordinários do Espírito Santo e sobre essa essência conquistar a formação espiritual que precisam ter hoje, filhos e filhas. O mundo já deveria ter uma formação espiritual, porque vocês estão vivendo os tempos finais que são tempos de sofrimento, onde surge todo tipo de dificuldades: temporais, materiais e espirituais. A pessoa que tem uma formação espiritual conseguirá vencer, mas se não tiver poderá cair diante de sofrimentos amargos—pode até mesmo cair no desespero. Que a Luz de Deus resplandeça em vocês e lhe ensine a estar verdadeiramente preparados”.         

   

 

 

 

 

 

 

Sabia que Deus chamou você e que você veio atender ao chamado de Deus. É por isso que você está aqui hoje vivenciando essa unidade, essa benção, essa riqueza—uma riqueza tal que, se você ajuntar todos os seus bens materiais, não conseguirá ter a riqueza espiritual

oferecida de graça por Deus, porque Ele nos ama.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A cura para todos os males

 

Ela me olha com serenidade e seu olhar penetra no mais fundo de meu coração. Ela me cura com seu sorriso meigo e com a mão esquerda mostra onde está a solução. Essa mão santa repousa delicadamente sobre seu seio esquerdo onde pulsa o amor eterno de Deus. Daí emana todo o alívio e desse sagrado lugar jorra um oceano de paz. Paz que nos liberta do medo e da opressão. O seu braço direito se estende na altura da cintura e na palma da mão mostra a arma mais poderosa que existe contra o mal. Essa arma é simples e sua munição, singela. É algo corriqueiro, visto com freqüência entre os dedos dos devotos de Maria. Apesar de sua aparência inócua esse instrumento tem poder!  Poder infinito contra as trevas. É o terço! Sim, enquanto Maria nos mostra seu coração com a mão esquerda, na direita carrega um terço. De fato, é tudo que precisamos para vencer o inimigo: um coração amoroso e a oração fervorosa do terço. Quando nossos dedos apertam as contas pequenas, recitamos a Ave Maria. Nas contas grandes que separam as dezenas entoamos a oração que Jesus nos ensinou: o Pai Nosso. Assim é o terço. São cinqüenta Ave Marias e cinco Pai Nossos—o bastante para derrotar o medo, a inveja, o orgulho, a raiva e o ódio, enfim, para subjugar o mal e curar todas as doenças. A Ave Maria é a invocação do anjo Gabriel á Virgem Santíssima: “Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco. Bendita sóis Vós entre as mulheres. Bendito é o fruto de Vosso ventre: Jesus!”. Quem saiu daquele ventre sagrado e se alimentou com o doce leite daqueles seios divinos? Deus! É por isso que a mão esquerda de Maria repousa sobre o seu peito. Dali jorrou a Misericórdia, o alimento que fez crescer Àquele que seria o nosso sustento e alívio para todos os nossos males: Jesus!

 

O Pai Nosso foi ensinado por Ele: “Pai Nosso que estais no Céu. Santificado seja o Vosso Nome. Venha a nós o Vosso Reino e seja feita a Vossa vontade assim na terra como no Céu. O pão nosso de cada dia nos daí hoje. Perdoai as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores. Não nos deixei cair em tentação, mas livrai-nos de todo o mal. Amém!” A Ave Maria invoca o Espírito Santo que gera o Filho em Maria. Ao rezarmos a Ave Maria, nós também, estamos permitindo que o Espírito Santo conceba em nós o Filho. Gradualmente, com as repetições dessa prece nos transformamos no único Filho de Deus: Jesus Cristo. O Pai Nosso realimenta nossas forças, nos protege dos ataques do mal e cura as feridas do corpo e da alma.

 

É Maria, a Mãe de Jesus, que nos ensina essas coisas. É Maria, a nossa inspiração, que vem até o Vale para nos mostra onde está a cura de todos—sim, de todos—os males: Deus! Ela nos diz (mensagem do dia 22 de novembro de 2009, domingo, no morro das aparições): “Só Deus entende seus filhos e filhas como são, com suas limitações e suas fraquezas. Devido a essa infinita compreensão, Ele também oferece Misericórdia Infinita. Principalmente neste ano de 2009, dedicado ao perdão, são infinitas as graças concedidas aos filhos e filhas ávidos do amor do Pai. É o perdão que nos transforma e que alivia nossas dores. Pois, onde falta o perdão, falta também a paz, e surgem as mais variadas enfermidades. É necessário abrir nosso coração e nos colocarmos na Presença de Deus. O inimigo tenta confundir, atordoar e perturbar.  Por isso, Jesus envia o Espírito Santo, que se manifesta na brisa mansa. Esse mesmo Espírito manso e humilde traz consigo a Presença de Jesus. Assim que isso acontece, Deus passa a habitar em nossas vidas. No Vale temos a proteção da Santíssima Trindade. Temos também a proteção dos Anjos que guardam cada um dos filhos e filhas que chegam ao morro das aparições em busca de consolo e cura.  Somente Deus é capaz de realizar algo tão maravilhoso como a abertura do Céu, para permitir a minha chegada. Outra maravilha é a presença de vocês que vêm aqui buscar o que é sagrado e santo”.

 

Nossa Mãezinha nos explica que quando falamos de algo santo estamos falando dos filhos e filhas de Deus. Sim, nós somos santos. “Por mais que o demônio tente atormentar e atribular o mundo, Deus é maior. A resposta de Deus para as tentações e ciladas do maligno é uma só: a paz! Jesus realiza o grande resgate do mundo. Em todos os lugares onde há a Presença, existem inúmeras conversões. Temos a volta dos filhos e filhas para Deus, que se desapegam da matéria”. Pode haver cura maior? Pessoas que antes estavam aprisionadas pelas coisas do mundo, hoje se encontram livres, nos braços do Pai. “Deus sabe o que precisamos e nos dá exatamente isso: a cura. O mundo está cercado pelo pecado”. O que é o pecado? É o afastamento Daquele que é a Fonte do Bem. Tudo o que nos afasta Dele é pecado. Pecar é ter medo. Pecar é não confiar que Ele pode tudo. Pecar é agredir os outros com pensamentos, palavras ou ações. Pecar é nos agredir e não confiar que, por pior que seja a nossa vida, Ele pode mais. Ele sempre virá em nosso socorro. Basta que peçamos. Todos que chegam ao Vale estão pedindo, e todos serão atendidos, segundo Nossa Santíssima Mãe, a Mãe da Verdade e da Eterna Sabedoria.

 

Basta que cada filho, que cada filha, cuide mais de sua alma e se desapegue das coisas do mundo. Segundo Maria, não é deixar de viver no mundo, mas viver no mundo sem deixar se dominar pela matéria. Matéria é pó—o mais sofisticado automóvel, pelo qual alguém pode matar ou morrer, um dia vai ser apenas um monte de ferro velho. Por que se apegar tanto a essas coisas que passam, que enferrujam ou apodrecem? Podem até ser usadas, mas com consciência de que sua natureza é passageira. Essa consciência é que nos desperta para o que realmente permanece: a alma. “Não tenha medo da perseguição. Tenha sabedoria e carregue a sua cruz. Quando você tem sabedoria nada lhe atinge. Mas, o ser humano tem medo de orar, porque o demônio quer ver as pessoas na tribulação. A oração é tão poderosa que, o mundo pode estar em guerra, mas, se um grupo de pessoas começa a orar, a paz ali reinará. Estamos aprendendo a vencer os ataques do demônio com a oração. Jesus deseja uma vida de oração: rosário, louvor, silêncio, jejum, fraternidade, Eucaristia. Enfim, Ele quer que você coloque sua vida nas mãos de Deus”.

Maria nos explica que temos receio de orar porque o demônio nos quer na tribulação. Quando rezamos com fé, saímos da tormenta, por pior que seja. Mas as distrações do mundo parecem chegar justamente na hora em que nos preparamos para orar, ou mesmo quando estamos em oração, somos distraídos pelos interesses mundanos.  São ciladas que nos afastam de Deus. Enquanto a oração nos aproxima de Deus, isto é, da paz, da cura e da solução para nossos problemas—as distrações nos afastam Dele e nos jogam no medo, na incerteza, no sofrimento e na dor. Mas, Nossa Mãe garante que o mundo pode estar em guerra, mas se um grupo de pessoas começa a orar, a paz volta a reinar nos corações. Por isso é tão importante aprender a vencer o demônio com a oração. Isso é exatamente o que Jesus quer: uma vida de oração. O que vem a ser uma vida de oração? Não é uma existência alienada do convívio dos outros, mas uma maior dedicação ao rosário, ao louvor, ao silêncio, ao jejum, à fraternidade, à Eucaristia. Nossa Senhora deseja que, mesmo estando, por enquanto, no mundo, tenhamos plena entrega a Deus, isto é, Ela quer que coloquemos a nossa vida nas mãos do Senhor.

 

Nada poderá tirar nossa paz se focarmos nossa atenção no crescimento da luz em nós. As perseguições estão por todo o lado, mas é preciso ter sabedoria e não permitir que o mal nos atinja. Para isso, é importante que cada um abrace a sua cruz como Jesus abraçou a Dele. Uma coisa que nos incomoda, como por exemplo, ter uma doença considerada incurável, ou ter um filho especial, pode ser, dependendo de nossa atitude, uma ponte para a nossa própria cura e salvação. Vistos com sabedoria os incômodos e as tristezas passam a nos fortalecer e não conseguem nos derrotar. Ao darmos graças pelos nossos sofrimentos estamos percorrendo o caminho ensinado por Jesus—que nos leva para os braços do Pai.

 

“Deus é tudo. Ele é a Providência tanto para aqueles que vivem no Vale como para os romeiros que aqui chegam”. Seria um contra senso distrair-se com o mundo que passa e abandonar a única coisa que pode nos conduzir a Deus: a oração. De acordo com Maria, o simples fato de chegar ao Vale é uma lapidação espiritual. As pessoas que chegam ao Vale estão se doando e isso traz a unção do Espírito Santo, que é a paz, a cura. Mas o mundo está vazio de paz. Por quê? Porque falta oração. “São poucas as pessoas que se movimentam em direção a uma vida de graça. Os que oram obtêm a proteção de Deus para não se contaminarem com as doenças espirituais: a depressão, a tristeza profunda, a falta de amor pela vida, a vontade de perseguir os outros, ou a sensação de que se está sendo perseguido. Essas são as tormentas causadas pelo demônio que aproveita a brecha da falta de oração. Onde há oração o demônio não consegue entrar”.

 

Nossa Senhora nos aconselha o jejum e a oração para que o nosso coração se abra para o Céu. O sofrimento vem da falta de oração. “A natureza está sem vida e há tempestades que destroem o que o ser humano construiu com o suor de seu rosto. Mas a maior tempestade é a que está acontecendo na vida das pessoas que estão violentando e matando seus irmãos. Jesus deu o exemplo, mas a humanidade não o seguiu. A catequese de Jesus mostra o poder do Espírito Santo. A restauração da luz é feita na vida de cada pessoa que ora através do Espírito Santo que aquece tanto quanto o sol de uma tarde de verão. Mesmo assim, muitos se vêm sem saída. Mas a unção do Santo Espírito encontra soluções para o que parece não ter mais jeito. Isso acontece apenas quando, com fé, nos colocamos nas mãos da Providência. Pais e mães choram pelos filhos, e os filhos choram pela ausência de família. Mas há crianças orando para que seus pais se despertem. Esse despertar está acontecendo aqui no Vale onde percebemos o valor da Sagrada Família. São José, Eu, Maria, e Jesus somos a luz para as famílias do mundo. É preciso conhecer a Sagrada Família para aprendermos qual é nossa missão como pais e filhos. Mas o mundo ainda não sabe qual é a missão de cada um, pois ainda não foi catequizado. Catequese é o conhecimento da Palavra e a vivência do Evangelho, através do qual poderemos ter famílias santas e uma igreja santa. É preciso que você restaure a sua santidade para que possa vencer as doenças e libertar-se dos males que afligem a humanidade”.

 

Restaurar a nossa santidade é ser fiel à Misericórdia Divina, isto é, saber dar e pedir o perdão. Assim poderemos contar com a Misericórdia de Jesus—a água e o sangue que jorram de Seu Divino Coração.  Estar em oração é deixar se cobrir por esse precioso sangue, a nossa maior proteção. Confie no sangue de Cristo e conseguirá vencer os ataques do mal.  É a Sua própria Mãe que nos convida a fazer parte do apostolado da Misericórdia que foi passado diretamente de Jesus a Santa Faustina. Misericórdia representa cura para os males do coração e da alma. É Ela que pode curar a revolta, a falta de confiança e a falta de fé. No sangue do Cordeiro, de acordo com Maria Santíssima, encontramos a paz. É preciso invocar esse sangue para que nos ajude em qualquer tribulação. Isso deve ser feito agora. Não há mais tempo a perder, pois ninguém sabe quando chegará a sua hora. A coisa mais triste que pode acontecer é a pessoa ser colhida sem estar preparada. Não levar uma vida de oração significa não estar preparado, portanto a atitude mais sábia que pode ser tomada agora é a entrega absoluta a Deus.

 

No dia anterior a essa mensagem, no sábado a noite, uma pessoa se aproximou e me disse que teve uma visão do próximo livro sobre o Vale. Ela disse que via uma letra “D” maiúsculo no título e que a obra tratava de oração e cura de doenças. Hoje, segunda feira, dia 23 de novembro de 2009, ás 8h00 da manhã subi ao morro das aparições e rezei o rosário em frente à imagem de Nossa Senhora. Maria então me tocou o coração. Disse que começasse a escrever sobre a mensagem de domingo que trata justamente da aproximação a Deus como a única fonte de cura e libertação.

 

Depois da mensagem, Marilda nos disse que precisamos assumir nossa responsabilidade diante da situação do mundo. “As doenças e o sofrimento que vivemos hoje são resultado da falta de oração. É preciso nos mover pela espiritualidade para que possamos receber os milagres que Deus tem reservados para nós. Antes do aparecimento de Jesus, veio o Espírito Santo—foi Ele que fecundou Maria com o Verbo Encarnado. Por isso, é importante que invoquemos primeiro ao Espírito Santo”. Nas aparições, antes que Nossa Senhora se faça presente, vem o Espírito Santo. Ele vem na brisa mansa e depois Marilda vê o Sol e de dentro Dele surge Maria Santíssima.

 

Marilda nos alerta para a necessidade de oração. “Precisamos da proteção que somente vem através da súplica contínua”. Ela sugeriu que façamos uso freqüente da oração a São Miguel Arcanjo:

 

São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate! Sede o nosso refúgio contra as maldades e ciladas do demônio. Exerça Deus sobre ele império—como insistentemente o pedimos. E vós príncipe da milícia celeste, pelo divino poder, precipitai no inferno a satanás e a todos os espíritos malignos que anda pelo mundo para perder as almas. Amém!

 

“O demônio nem sempre vem como um dragão raivoso, mas, sim, como uma pessoa mansa que nos ilude e nos provoca, até que estejamos envolvidos em um clima de guerra com todos e com tudo. É fundamental abrir um espaço para a oração, pois o sofrimento atinge a todos e a proteção está em Deus. Além de orar, é importante fazer jejum e receber a Eucaristia com freqüência. Uma forma de jejum é o das palavras—é fazer silêncio, é deixar de jogar pedras nos outros. A tentação do demônio é grande, principalmente para que falemos mal dos outros, pois isso atiça o nosso orgulho e a nossa sensação de que somos melhores. Mas Nossa Senhora nos prepara para o silêncio, para o perdão contínuo e para a união. Estamos aqui no Vale de mãos dadas, pois só assim conseguiremos vencer as batalhas do dia-a-dia”.

 

As lições no Vale são inúmeras. Marilda relatou que, uma vez, uma moça de Lavras recusou-se a comer a comida da cozinha comunitária, pois estava com nojo. Ao retornar à sua casa não tinha mais vontade de comer nada. Depois de alguns dias, Nossa Senhora apareceu para ela em sonho e lhe ofereceu um prato de comida do Vale e lhe disse que comece. Ela então retornou ao Vale e comeu do alimento comunitário e só assim voltou a ter apetite. Somente a entrega a Deus pode nos trazer prosperidade. É inútil apegar-se aos projetos da terra, pois talvez não tenhamos mais tempo de desfrutar deles. Mas quando nos lançamos nas mãos de Deus recebemos de tudo com abundância. Não existe abundância maior do que a da paz que faz brotar a felicidade e o bem-estar em nós. De fato, a maior riqueza é a espiritual. Somente ela pode nos proporcionar saúde plena. Você já observou uma pessoa rica de bens materiais, mas doente na alma e no corpo? É um quadro triste, pois quanto mais ela busca as soluções do mundo, mais doente fica. Chega ao desespero e muitos morrem nessa situação de abandono, simplesmente porque se recusaram a pegar nas mãos Daquele que sempre esteve ao lado delas: Deus!

 

Chuvas torrenciais destroem tudo no sul do Brasil, levam não apenas os bens materiais, mas também, famílias inteiras. Mesmo os que não morrem, perdem o desejo de continuar vivendo. Isso prova que o apego à matéria não é garantia de nada. Somente a paz de Deus pode trazer a felicidade. Devemos orar pelas pessoas que estão sofrendo devido ás catástrofes naturais. É preciso viver uma vida de mais discernimento. Marilda garante “O demônio existe e Maria é a nossa proteção. Deus é maior que o demônio e a ferida na carne não é mais forte do que a força da alma que se aproxima do Senhor. É preciso ter confiança em Deus e ter coragem para seguir adiante com a certeza da vitória do bem sobre o mal. Nossa Senhora me ensinou a viver o dia de hoje como se fosse o único. Somente assim podemos ter tranqüilidade. Nossa Senhora construiu a comunidade do Vale e desde os 12 anos caminho em paz, nunca deixei de viver a minha própria vida. Minha entrega a missão que Deus me passou é total, mas nem por isso deixo de fazer coisas que também são valorizadas no mundo como estudar e casar-me. Formei-me em administração e fiz pós-graduação em desenvolvimento humano. Só neste ano de 2009 já 30 viagens de evangelização no Brasil e fui até ao Paraguai. Aprendi com Maria a  entregar-me à Providência. Este ano, enquanto o mundo passava por crises e escassez, o Vale teve fartura de tudo. Para se ter uma idéia do gasto com alimentação na comunidade, aqui são consumidos 20 quilos de arroz por dia”.

 

Marilda tem plena consciência de que sozinhos não conseguimos nada, mas com o poder divino, tudo é possível. Além de alimentar e acolher os moradores do Vale, a comunidade também recebe e alimenta gratuitamente os romeiros que chegam aos fins de semana. “Maria nos ensinou a partilha e tudo que o Vale ganha também reparte com as populações carentes do município de Piedade dos Gerais. O Vale se prepara para a segunda vinda de Jesus e trabalha para a construção de um mundo melhor. É importante que mesmo aqueles que não moram no Vale aprendam a dedicar-se mais a Deus, oferecendo-lhe, pelo menos, o domingo, dia que deve ser aproveitado para a oração e para a visitação daqueles que sofrem nos hospitais e nas prisões. Aquilo que pudermos fazer pelos nossos irmãos retornará sempre multiplicado em forma de bênçãos sobre bênçãos. Se dermos um passo em direção a Deus, Ele dará dez em nossa direção”.

 

 

 

 

 

A restauração da luz é feita na vida de cada pessoa que ora através do Espírito Santo que aquece tanto quanto o sol de uma tarde de verão. Mesmo assim, muitos se vêm sem saída. Mas a unção do Santo Espírito encontra soluções para o que parece não ter mais jeito. Isso acontece apenas quando, com fé, nos colocamos nas mãos da Providência.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Luz que não cansa de curar

 

“Sinto em meu coração uma grande alegria de poder estar com vocês no início deste dia de Natal imersos na verdadeira espiritualidade. Vamos suplicar pelas famílias em todo o mundo. Jesus nasceu para salvar as famílias. Ele nos convida a ter uma alma serena, humilde e sábia—onde Ele possa habitar. Todo Natal é especial e a cada ano que passa você percebe o seu crescimento, a sua transformação, desde a época em que era uma criança, passando pela juventude e idade adulta até chegar à maturidade. Mas, o Natal não muda. É uma oportunidade para meditarmos sobre algo maravilhoso: a permanência em nossa memória do Cristo sempre menino, que vem para iluminar o mundo, trazendo solidariedade, convidando a todos que se dêem as mãos, que partilhem a vida, que comunguem o amor e que tenha uma esperança maior. Deus nos ilumina. Este último mês do ano serve de luz para o próximo, que é o primeiro mês de 2010. Jesus nos traz algo sublime que é esse desejo intenso que habita o coração das crianças por algo doce. Algo doce desejando algo, também doce. A criança vê seu lar resplandecer com a Luz Divina. Natal é o dia em que as pessoas podem experimentar a união com o Céu”.

 

Era o meu segundo Natal no Vale. Às doze horas e quinze minutos do dia 25 de dezembro de 2009, Ela apareceu com força na capela grande do Vale. Eu estremeci. A visita de Maria é algo que jamais vou considerar como algo corriqueiro. A Presença do Céu na terra não é um acontecimento ordinário, mas extraordinário, que jamais irá deixar de balançar meu coração. Enquanto Ela fala a caneta desliza ligeira sobre o papel. O som chega aos meus ouvidos, o sentido das palavras inunda meu coração, que ordena ao cérebro: “traduza essa avalanche de emoções em palavras”. O cérebro, por sua vez, ordena à minha mão: “escreva!”. “O ser humano vive apenas para a matéria. Algo, como o Natal, que poderia ser muito mais, preencher muito mais, não é vivido com a intensidade que merece porque as pessoas estão caídas nos vícios e nos pecados—não se lembram que Jesus quer nascer dentro delas. Sim, Jesus deseja nascer no coração de cada um de vocês. Eu me sentiria mais feliz se a humanidade celebrasse apenas um banquete. O único e grande banquete que é o Cordeiro de Deus, pois a humanidade precisa de paz. Senti as lágrimas, o desânimo e a necessidade de paz nas famílias. Não se vê no mundo alegria, porque muitas coisas impedem as pessoas de se fortalecerem. Peça a Jesus que ilumine os lares, as famílias, os jovens, a todo o povo de Deus e a todos os países. Lute, pois nada pode separar você de Deus. Nada pode levá-lo a perder o brilho da vida. O brilho é ser servidor. Jesus deu o coração Dele para o mundo—e o mundo lhe deu a cruz, que são os pecados da humanidade. Ele aceitou o que o mundo lhe deu. A princípio disse ‘afastai de mim esse cálice’, mas depois pediu ‘faça-se a Tua vontade e não a minha’”.

 

O brilho da vida consiste na disposição de servir ao nosso próximo, como Jesus se dispôs a nos servir com a sua própria vida. Quanto maior a nossa entrega, maior também será a Presença da Luz em nossa existência. É isso que Nossa Senhora deseja que ocorra agora e sempre. Como estamos inseridos em um contexto de tempo e espaço—Ela aproveita essa nossa limitação para romper nossos limites. Ao comemorarmos o nascimento de Cristo, Maria deseja que aproveitemos o momento para refletir sobre o mistério que é a entrega de Jesus. Justamente no momento mais feliz, Ela nos lembra do mais triste. Por que será que Nossa Senhora fez isso? Maria deseja nos retirar do egoísmo—desse foco constante em nosso próprio bem-estar—para nos lançar mais adiante e mostrar-nos o caminho da libertação: as pegadas de Jesus. Os primeiros passos do Salvador são dados no Natal, passam pela Quaresma e pela Paixão para poder chegar à gloria da Ressurreição. Esse foco ilimitado e transcendental no servir como propósito único da existência, fica claro quando visto dessa perspectiva onde passado e futuro se unem em um presente único. Como Jesus vive apenas no presente—sua vida é uma coisa só—não importa que fase estejamos contemplando seja Natal, Quaresma, Paixão ou Ressurreição. Como Nossa Senhora nos ensina morte é vida e, inversamente, vida é morte. No caso do Natal, o nascimento de Jesus, isto é, o início de sua vida na terra, é o começo de sua morte na cruz, que, por sua vez, significou vida—vida eterna para todos. Por isso, para a Mãe Santíssima não é possível refletir sobre a alegria do Natal sem mencionar a também alegria da Paixão. De fato, Ela já nos garantiu que o momento mais feliz de sua vida e da de Jesus foi o da Paixão—que possibilitou a realização do projeto de Deus na vida de ambos. Foi justamente através de seu sacrifício que Jesus instituiu a Eucaristia, podendo assim, objetivamente, se entregar como alimento eterno. Deus nasceu e morreu como a sua própria criatura para poder entrar efetivamente no coração de cada um de nós.

 

Raniero Cantalamessa, autor da obra Morte minha irmã (Editora Santuário, 1992), diz que viver é morrer. Essa perspectiva coincide com a abordagem de Nossa Senhora para o Natal, quando Jesus nasce e, ao mesmo tempo, inicia sua jornada rumo à morte. Viver para morrer é a forma mais sábia de viver. Isso significa que a morte não é o fim, mas a finalidade última da vida que, no final, vai se transformar de fugaz em eterna. De acordo com Cantalamessa, Jesus, sendo Deus, tomou uma carne mortal para poder com ela lutar contra a morte e vencê-la. Portanto, o Natal significa o inicio do triunfo sobre a morte. De fato, Cristo matou a morte que matava o ser humano.  A vinda de Cristo possibilitou a São Paulo fazer a seguinte pergunta: “Onde está, ó morte, a sua vitória? Onde está, ó morte, o seu ferrão?” (1 Cor 15, 55). Cantalamessa afirma que, com o nascimento e morte de Cristo, foram derrubados os três muros que nos separavam de Deus: o da natureza, o do pecado e o da morte. A encarnação une a natureza humana à divina (é o Natal), derrubando a distância que separava as duas. O muro do pecado foi demolido pela morte na cruz e o da morte, pela ressurreição. São Paulo sintetiza o que significa a chegada de Cristo em nós da seguinte forma: “De fato, nenhum de nós vive para si mesmo, e nenhum de nós morre para si mesmo. Pois, se vivemos, é para o Senhor que vivemos. Se morremos, é para o Senhor que morremos. Quer vivamos, quer morramos, pertencemos a Nosso Senhor” (Rm 14, 7-8). Quando Jesus falou a Marta, é a todos que Ele se dirige: “Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, mesmo que tenha morrido, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá nunca. Você acredita nisso?” (Jo 11, 25-26). Portanto, Jesus nasceu para retirar o poder que a morte tinha sobre a humanidade. De acordo com São Paulo, Jesus assumiu carne e sangue como nós, “para destruir, por sua morte, aquele que tem o poder da morte, isto é, o diabo, e para libertar todos os que, durante toda a sua vida, estavam mantidos em escravidão pelo medo da morte” (Hb 2, 14-15).

 

Nossa Senhora nos garante que esta vida, quando vivida apenas para o mundo, não passa de uma ilusão. “Você vive em um mundo de ilusões e se não se alertar ele pode levá-lo a perder a sua felicidade. O ser humano está vivendo como uma máquina e não como filho de Deus. As pessoas estão sem coragem, cercadas de tribulações, porque se trancaram dentro do orgulho. Mas podemos aprender a ser filhos de Deus e a vivenciar a Presença do Cristo como o grande perdão de nossa vida. Jesus é o único capaz de fazer do velho, o novo. É o instrumento que deu a vida para salvar os corações necessitados de luz. Morreu por você e o nascimento Dele nos desperta para o grande mistério que é a vida. Vemos Jesus como o Menino Deus em uma simples manjedoura. Esse foi o sinal que Deus enviou para multiplicar as virtudes. Resgate os valores de Cristo: o amor, a paz, o perdão, a família, a fraternidade, a humildade, a bondade e a misericórdia. Poderemos ficar aqui o dia todo enumerando as virtudes de Jesus, pois os prodígios de Cristo são infinitos. Precisamos ser um pouco desse raio de Luz que é Cristo. A grande virtude da vida é ser santo, que não é algo fácil, mas, também não é impossível. Reflita sobre a sua santidade, sobre a sua busca para santificar o seu ser. O mundo precisa procurar mais pela santidade e buscar a Luz que possui e que valoriza tão pouco. O cristão que realmente tem espiritualidade sabe como viver o Natal. Quando se crê no que Cristo faz, tudo o que fazemos, realizamos com plena consciência de que é Cristo que faz em nós. Jesus ama você e o maior presente que Deus lhe deu foi Seu Filho Jesus. O Natal é mais do que festa. É dia de adoração e amor esplêndido a Jesus. Imagine, se Jesus for retirado de sua vida o que fica?”.

 

Como era a vida no mundo antes de Jesus? Era uma vida de escravidão, devido ao constante medo da morte. “Curta e triste é a nossa vida; não há remédio quando se chega ao fim, pois não se conhece ninguém que tenha voltado da morada dos mortos. Por acaso nascemos, e depois seremos como se não tivéssemos existido. Nossa respiração é fumaça, e o pensamento é uma faísca produzida pelo pulsar do coração. Quando a faísca se apaga, o corpo se transforma em cinza e o espírito se espalha como ar sem consistência. Com o tempo, nosso nome fica esquecido, e ninguém mais se lembra do que fizemos. Nossa vida passa como rastro de nuvem, e se dissipa como neblina expulsa pelos raios do sol e dissolvida pelo seu calor. Nossa vida é uma sombra que passa, e depois de morrer não voltamos. Colocado o lacre, ninguém mais poderá retornar (Sb 2, 1-5). Essa falta de perspectiva mostrada no livro da Sabedoria retrata o que seria a vida sem a vinda de Jesus. Por isso, Nossa Senhora nos fez essa pergunta: “Imagine, se Jesus for retirado de sua vida o que fica?”

 

“Você não tem como se direcionar ao Espírito Santo e a Deus Pais sem Jesus. Faça agora um silêncio de adoração ao Menino Jesus. Vamos colocar o Menino Jesus no centro da capela e cada um vai adorar a Jesus e pedir o grande presente que é a paz”. Após esse pedido de Nossa Senhora, Ela parou de falar, e fez-se silêncio por aproximadamente um minuto e Ela, então, nos abençoou. Depois da benção resumiu a mensagem com as seguintes palavras: “Jesus nos mostra a Presença Magnífica de Deus em nós. Isso é Natal. O quem vem a ser o Natal? É simples. O Natal é o amor de Deus por todos os filhos e filhas. É a Presença do Deus Vivo no meio de nós. No Natal vocês não meditam Jesus carregando a cruz, mas o Menino Jesus naquela manjedoura, Jesus nascendo em todos os lares. A cada ano que passa você se transforma e envelhece. Nos seus aniversários você vivencia o seu crescimento, mas no Natal você vivencia o Novo. Depois vai meditar a Quaresma, Jesus, Deus-Homem se preparando para morrer na cruz. E na Páscoa, é o Deus-Homem subindo ao Céu, porque Deus é Deus. Abrace esse Menino Jesus e peça pelo Brasil e pelo mundo. A tristeza vai crescer, mas a nossa maior alegria é que Deus jamais nos abandona. O grande banquete que vocês estão recebendo no amanhecer deste dia de Natal é este, a Palavra de Deus. Porque não existe banquete melhor do que a Palavra de Deus. Que o amor de Deus seja a nossa Luz e o Menino Jesus a nossa Salvação”. Ao todo Nossa Senhora falou por vinte e cinco minutos.

 

Marilda nos disse que Ela estava com o semblante alegre e que vestia um manto azul. Ela só aparece com esse manto azul no Natal. Mas, quando Marilda esteve no Paraguai, neste mesmo ano, relatou que Nossa Senhora também vestia, lá, um manto azul. Durante todos os demais dias do ano, Ela aparece toda de branco. Às doze horas e vinte cinco minutos do dia de Natal, na capela grande, Nossa Senhora apareceu, novamente: “É grande a alegria de todos nós em vivenciarmos essa festa de Natal que é a Presença Viva de Cristo em nós. Vamos meditar sobre o amor. Quem ama é feliz. Quem ama sabe perdoar. Quem ama se conscientiza da fonte de felicidade que é Jesus. Natal significa algo maravilhoso: Vida. Viver é compreender porque as mãos se movimentam, os pés andam e o coração se abre. A maior pobreza, porém, é espiritual—é a falta de amor. Viver com falta de amor, como a maioria está vivendo, é viver na pobreza. Mas, o Natal resgata a Luz do Espírito Santo que é a Presença do Menino Jesus em nosso coração. Ele traz a graça da transformação de nossa alma. O verdadeiro Natal é ter humildade, ter simplicidade, ter um coração generoso, doador, que saiba partilhar. Muitos são os chamados, poucos os escolhidos. Não é o Senhor quem escolhe, mas as pessoas que dizem o seu ‘sim’ para o chamado de Deus. Estamos aqui para batalhar por um mundo melhor. Precisamos pensar mais na graça do Espírito Santo em cada coração do que nos avanços tecnológicos. Veja Jesus em cada pessoa que precisa de Jesus. Quem não precisa de Jesus?”.

 

Naquela noite Maria tinha nos perguntado o que seria de nossa vida sem Jesus. Durante o dia, retornou ao tema, com uma pergunta ligeiramente diferente: “Quem não precisa de Jesus?”. Reforça a necessidade de Jesus, que é o Caminho para o Pai: “Tenha esse encontro com Jesus que lhe conduzirá ao Pai. Viva para abrir seu coração para a Luz do Espírito Santo e reflita sobra a fonte inesgotável que é o próprio amor. Estejam abertos para vivenciar o amor, principalmente, na família, que é a essência maior do Natal. Desejo que o Menino Jesus esteja em todos os lares, conduzindo, abençoando e protegendo”. Assim como à noite, também de dia, Nossa Senhora se apresentou com um semblante alegre. Marilda fez alguns comentários: “O amor que sentimos neste dia de Natal reflete o amor de Deus que é Providência. Por isso, vivemos no Vale tanta abundância. Na mensagem da noite, Nossa Senhora nos mostrou um Jesus Menino e nos disse que, nesta caminhada com Ela estamos desenvolvendo a capacidade de ver com os olhos do coração. Neste Natal o Vale recebeu muitas doações, almoço especial com sorvete de sobremesa e muitos presentes para as crianças, não só para o Vale, mas também para os meninos e meninas pobres da vizinhança. Tudo acontece pela Providência”. De fato, naquele dia tivemos um almoço delicioso compartilhado com mais de cem crianças. Foi um momento iluminado. Muitas pessoas, romeiros e residentes, se aproximaram de mim para dizer que aquele Natal tinha sido o melhor de suas vidas. Assim é a vida no Vale, tudo que acontece aqui, nesta humildade infinita, tem também um infinito sabor de Céu.

 

 

 

 

 

Você não tem como se direcionar ao Espírito Santo e a Deus Pais sem Jesus. Faça agora um silêncio de adoração ao Menino Jesus. Vamos colocar o Menino Jesus no centro da capela e cada um vai

 adorar a Jesus e pedir o grande presente que é a paz.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alegria e tristeza

 

“No silêncio deste dia (26 de dezembro de 2009—sábado à tarde—13h15)—depois de termos vivenciado tantas coisas lindas, que surgem da Presença Viva de Jesus em nós—devemos dedicá-lo para adorar e agradecer ao Senhor. Há muito para agradecer neste Natal, principalmente a paz. Essa paz entrou em nossas famílias e nos fez vivenciar a benção do Menino Jesus, que é a verdadeira paz. Com essa Divina Presença nosso coração se faz instrumento de amor e se preenche com mais serenidade e mais humildade. Jesus quer que sejamos Luz e espalhemos igualdade, justiça e perdão no mundo e levemos sua paz para onde formos. A angústia, a revolta, o ciúme, a mentira estão aumentando no coração das pessoas, por isso precisamos da paz que vem de dentro. Muitos acham que ter paz é ter mais coisas, mas paz é algo que vem de dentro e não de fora. O ser humano é também um ser espiritual e aqui experimentamos a descida do Espírito Santo. Neste momento devemos pedir que Ele nos transforme em instrumentos que alcancem a libertação. O maior exorcista é Jesus que sabe como vencer todas as armadilhas do demônio. Vocês que moram aqui no Vale são vitoriosos porque Jesus lhes ensina como vencer as críticas e os ataques. Você nasce com uma mancha horrorosa que é o pecado, que vem do berço. Mas Jesus nos leva à purificação. As pessoas reconhecem facilmente suas fraquezas, mas devem também reconhecer sua fortaleza, que é a Presença de Deus em cada um de nós. Somos uma família, somos uma comunhão, somos uma união. Estamos conscientes da luta que deve ser travada para vencermos os espinhos. Busque fortalecer a sua fé pela contemplação do que aconteceu neste Natal, quando a Providência e o Amor de Deus chegaram até aqui com alimento para o espírito e alegria para a alma. Poucos param para refletir após o Natal, mas aqui estamos nós, juntos nesta capela para meditar sobre as bênçãos recebidas nesta época do ano. Por mais que as coisas passem, fica sempre o perfume da paz de Deus—a graça do Amor de Deus. O Natal é a alegria de Jesus, mas desde o momento de seu nascimento Ele sabia que tinha também que entregar sua vida, porque Ele veio para salvar. Por isso, no Natal temos um sentimento ambivalente de alegria e tristeza. O lado alegre é que posso estar presente aqui com vocês. O lado triste é que se o mundo tivesse seguido os passos de Jesus, Eu não precisaria estar aqui. Portanto, neste momento Eu sinto alegria e tristeza”.

 

“As pessoas reconhecem facilmente suas fraquezas, mas devem também reconhecer sua fortaleza, que é a Presença de Deus em cada um de nós”. Nossa Mãe Maria nos lembra sempre que, mais importante que nossa fraqueza, isto é, nossa tendência ao pecado, é a Força Divina em nós. As coisas podem até passar rápido, como passou o ano, mas “fica sempre o perfume da paz de Deus—a graça do Amor de Deus”.  Sua mensagem é de um otimismo extraordinário. Mesmo vendo que a angústia, a revolta, o ciúme e a mentira estão aumentando no coração das pessoas, Nossa Divina Mãe nos estimula a cultivar a igualdade, a justiça e o perdão para podermos levar a paz de Jesus para o mundo.  Tudo se consegue pela fé, que ficou definitivamente fortalecida pelos frutos colhidos pelo Vale. Nossas orações foram atendidas e a comunidade agiu como uma família, uma comunhão, uma união. A sinceridade de Maria é enorme quando diz que tem um sentimento ambivalente de alegria e de tristeza ao visitar-nos. Como Mãe, Maria gosta de estar junto dos filhos e filhas. Ela já declarou que considera uma enorme graça o fato de poder vir do Céu para nos visitar de corpo e alma. Por outro lado, confessa que fica triste também, pois se tivéssemos seguido o caminho proposto por Jesus, essas visitas seriam desnecessárias. Essa declaração nos mostra claramente a transcendental importância de seguirmos à risca o ensinamento deixado por Jesus nos Evangelhos.

 

Maria começou sua mensagem enfatizando a necessidade da adoração e do agradecimento constantes, pois tudo é graça. A maior benção que recebemos no Vale é a presença Dela no meio de nós. Já na oração da manhã Ela se manifesta através da leitura escolhida. Naquele dia, Erik, meu filho de nove anos, estava comigo durante a súplica matutina. Ele foi convidado para escolher a leitura do dia e abriu a bíblia ao acaso no Salmo 104, Hino ao Senhor da vida, que antecipou o pedido de Maria para estarmos em constante estado de gratidão com Nosso Pai do Céu:

 

“Bendiga ao Senhor, ó minha alma! Senhor, meu Deus, com és grande! Vestido de esplendor e majestade, envolto em luz como num manto, estendendo os céus como tenda, construindo tua morada sobre as águas. Tomando as nuvens como teu carro, caminhando sobre as asas do vento. Tu fazes dos ventos os teus mensageiros, e das chamas de fogo os teus ministros! Assentaste a terra sobre suas bases, inabalável para sempre e eternamente. Cobriste a terra com o manto do oceano, e as águas pousaram por cima das montanhas. Diante de tua ameaça, porém, elas fugiram, precipitaram-se, ao fragor de teu trovão. Subiram pelos montes, desceram pelos vales, para o lugar que tinhas fixado para elas. Marcaste um limite que elas não podem transpor, e não voltarão a cobrir a terra. Tu fazes brotar fontes de água pelos vales, e elas correm por entre as montanhas. Dão de beber a todas as feras do campo, e os asnos selvagens aí matam a sede. Junto a elas se abrigam as aves do céu, desferindo seu canto por entre a folhagem. De tuas altas moradas regas os montes, e a terra se sacia com tua obra fecunda. Tu fazes brotar relva para o rebanho, e plantas úteis para o homem. Dos campos ele tira o pão, e o vinho que alegra seu coração; o azeite, que dá brilho a seu rosto, e o alimento, que lhe dá forças. As árvores do Senhor se saciam, os cedros do Líbano que ele plantou. Aí se aninham os pássaros, no seu topo a cegonha tem sua casa. As altas montanhas são para as cabras, e os rochedos um refúgio para as ratazanas. Tu fizeste a lua para marcar os tempos, o sol conhece o seu próprio ocaso. Mandas as trevas e vem a noite, e nela rondam as feras da selva; rugem os leõzinhos em busca da presa, pedindo a Deus o sustento. Na nascer do sol se retiram e se entocam nos seus covis. O homem sai para sua faina, e para o seu trabalho até à tarde. Como são numerosas as tuas obras, Senhor! A todas fizeste com sabedoria. A terra está repleta das tuas criaturas. Eis o vasto mar, com braços imensos, onde movem, inumeráveis animais pequenos e grandes. Aí circulam os navios, e o Leviatã, que formaste para com eles brincares. Todos eles esperam de ti que a seu tempo lhes atires o alimento: tu o atiras e eles o recolhem, abres tua mão, e se saciam de bens. Escondes tua face e eles se apavoram, retiras deles a respiração, e expiram, voltando a ser pó. Envias o teu sopro e eles são criados, e assim renovas a face da terra. Que a glória do Senhor seja para sempre; que ele se alegre com suas obras! Ele olha a terra e ela estremece, toca as montanhas e elas fumegam. Vou cantar para o Senhor, enquanto eu viver, louvarei o meu Deus, enquanto eu existir. Que o meu poema lhe seja agradável, e eu me alegrarei com o Senhor. Que os pecadores desapareçam da terra, e os injustos nunca mais existam. Bendiga ao Senhor, ó minha alma! Aleluia!”.

 

Na mensagem de sábado à noite (26 de dezembro de 2009) Nossa Senhora nos disse: “Você se pergunta por que estou sempre a ensinar essas lições. A resposta é simples: porque vocês ainda não têm a entrega necessária. Meditamos com freqüência sobre o mistério da vida e da morte. Mas ao procurarmos viver isso na realidade é que nos damos conta de que ainda temos muito que aprender. É preciso procurar, renunciar, buscar mais e acreditar, para conseguir viver o que eu ensino. Tenho certeza que as pessoas que estão aqui, vieram até o Vale por um chamado de Deus. Mas Jesus não invade o coração de ninguém, todos que organizaram a festa de Natal o fizeram de coração, com entrega, com confiança e com paz. Por isso, quando for ajudar alguém é preciso que a pessoa queira ser ajudada. É importante se perguntar: ‘Será que essa alma realmente quer ser salva?’. O demônio tenta destruir os lugares de oração. Tenta destruir os padres, o Papa, todos que se dedicam a amar a Deus são atacados. Esteja consciente de que você está em missão de aprendizado. Por maior que seja seu conhecimento, você ainda está aprendendo. O que Eu ensino vocês ainda não aprenderam a colocar em prática, isto é: doação total, silêncio e ajuda a quem deseja. É preciso tomar cuidado com a ira do mal, com o veneno do mal. A comunidade precisa se proteger diante do que tem, crescer e multiplicar. Aprenda a entender o plano de Deus, que já não mais traz aqui tanta gente quanto antes. Ele mostra que a missão é vivenciar os frutos e cultivar as virtudes para viver o que Ele pede. Aqui é um lugar onde Deus está presente e o ideal é ouvir o Céu e receber a benção do Céu. Jesus não precisa de uma multidão, mas de homens e mulheres fiéis. Tenham mais solidariedade e amor uns com os outros e se preocupem em curar a alma de vocês, o coração de vocês. Para ajudar os outros é preciso se curar primeiro. Primeiro se cure para depois lançar a rede e curar os outros. Jesus nos ensina que precisamos de cura e libertação e que para salvar alguém é preciso se doar e confiar plenamente no poder de Deus”.

 

Na tarde anterior a essa mensagem, uma romeira me solicitou que orasse por ela.  Marquei que viesse até minha casa às quatro horas da tarde, depois do terço da Misericórdia. Esse é um horário que, além de conveniente—porque separo minhas manhãs para escrever—é também recomendável, pois contamos com a proteção do terço recém rezado na capelinha. Pedi que ela se recostasse na cama e assim que iniciamos a oração me disse que estava sentindo um cheiro horrível de arruda e alecrim que queimava suas narinas. Era um cheiro de centro de umbanda.  Enquanto se retorcia e fazia caretas relatou-me que foi tomada por uma escuridão imensa e que sentia alguma coisa puxando suas pernas para baixo em direção a um buraco escuro. Nesse buraco via um monte de cabeças com chifres e rabo preto. Era um lugar onde predominava o preto e o vermelho do fogo. Via um monte de bichos pretos e vermelhos com chifres. Disse: “São as trevas!”. A medida que se contorcia me falava que seu corpo estava doendo e que precisava sair daquele lugar. Culpava uma pessoa—uma mulher chefe de terreiro de macumba—que tinha feito trabalhos para arruinar a sua vida e que desejava colocá-la em uma gaveta escura e deixá-la por lá. Mas quando estava se dirigindo para o fundo do poço viu uma luz no fim do túnel e um homem de branco que lhe estendia a mão. Assim que viu esse homem, a mulher que a perseguia puxou-a novamente para o buraco, pois não desejava que ela visse a luz. Só via paredes negras naquele buraco e não conseguia mais se mexer. Implorava para que eu a tirasse dali.

 

Essa mulher estava de olhos fechados e foi atacada por essa visão do inferno. Sugeri então que repetisse comigo a oração da Ave Maria. Repetíamos a súplica insistentemente e, mesmo assim, ela continuava com visões que se alternavam entre o fogo do inferno e um frio glacial. Às vezes sentia muito calor devido ao fogo, outras vezes tilintava de frio. O que ela vivia no seu interior se mostrava graficamente pelas suas feições de medo e contrações corporais—indicando claramente que seu sofrimento era intenso. Embora nada estivesse fisicamente ocorrendo com ela, os ataques espirituais eram tão reais que lhe infligiam imensa dor—de tanta intensidade ou maior do que se o corpo dela estivesse sendo realmente agredido. Para mim era um quadro triste, mas eu sabia que aquilo passaria logo. Intensifiquei a oração e pedi a alguns amigos que estavam na sala que também intercedessem com oração continua. Eu estava com um terço na mão e o crucifixo na testa dela. Ela então vociferou—como se já não mais fosse a mulher—mas algo que falava através dela: “tira isso daqui, que está me queimando”. A reação foi a mesma quando aspergi seu corpo com água benta e quando passei sal exorcizado em sua boca e ungi sua testa com óleo abençoado. Tudo parecia queimar a coisa que tinha se incorporado nela. Depois disso, ela me disse que saiam cobras de seu corpo e que a maior delas estava saindo do meio de seu tórax. Quando mencionei que era Nossa Senhora que estava esmagando a cabeça da serpente ela disse que odiava o perfume daquele calcanhar.

 

Eu tinha iniciado a oração pensando que seria como as outras, em que a pessoa relaxava e sentia alívio. Muitas vezes antes eu tinha orado para pessoas que conseguiam se elevar a regiões angelicais. No caso dessa mulher tinha sido o contrário. Ela tinha ido direto para o inferno. A oração continuou com alternância entre momentos de ataques ferozes das entidades das trevas, por um lado, e momentos de grande alívio com visões de Nossa Senhora. De fato, ela teve uma visão de Nossa Senhora Desatadora de Nozes na qual a Virgem Santíssima desatava o último nó que precisava ser desatado em sua vida. O nó representava a cabeça da serpente que havia saído do meio de seu tórax. Ela também teve uma visão de Nossa Senhora chorando. Chorava pela dor e pelo sofrimento dela—pelas noites em claro que sua filha passava sendo atormentada pelas visões do inferno. Por volta das seis horas da tarde, isto é, duas horas depois do início dessa viagem de terror, ela começou a ver crianças orando ao seu redor e me pediu que as retirasse dali. As súplicas daquelas crianças estavam incomodando as entidades das trevas. Foi quando me lembrei de que exatamente às seis horas da tarde as crianças começam a rezar o Ofício de Nossa Senhora na capelinha. Imagine o poder da oração das crianças! Assim que começaram a rezar na capela, as influências malignas que atormentavam aquela pobre alma foram tremendamente incomodadas. Aproveitei a dica, peguei meu livrinho com as orações do Ofício de Nossa Senhora e comecei a rezar em voz alta. Também pedi às pessoas que estavam intercedendo do lado de fora que fizessem o mesmo. O cântico a Nossa Senhora irritava as entidades que tinha se apossado daquela mulher e ela—isto é, a coisa que estava nela—pedia insistentemente que parássemos de rezar. Pude perceber a força incrível da oração. Depois de algum tempo a mulher se acalmou, mas uma das entidades que estavam grudadas nela se recusava a sair—era justamente a que representava a chefe do terreiro. Esse encosto dizia que queria destruir o Vale e os seus moradores.  Por fim, chamei uma das intercessoras e pedi que colocasse a mulher, que ainda estava em transe, debaixo do chuveiro para ver se ela iria acordar. Depois de uma ducha de água fria, a pobre alma conseguiu voltar a si. Eram quase oito horas da noite quando a briga terminou. Ufa!

 

Antes da mensagem que Nossa Senhora daria naquela noite, eu entreguei um recado a Marilda solicitando que ela pedisse à Mãe Santíssima uma benção especial para aquela irmãzinha que tinha sofrido tanto. Pedi que Nossa Senhora concluísse o exorcismo que eu havia iniciado. Qual não foi minha surpresa quando ouvi, durante a mensagem, Nossa Senhora dizer: “Para ajudar os outros é preciso se curar primeiro. Primeiro se cure para depois lançar a rede e curar os outros. Jesus nos ensina que precisamos de cura e libertação e que para salvar alguém é preciso se doar e confiar plenamente no poder de Deus”. Quando ouvi isso, sabia que a Minha Mãe estava falando para mim. Eu tinha ainda um longo caminho a percorrer antes de querer lançar a minha rede ao mar.

 

Depois da mensagem do dia 26 de dezembro de 2009, no sábado à noite, Marilda fez alguns comentários. “Nossa Senhora não vai permitir que o Vale abra as portas a novatos. Somente vai consentir com a entrada de pessoas de oração. Não podemos aceitar ninguém que sai do mundo e vem aqui para se recuperar, como é o caso de dependência química ou outros tipos de dependência psíquica. Antes de acolher alguém, você deve falar comigo, pois eu consigo discernir o que podemos fazer e o que não temos condições de ajudar. Não estamos preparados para receber pessoas problemáticas, mas precisamos, isso sim, preservar a paz neste lugar. A nossa missão aqui é orar pelo mundo, portanto nossa vida deve ser dedicada a oração. Dependendo do problema que a pessoa tem, só vai nos desviar de nosso objetivo principal que é a intercessão e a entrega absoluta às coisas de Deus. Queremos este Vale andando no caminho da santidade”.

 

 

Você nasce com uma mancha horrorosa que é o pecado, que vem do berço. Mas Jesus nos leva à purificação. As pessoas

reconhecem facilmente suas fraquezas, mas devem

também reconhecer sua fortaleza, que é a

Presença de Deus em cada um de nós.

 

 

 

 

 

O ano passa, mas

o perdão, permanece!

 

Chega ao fim o ano dedicado ao perdão, mas não o perdão. “Vamos meditar sobre o perdão (29 de dezembro de 2009). Deus pediu muito para perdoarmos. Unidos ao meu coração e ao coração de Jesus se perguntem: ‘Será que eu perdoei como deveria ter perdoado?’. Faça essa pergunta ao seu coração, que não mente. Ele é a verdade, pois é onde Jesus habita. Seu coração é o maior sacrário de Jesus e a maior necessidade é saber perdoar. Neste ano tivemos que enfrentar grandes batalhas: luta das famílias, dos jovens e das crianças. Renuncie ao mundo de malícias e pecados. Jesus nos faz um apelo urgentíssimo ao perdão, pois quando o mundo perdoar de verdade, será transformado. Será que essa transformação está acontecendo? Quando há perdão, há paz e a paz é transformadora. O ambiente se transforma. Lembrem-se que perdoar é esquecer. Não é simples, não é fácil. Por isso muito ainda é preciso aprender sobre o perdão. Quantas vezes você se magoa e julga os outros. A missão do perdão foi dada a Jesus, pois tem que sair de dentro do coração. Para que a alma perdoe tem que ser generosa, mansa, meiga, fraterna, humilde. Jesus cura qualquer ferida. Ele não alivia, cura! Peça a Ele a graça do verdadeiro perdão e, para isso, você precisa ter o coração aberto. Jesus disse: ‘vá e não peques mais’. Ele não quer que você vacile, mas que tenha uma vida de renúncia e entrega. Ore sempre. O Céu fala em todos os cantos do mundo. Se o Céu clama é porque o mundo precisa de cura e libertação, que ocorrem pelo exorcismo. Quando Jesus entra em seu coração, você perdoa. Este momento é importante por dois motivos: ( 1 ) O Natal mostra a presença de Deus em nós e ( 2 ) o Ano Novo nos leva a buscar uma vida nova. Mas, parece que as pessoas estão até sem vontade de passar de um ano para o outro—daí ser preciso tanto de oração, tanto quanto de pão. Aliás, é preciso mais de oração do que de pão—porque é a oração que fortalece o corpo”.

 

Nossa Senhora nos lembra sempre da importância do perdão constante e pleno e de seu poder reparador. Tem o poder de reparar a dor, isto é, de nos curar. A mágoa leva à dor, que produz alterações de humor, que levam direto à tristeza, à raiva, à depressão e, finalmente, ao desespero. Observe a vida em sua família. Um fato simples como não encontrar um remédio, pode alterar um pai, uma mãe, que grita com os filhos, que agridem o cachorrinho. Aquele pai, aquela mãe, não se irritou porque não conseguiu encontrar o que desejava, mas porque já vinha cansado, cansada, de um dia estressante de trabalho. O clima em casa fica terrível e a raiva ataca todos, dos pais ao cachorrinho, passando pelas crianças. Está armada a barraca para a dança do mal, que deita e rola. E, nós, pobres seres humanos caímos nas mãos do maligno, com tanta facilidade. Daí a importância da oração, que serena as almas e as conduz ao perdão, à libertação, á cura e ao exorcismo. É por isso, que Nossa Mãe nos pede oração—oração continua—e garante que a oração é mais necessária do que o alimento do corpo. Somente a oração pode chutar o pé da barraca armada pelo maligno e trazer de volta a paz. Comece seu dia com a oração, lembre-se de orar freqüentemente e, termine o dia, com a oração. Qual é a devoção mais recomendada por Nossa Senhora? O santo rosário. É uma súplica tão importante que, sempre, no momento da aparição, Marilda vê Maria com o terço na mão. Ela aparece toda vestida de branco e descalça e o único objeto que carrega—em sua mão direita—é o terço. Dá para ver e sentir a o  que o terço representa.

 

Vassula Ryden, vidente grega, afirma: “É preciso encaminhar as crianças para o terço. É melhor do que 56 outras orações, comparadas com ele (Por que o número 56? Porque é o número básico de preces contidas no terço: 50 Ave Marias, 5 Pai Nossos e 1 Creio em Deus Pai). As crianças não têm paciência, especialmente os adolescentes. Meu filho tinha 14 anos, quando se deu conta do poder de satanás. Foi então que eu lhe expliquei como podemos combatê-lo, dando-lhe como que pancadas de ferro em brasa, com orações e, sobretudo, com o terço. É preciso rezá-lo todos os dias. Devemos oferecer tudo pelas intenções de Jesus e de Maria. É que Jesus e Maria sabem muito melhor do que nós quem precisa e o que precisa. A oração chega a toda a parte. Eles então a pegam e a aplicam naquilo que é mais necessário. Eles sabem muito bem repartir” (Fraternidade Missionária de Cristo-Jovem. Quem é Vassula? Lisboa: Boa Nova, 1993, página 144).  O próprio Jesus disse a Vassula: “Vocês não pertencem ao mundo. Por que, então, se deixam enganar e, tão repetidamente? Desde a criação da terra, Eu mesmo chamei por vocês, pelo nome, mas quando propus a paz, uma paz universal, quase todos preferiram a guerra. Mas, agora, derramei o meu Espírito, para que recordem de sua verdadeira criação e para que se lembrem de que vocês são a Minha semente. Hoje, essa semente está envolvida em palavras mortas. Eu sou o Santíssimo que possui a todos em primeiro lugar. Por quanto tempo as almas ainda resistirão a estes Olhos que as viram em primeiro lugar? Por quanto tempo ainda renegarão os Meus dolorosos apelos? Entre vocês, são muitos os que os que ainda abrigam a desolação em seu íntimo.  Vocês não vêem como a serpente ainda os engana constantemente, do mesmo modo que enganou a Adão e Eva? Sutil e incansável, satanás sugere que vocês cortem todas as ligações celestes que ainda os unem a Mim, que Sou o Pai do Céu. Foi satanás que hipnotizou a memória das almas, de modo a fazer com vocês acreditem que estão sem pai, criando, assim, um verdadeiro abismo entre vocês e Eu, o Deus de vocês. Satanás quer separá-los de Mim e cortar o cordão umbilical que os une a Mim e no qual correm para cada pessoa os Rios da Vida” (página 288).

 

Em sua mensagem do dia 29 de dezembro de 2009, Maria confirma as palavras de Jesus a Vassula: “As pessoas não oram mais e não se lembram do quanto Jesus quer estar em nós. Este ano foi maravilhoso, porque Jesus, de fato, quis habitar em nós. Está é a última mensagem do ano dedicado ao perdão. Responda à pergunta de Jesus: ‘Será que eu perdoei como deveria ter perdoado?’. No momento em que pensarmos saber mais, esse é, justamente, o momento em que precisamos buscar mais. A pessoa que tem doação, nunca se acha santo, mas o que é mais limitado, esse sim, pensa que é santo. A que acha que sabe muito, não sabe nada. Porém, aquele que fala que não sabe, esse, sim, pode até saber um pouco mais. A presença do Espírito Santo em nós tem que ser magnífica. O Céu quer operar essa benção em nós. Há necessidade de luz, por isso peça ao Espírito Santo que nos envie a luz. Deus precisa de pessoas que sejam luz para iluminar os que mais precisam. Se Deus esta com você, é uma pessoa feliz. Lembrem-se sempre de que a oração de vocês é pelo mundo todo. Essa mensagem mostrou para vocês a necessidade da cura e da libertação dos corações e a Minha benção é para o mundo inteiro que precisa de perdão”.

 

Exatamente à meia noite, do primeiro dia do ano de 2010, Nossa Senhora pareceu na capela grande, pronunciando as seguintes palavras: “Este é um momento de grande alegria. Eu fico feliz quando chega o Ano Novo, pois há uma busca por algo novo. Peço a Deus que algo realmente novo aconteça. Há sofrimentos temporais devido à falta de respeito ao meio no qual o ser humano vive. Mas é tempo de vida nova, de um novo ser humano e de uma nova terra. O ano que passou foi maravilhoso, porque foi o ano do perdão. Talvez seja agora que o perdão vá fluir, principalmente, nas famílias. É preciso perdoar para sobreviver aos ataques horrorosos do inimigo contra as famílias. O que passou foi o ano de orar, de fato, pelo perdão. Na oração vocês ofertam seu coração a Deus. Sei que a oração do perdão não será esquecida neste novo ano, pois o Espírito Santo mostra que, sem perdão, a humanidade não consegue prosseguir”. A oração do perdão ensina por Nossa Senhora no primeiro dia do ano de 2009 é a seguinte: “Pai, perdão pelas minhas falhas, pelas minhas culpas, pelos meus pecados. Jesus, perdão pela minha fraqueza, pelo meu orgulho, pela minha falta de fé, perdão! Oh! Espírito Santo de luz, seja minha ciência, minha sabedoria e minha inteligência. Para que diante de Vós, Pai, Filho e Divino Espírito Santo, eu possa receber e alcançar o perdão. Amém!”.  Essa é uma súplica que deve ser repetida com freqüência, pois, de acordo com a Nossa Mãe: “Preste atenção à oração do perdão. Deixe que através dela o Espírito Santo aja em seu coração, pois Ele é o único que nos pode fazer entender o perdão. Primeiramente, precisamos pedir perdão ao Pai, depois a Jesus e, a seguir—buscamos através dessa oração—o entendimento da presença do Espírito Santo, o único capaz de nos oferecer o real conhecimento do perdão. Perdão esse que deve ser procurado no Pai para a edificação do Filho que é Jesus. Portanto, é uma oração extraordinária. Eu meditei e medito cada palavra por mim enunciada a vocês pela vontade de Deus. Vejo quão maravilhoso é esse perdão, porque o canal para se chegar ao perdão é a Luz do Espírito Santo”.

 

Devido à necessidade de perdão, Maria pediu à comunidade que continuasse a  rezar a oração do perdão, mesmo depois que o ano dedicado a ele tivesse passado. Assim é que essa súplica faz, agora, parte de todos os momentos de oração do Vale. Quanto ao Ano Novo que o Pai nos presenteava juntamente com uma belíssima mensagem de Maria, ainda não sabíamos qual seria a sua dedicação. O suspense persistiria até o final da mensagem, pois somente, então, Ela, a Rainha do Céu e da Terra, nos revelaria a que ou a quem ele seria dedicado. Voltando à mensagem de Ano Novo:

 

“Este ano precisamos de união. As pessoas que perderam suas casas devido às tempestades no Brasil estão sob a proteção de Deus e vão seguir adiante (Referência aos deslizamentos de terra em Angra dos Reis, estado do Rio de Janeiro e as enchentes no estado do Rio Grande do Sul). Quando tudo parece difícil, aparece a Misericórdia de Deus. Por mais difícil que seja, este ano de 2010, nele também veremos a Luz que nos dá força. É preciso ter sede e beber da água que Jesus nos deu e também ter fome e comer do alimento que Ele nos oferece. O ser humano já tem o conhecimento espiritual, e o povo de Deus está sendo iluminado de forma extraordinária. Principalmente no Brasil há muitos pontos de luz. Esses pontos de luz têm dado ao católico a fortaleza para seguir adiante, mesmo quando o mundo parece desmoronar. A primeira coisa é Deus. Deus é a luz porque é o Espírito Santo. Deus é amor porque é o Filho. Deus é misericórdia porque é Pai. Não conseguimos ver Deus se não estamos unidos. Só o enxergamos na comunhão com os outros e com Cristo, para Cristo. O presente do ser humano é o próprio tempo presente, pois não sabe se o amanhã virá. Quem pode dizer que estará novamente de pé amanhã. Todos aqui estão cientes de que sua vida está nas mãos de Deus. Mas, muitos têm dificuldade de viver a presença de Deus. Quando sofrem com as doenças, as dificuldades materiais, as perdas e a morte, só então as pessoas se dão conta de que Deus, realmente, existe”.

 

Nossa Senhora não promete que 2010 será fácil. Pelo contrário, diz que precisaremos de união para vencer os desafios que estão por vir. Logo no dia 12 de janeiro um terremoto em Porto Príncipe, capital do Haiti, matou mais de 100 mil pessoas e deixou a maioria da população desabrigados. Hoje, dia 24 de janeiro, ainda há pessoas morrendo devido às doenças que apareceram devido à falta de higiene e à putrefação dos cadáveres espalhados por toda parte. O sofrimento no Haiti é enorme e, como explica Maria, quando uma parte da humanidade sofre, todo o mundo padece.   

 

“Temos que viver nosso presente, pois o amanhã não nos cabe. Vivemos tempos de grandes perdas e Jesus nos ensinou que, para ganharmos o Céu, precisamos perder até mesmo o nosso corpo. Precisamos estar preparados para essa passagem. Onde está a bem-aventurança das pessoas para que este ano seja bom? Será que as pessoas estão se lembrando de consagrar este ano a Deus? Muitas vezes pedem tudo para o Ano Novo, menos a espiritualidade que é mais importante do que o pão. Na passagem de ano faça uma reflexão. Se pergunte: ‘Quem sou agora?’ e ‘Quem posso vir a ser?’. Reflita sobre a presença de Deus em sua vida e prepare seu coração para suplicar a Luz. As trevas e a dor são produto das próprias mãos das pessoas que se agridem causando todo tipo de sofrimento físico. A cada ano é preciso que renovemos a busca pela paz. Jesus está lutando intensamente para resgatar o que pode ainda ser resgatado. É preciso suplicar por compaixão por só o sangue Dele pode salvar a humanidade. Neste Vale de paz, Jesus conduz pecadores à santidade e a paz. Muitas vezes, Jesus deseja proteger você, mas você escolhe cair e, mesmo assim, Ele está sempre pronto para lhe resgatar. Jesus está muito próximo de nós—você cai e Ele lhe traz para o caminho novamente. Ele é muito paciente. Se tivesse a paciência de Jesus, você teria também mais sabedoria. Ele pede que tenham todos pensamentos puros, chama a todas as pessoas e as conduz ao caminho da verdade. É preciso ser mais de Deus, se entregar mais a oração e lutar para que a passagem de ano leve a uma verdadeira transformação de vida. A oração faz uma diferença em todos os sentidos, pois Deus é Providência. Ele vai providenciar a esperança, a certeza, a coragem. Sejam fortes! Deus vai dar a cada um a coragem para seguir em frente. Peça ao Céu o que o mundo mais precisa que é de paz!. È preciso sacrifício e penitência para que o mundo seja curado”.

 

Nesse momento Nossa Senhora, como afirma Marilda, abre os braços e abençoa a seus filhos e filhas. Sinto a presença Dela em meu coração e, embora não a veja, é como se a visse, pois um oceano de paz me invade quando Ela nos abençoa.  Depois da benção Ela revela para quem irá dedicar este ano de 2010. “Este foi um instante que nos trouxe paz, amor e esperança, um instante que nos trouxe a sabedoria. Jesus já ofereceu os anos anteriores a tudo, à famílias, aos sacerdotes, ao perdão, etc. E, neste ano faz um apelo muito bonito. Ele dedicou o ano aos romeiros e peregrinos, aqueles que renunciam a tudo (festas, bebedeiras, bailes de carnaval, etc.) para estar aqui. A oração deste ano é a seguinte:

 

Senhor Jesus, que abençoastes a todos os Teus instrumentos—homens, mulheres, jovens e crianças—que caminham sobre o Teu caminho. Para que diante de Ti tenham sempre confiança, fé e boa vontade. Consagramos ao Teu Coração Misericordioso a nossa caminhada de fé. Que sejam abençoados e protegidos os romeiros e peregrinos do mundo inteiro. Amém!  

 

“Jesus é o grande caminho e nós somos seus instrumentos. Orar para todo esse povo de Deus é orar pela vitória de Deus. Este Vale é um santuário de graças que serão espalhadas pelo mundo inteiro. O triunfo de meu Imaculado Coração virá logo.    

        

 

14 de dezembro de 1987

 

Segredos:

 

 

 

Hoje acontecerão muitas coisas maravilhosas. Vocês devem lutar pela salvação da Igreja, principalmente, por esta paróquia. Sigam os profetas. Não se preocupem com a minha vinda aqui e com a minha demora. De todas as minhas vindas no mundo a mais importante é aqui. Porque vou ensinar a vocês como Deus ama vocês, como seguir o caminho do bem, como se livrar de satanás, como é a Igreja que Jesus Cristo fundou, como Deusa ama a piedade e como todos poderão viver no Reino de Deus. Não é só eu que estarei aqui mas, também, o Anjo Gabriel, o Anjo Rafael, o Anjo Miguel e Jesus Cristo.

 

(uma estrela passeia pelo Céu—uma visão que todos podem ver)

 

Sigam Jesus Cristo porque Ele é o Caminho e a Verdade. (todas as luzes ficaram vermelhas neste momento). Hoje será o dia mais bonito de minha vinda aqui neste lugar. Sigam o Caminho de Deus que é a Verdade.

 

Marilda diz “esses sinais não são nada de maravilhoso—deixa até que vejam Ela—vocês cairão!”.

 

Deus mostrará a todos que estão aqui hoje o começo de coisas maravilhosas. Verão o Céu de todas as cores. Estou presente aqui para dizer a todos: sigam o Caminho de Deus que é a Verdade. Algumas poderão ver o Anjo Miguel anunciando a vinda de Jesus Cristo aqui na terra. E, mais uma vez eu lhes digo que o Anjo Gabriel dirá: Jesus Cristo virá no Natal!. Hoje algumas pessoas,  que já viram o Coração de Jesus tentem se manter calmas—porque poderão avistar o próprio Jesus—o seu próprio Irmão. Hoje verão coisas maravilhosas que somente Deus pode mandar para vocês. Sigam o Caminho de Deus que é a Verdade, porque aquelas pessoas que não se converteram estão passando por uma dificuldade imensa. Por isso eu lhes peço, meus filhos, vocês que já se converteram, ajudem a elas porque não sabem o que fazem. Estão querendo destruir o plano de Deus.

 

Marilda pergunta: “Vocês querem avistar o Anjo Gabriel ou as estrelas mudando? Eu prefiro avistar o Anjo Gabriel”. “Ela vai ficar a noite inteira aqui, se vocês ficarem nessa gritaria, Ela vai embora”.

 

A tarefa que Ele (Anjo Gabriel) deve fazer com que todos os seus irmãos anunciem a chegada de Jesus na terra. A tarefa que Jesus mandou pelo seu irmão é a de dizer que vocês devem anunciar como Jesus sofreu. A tarefa que Deus mandou para seu pai (Antônio Santana—que fazia anos naquele dia) é a seguinte: siga a Verdade e mostre aos outros que Deus é o nosso único Pai. Vocês não precisam se preocupar como farão isso. Eu direi como. Vocês foram escolhidos por Deus e pelos apóstolos. Por isso, eu lhes digo hoje é momento das maravilhas. Eu quero que nada que seja riqueza entre aqui neste lugar, porque Deus sofreu e nunca gostou da riqueza—gostou das pessoas mais humildes, que rezam e pedem pelos seus irmãos que são orgulhosos. Direi quais os cinco terão que realizar uma tarefa imensa para Deus.

 

Serão—prestem atenção—Geraldo, Marconi, Mariinha, João e Valdemar. Vocês terão que trazer o Reino de Deus para a terra e anunciar para os que não se converterem a chegada de Jesus Cristo aqui na terra. Ele trará a paz para o mundo inteiro. Vocês anunciarão para o mundo inteiro a chegada de Jesus. Mas não vai ser preciso que vocês andem no mundo inteiro, somente nesta paróquia, porque daqui mesmo todos ouvirão vocês.

 

Agora Ela mandou escolher seis—para dizer que o Reino de Deus será maravilhoso. Esses seis são Zé, Odário, Senhor Antônio, Lisbete, Inês e Davi.   Vocês terão que anunciar a verdadeira chegada de Jesus na terra e contar tudo o que está acontecendo aqui. Vocês estarão com Jesus Cristo ao lado de vocês, não só com Ele, mas, também, com todos os anjos, que são milhares.

 

Agora vou escolher uma pessoa para fazer a tarefa mais fácil. Essa pessoa terá que guardar a voz de Jesus e será a Alice. Agora escolherei quatro pessoas que são verdadeiras mamães, que já sofreram muito.no mundo. Elas são Maria, Terezinha, Yolanda, Margareth.

 

Escolherei muitas pessoas para que o Reino de Jesus Cristo reine mesmo na terra. Mas, antes escolherei uma criança para falar o que sente ao ver Maria: Juliana. Escolherei uma pessoa para dizer o que sente por ser a escolhida para ser a mensageira de Deus: Marilda. E, também, escolherei mais uma, a fiel de Deus: Íris. As três juntas formam a corrente que acorrentará satanás. Vocês três já sofreram muito e por isso mesmo, vocês irão acorrentar satanás. Se não fossem vocês para amar a Deus de verdade e não temer nada, satanás não seria acorrentado.

 

Minha vinda aqui neste lugar é para esclarecer a dúvida de todos, porque, realmente, a Igreja não sabe nada e está vivendo antes de Cristo. (As pessoas parecem questionar Marilda e ela responde com energia: “Foi isso que Ela falou e eu não sei o que significa não”.)  Quero dizer a vocês que vocês são os responsáveis por satanás deixar a dor

 

Vou escolher duas crianças, que serão muito boas para seus pais: Renilda e Renata.  Essas duas crianças sofrem muito. Só Deus sabe do sofrimento delas. Escolherei três crianças que são anjos de Jesus: Rafael, Paulo e Antônio. Isso não quer dizer que eu os amo mais do que aos outros que estão aqui. Os escolho porque Deus preparou a família deles há muito tempo.

 

Nossa Senhora está muito feliz porque um dos filhos dessa família ser um profeta (acho que essa referência é relativa à Marilda). Todas as crianças aqui presentes anunciarão a chegada de Jesus aqui na terra e farão um presépio para Ele. Os homens dirão: ‘anunciamos a Jesus Cristo porque Ele virá e o seu Reino será maravilhoso’. Os velhos dirão amém! Os casados dirão muito obrigado meu Jesus. Os que sofrem de doenças levantarão o dedo e dirão: ‘anunciamos a chegada de Jesus na terra e ficarão, no mesmo momento, livres de suas doenças’. Depois dirão os animais: ‘queremos entrar no Reino de Deus’. E assim Deus fará àqueles que amaram a Jesus desde o seu nascimento e serão como as pessoas.

 

Jesus dirá: ‘Eu virei porque amo a vocês de verdade’. Não precisam se preocupar porque minha vinda aqui neste lugar é até o amanhecer. Deus anunciará que aqui na terra terá fogo e o Reino de Deus descerá sobre a terra e satanás será acorrentado e nós seremos levados para o Céu.

 

Minha vinda aqui neste lugar é a mais importante no mundo. Nunca aconteceu no mundo nada igual. Jesus Cristo descerá sobre um raio de luz e dirá: ‘venham, sigam o meu Caminho’. Enquanto isso as três meninas serão levadas ao Céu para conhecer a Deus e ver como Ele está feliz.

 

Deus mandará uma coisa: lágrimas. Será então quando Jesus virá junto com milhares e milhares de anjos que anunciarão: ‘o Reino de Deus tocou o coração de todos’.

 

As estrelas significam as lágrimas de Deus. Eu anuncio a chegada de Deus na terra. Você vai poder me avistar. Vou dizer uma coisa importantíssima. Deus também virá à terra, depois que vocês três me conheceram. Haverá sinais para vocês de todos os tipos, inclusive nas estrelas.

 

Anjo Rafael descerá sobre o Bebeto. (Marilda chama o Bebeto para vir mais próximo dela). Podem trazer o Paulo Henrique, o Anjo Gabriel descerá sobre ele. Antônio Augusto porque o Anjo Miguel descerá sobre ele. Eles também ajudarão aos apóstolos.

 

Façam uma corrente e coloquem as crianças menores de cinco anos no centro. O Anjo da Guarda descerá sobre elas. Os anjos já estão descendo sobre elas. O poder de Deus, lhes aviso, já está sobre a terra.

 

(Marilda fala: “Nós estamos vendo tantas coisas bonitas. É muita mensagem. Estamos sem microfone. Fiquem quietos se não vou ficar rouca”.)

 

Quando chegar a madrugada andarei acima de todos e quase todos poderão me ver. Deus já disse de forma decisiva: ‘ou os padres me aceitam ou não me aceitam, porque eu realmente estou aqui neste lugar presenciando a todos vocês’.

 

Como Deus ama vocês em Piedade. Ninguém poderá impedir vocês de verem o Céu, porque quando vocês me avistam nada pode interferir. Mas, uma coisa eu lhes aviso, que, com grande amor e gratidão os anjos já estão no meio de vocês.

 

Missão do Anjo Gabriel: anunciar a chegada de Jesus na terra.

 

Missão do Anjo Rafael: dizer que todos nós somos iguais perante o Reino de Deus que durará para sempre.

 

Missão do Anjo Miguel dará a proteção.

 

A minha presença será neste lugar (Morro das Aparições) e em uma capela que deverá ser construída imediatamente. Nessa capela acontecerão coisas maravilhosas. Se confiarem em Deus poderão ver a capela brilhar à noite.

 

Eu lhes aviso, não precisam pedir ajuda dos padres, dos bispos, dos papas. Porque o que está acontecendo neste lugar depende só de Deus.

 

(Nossa Senhora avisa que o Céu vai se mover como prova de sua presença aqui—pede que as pessoas não se preocupem. Pois, não vão mais precisar pensar no serviço.)

 

Cristo disse que eu sou a verdadeira Mãe de vocês e que o que está acontecendo aqui não tem nada a ver com satanás. Porque quem está aqui presente sou Eu, Maria Mãe de Jesus, e minhas obras e não obras de satanás. O Brasil é o lugar mais importante porque Jesus Cristo descerá no coração de vocês e eu levarei vocês ao Céu esta semana. E, amanhã, ao amanhecer, as três crianças me abraçarão porque acorrentarão satanás. Mas, devem esperar um pouco, porque aqui no Brasil, na terça feira, a partir das oito horas da manhã, abraçarei todo mundo.

 

Vocês sentirão no coração que Eu estou presente aqui e verão que Eu os amo de verdade. Os sinos de Natal tocarão na noite de sexta feira. Vocês passarão a conhecer a Deus verdadeiramente. Deus vai mandar um abraço para todos vocês. Este será o meu segundo abraço a vocês.

 

(Marilda diz: “Nossa! Que coisa importante!”)

 

Jesus Cristo já desceu no coração de todos. Daí para frente é que vai, realmente, recomeçar o verdadeiro Reino de Deus—que levará mais de três anos, mas começará por este mês. Jesus Cristo caminhará com vocês durante esses três anos.

 

Amanhã voltarei durante o dia. A minha vinda aqui na terra é exclusiva, principalmente, pelos brasileiros. O primeiro país a se transformar será o dos brasileiros.

 

Todos são perseguidos pelos ricos de outros países. Satanás será expulso, verdadeiramente, da terra. Mais uma vez eu lhes digo que Eu sou a Mãe de vocês. Temos que transformar a Igreja a partir da fundação—da fundação de Jesus Cristo.

 

A coisa mais importante que acontecerá aqui é a minha vinda à terra. Milhares de pessoas me verão. Eu espalharei bênçãos com as minhas mãos e vocês irão receber. Será uma coisa muito maravilhosa, de extraordinária beleza. Será a riqueza de fé para o mundo.

 

Maravilhas acontecerão amanhã!